Escolha as suas informações

Europa procura ideias para abrir praias no verão
Sociedade 3 min. 21.04.2020 Do nosso arquivo online

Europa procura ideias para abrir praias no verão

Europa procura ideias para abrir praias no verão

Foto: AFP
Sociedade 3 min. 21.04.2020 Do nosso arquivo online

Europa procura ideias para abrir praias no verão

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
Numa sessão no Parlamento Europeu, o comissário do Mercado Único, Thierry Breton, referiu ainda que vai ser criado um fundo especial para salvar a indústria do turismo.

"Percebo perfeitamente a urgência: estamos em abril e temos que ter ideias para as pôr no terreno antes de a estação começar", adiantou aos eurodeputados, numa sessão feita por videoconferência. A ideia é garantir a empregabilidade e a sobrevivência das zonas balneares, permitir aos europeus que desfrutem de alguma forma de férias mas, ao mesmo tempo, salvaguardar as condições de saúde pública impostas pela pandemia da covid-19. E assegurar este último aspeto poderá ser o maior desafio. "Estamos a procurar soluções para garantir alguma forma de abertura das concessões de praia", disse hoje Thierry Breton, o comissário europeu do Mercado Interno, numa reunião da comissão de transportes e turismo do Parlamento Europeu.

Turismo com prioridade máxima nas ajudas

Quanto às ajudas financeiras, Breton afirmou que, sendo o setor do turismo e da hospitalidade "o mais atingido pela crise", o primeiro a ter encerrado a sua atividade e, previsivelmente, o último a reabrir, "é para ele que deve ser canalizado o grosso das verbas de apoio dado às empresas".

"Posso garantir que, de entre todos os setores económicos na Europa, este é o que tem a prioridade máxima, em termos de necessidade de apoio urgente", disse Breton, adiantando que está a ser criado um fundo especificamente vocacionado para o setor. "Estamos a ver as ferramentas para ter a certeza que o fundo esteja disponível o mais depressa possível".


Covid-19. Ursula von der Leyen diz que vamos ter férias de verão
Em declarações ontem ao Expresso, a presidente da Comissão Europeia manifesta-se "otimista quanto às férias", "graças a soluções inteligentes".

De acordo com os números apresentados por Breton, o setor do turismo representa cerca de 11% do PIB europeu, mas a sua estrutura empresarial torna particularmente vulneráveis os seus trabalhadores: "80% das empresas têm menos de 10 empregados, e muitas vezes tendo como funcionários pessoas das mesmas famílias. É um setor muito frágil que tem sido atingido da forma mais dura".

"No geral, a situação é muito preocupante: Os hotéis irão perder até 50%. Os operadores de turismo e agências até 70% e as empresas de cruzeiros e de aviação até 90%". Números que, no entanto, serão díspares nos vários países, dependendo da sua dependência do turismo.

Do turismo de massas à sustentabilidade

O comissário estimou que a indústria do turismo e viagens irá necessitar de até 400 mil milhões de euros para recuperar daquilo que poderá ser a pior recessão desde a queda da Bolsa de Nova Iorque, em 1929. E que terá que ter "uma rede de segurança", para sobreviver aos próximos meses de verão. Particularmente atingidas deverão ser as ilhas europeias, dos vários países, a grande maioria exclusivamente dependente do turismo.


Sondagem. Quase metade dos residentes tenciona ir de férias, "se a situação o permitir"
Quase 50% das pessoas inquiridas ainda tenciona passar férias noutro país, se o contexto o permitir.

Mas, defendeu, a recuperação deverá ser uma reconversão: "Está mais do que na altura de o turismo se tornar mais resiliente, mais sustentável e que se desenvolva tendo em conta uma maior capacidade de se adaptar aos novos desafios digitais".

Sendo a Europa o principal destino mundial (com cerca de 50% de todo o mercado internacional), não deverá continuar a assentar num turismo de massas. "Tem que ser um setor mais estratégico, que se inscreva também no Pacto Ecológico e que assente na nossa herança cultural".

"A Europa é o principal destino mundial, mas também o excesso de turismo tem que ser repensado, tem que emanar do Green Deal e também da nossa ambição digital. Tem que ser um setor mais estratégico e que decalque os seus valores da nossa herança cultural".

O comissário Breton anunciou ainda a realização de uma grande cimeira europeia sobre a reconversão do turismo irá ter lugar no final de setembro e que seja "um momento em que se exploram as lições desta crise" e em que se "cria o turismo que queremos no futuro".

"Mas é preciso que as empresas sobrevivam. Nessa altura, a cimeira pode ser um grande sucesso ou um funeral coletivo", salientou o eurodeputado italiano Carlo Fidanza.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Nos últimos cinco anos
O setor do turismo cresceu 32% nos últimos cinco anos no Luxemburgo, de acordo com a secretária de Estado da Economia, Francine Closener, que quer manter esta trajetória ascendente. A governante afirma que para tal é preciso continuar a investir.
A secretária de Estado da Economia, Francine Closener.