Escolha as suas informações

Estudo deteta bactéria ultra-resistente em várias instituições de saúde mundiais

Estudo deteta bactéria ultra-resistente em várias instituições de saúde mundiais

Foto: Pixabay
Sociedade 04.09.2018

Estudo deteta bactéria ultra-resistente em várias instituições de saúde mundiais

Cientistas australianos detetaram uma nova variante de uma bactéria ultra-resistente a vários tipos de antibióticos em várias instituições de saúde mundiais. A 'super bactéria' constitui uma nova estirpe de um micro-organismo vulgarmente encontrado na pele humana.

Um estudo da Universidade de Melbourne, na Austrália, descobriu recentemente três variantes de uma bactéria vulgarmente encontrada na pele humana, que se revelaram ultra-resistentes a quase todos os antibióticos existentes no mercado. A investigação mundial analisou várias amostras de 96 instituições de saúde mundiais em 24 países. "A descoberta é mesmo o facto de esta bactéria estar a propagar-se pelos hospitais um pouco por todo o mundo, de forma silenciosa durante vários anos", afirma Ben Howden, co-autor do estudo e diretor da Unidade de Diagnóstico Macrobiológico do Laboratório de Saúde Pública do Doherty Institute.

O micro-organismo detetado pelos cientistas é o resultado de uma mutação da Staphylococcus epidermis - um tipo de bactéria presente na pele humana. As variantes mais resistentes da bactéria foram encontradas na Europa. Ben Howden explica no entanto que a Staphylococcus epidermis "nem sempre causa infeção. Mas num pequeno número de pessoas pode levar a uma infeção grave a invasiva que poderá requerer um tratamento mais complexo". Desta forma, pacientes com sistemas imunitários debilitados ou que recorreram a cirurgia ou implantes médicos são os mais vulneráveis às mutações mais resistentes da bactéria.

A prescrição inapropriada de antibióticos é um dos fatores relacionados com o aumento de micro-organismos cada vez mais resistentes. O estudo publicado no jornal académico Nature Microbiology constitui um alerta para as instituições de saúde que deverão estar atentas a novas estirpes, atuando na sua prevenção e tratamento imediato.

Catarina Osório

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas