Escolha as suas informações

Europa e Japão vão a Mercúrio para se entender melhor a Terra
Sociedade 2 min. 28.03.2019

Europa e Japão vão a Mercúrio para se entender melhor a Terra

Europa e Japão vão a Mercúrio para se entender melhor a Terra

Foto: NASA
Sociedade 2 min. 28.03.2019

Europa e Japão vão a Mercúrio para se entender melhor a Terra

Em causa estão as dúvidas sobre a origem dos planetas.

Uma missão das agências espaciais europeia e japonesa a Mercúrio, um planeta que ainda é um grande mistério, vai permitir perceber melhor a origem e evolução de planetas como a Terra, afirmou hoje, em Coimbra, um dos coordenadores científicos.

"Nós não percebemos muito bem a origem da Terra. Não há informação suficiente na Terra, porque é demasiado ativa e Mercúrio, que é como a Terra, ainda tem informação sobre o passado. A informação que iremos recolher é importante também para perceber a origem, a formação e a evolução de planetas como a Terra", disse hoje o coordenador científico da equipa japonesa, Go Murakami, que falava aos jornalistas no âmbito da passagem do projeto por Coimbra, onde realiza um 'workshop' de três dias com jovens cientistas.

A BepiColombo, uma missão conjunta da agência espacial europeia (ESA) e da agência espacial japonesa JAXA, arrancou em outubro de 2018 e deverá demorar sete anos até chegar a Mercúrio, um planeta que continua a ser uma grande incógnita.

"A Terra tem um campo magnético, que consegue ser uma barreira contra o vento solar. Sem barreira, pode ficar afetado o ambiente do planeta. Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol, tem um campo magnético fraco e não conseguimos perceber como consegue funcionar contra um vento solar tão forte", salientou Go Murakami, tendo como expectativa que os dados recolhidos nesta missão possam ajudar a responder a várias das perguntas sobre aquele planeta do sistema solar.

Segundo o cientista japonês, a atual missão assume várias vantagens relativamente à última realizada em Mercúrio (pela agência americana NASA), em que a sonda MESSENGER esteve em órbita de Mercúrio durante quatro anos, entre 2011 e 2015.

Para além de serem duas sondas - o que aumenta as probabilidades de sucesso -, a sonda japonesa está "completamente dedicada" ao estudo do ambiente do planeta.

"Só temos sete anos para conseguir perceber que medidas precisamos para resolver o 'puzzle', o incógnito de Mercúrio. É um mistério. Ninguém percebe, por exemplo, porque é que ainda há um campo magnético de origem no núcleo de Mercúrio, tal como acontece na Terra", salientou Joana Oliveira, cientista formada na Universidade de Coimbra e que participa no projeto, estando a realizar um pós-doutoramento na ESA.

Com esta missão, explicou, espera-se "ter muitos mais dados e avançar muito mais" no conhecimento sobre Mercúrio.

Para além do conhecimento sobre Mercúrio, a missão também é importante pelos dados que recolhe no caminho de sete anos até ao planeta, constatou Nuno Peixinho, astrónomo do Observatório Geofísico e Astronómico da Universidade de Coimbra, onde decorre o 'workshop'.

De acordo com o cientista, serão importantes os dados sobre a meteorologia espacial, que afeta e influencia os satélites, fundamentais para muita da tecnologia atual.

Para além da participação da cientista Joana Oliveira na missão, o projeto contou ainda com a colaboração das empresas portuguesas Efacec e Active Space Technologies.

Segundo Nuno Peixinho, cada vez mais Portugal "envolve-se nestes projetos espaciais", esperando que nos sete anos de viagem até Mercúrio mais cientistas portugueses se juntem a Joana Oliveira na equipa.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

A portuguesa que chegou a Marte
Joana Neto Lima esteve envolvida na missão InSight em Marte, que lançou com sucesso uma sonda em maio deste ano. Após quatro anos no Centro de Astrobiologia em Madrid, a portuguesa procura agora regressar como bolseira para continuar a investigação sobre possível vida noutros planetas.