Escolha as suas informações

Escolas secundárias em Pequim reabrem no final de abril
Sociedade 2 min. 13.04.2020 Do nosso arquivo online

Escolas secundárias em Pequim reabrem no final de abril

Escolas secundárias em Pequim reabrem no final de abril

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 13.04.2020 Do nosso arquivo online

Escolas secundárias em Pequim reabrem no final de abril

Lusa
Lusa
A 27 de abrilos alunos do ensino secundário voltam à escola, enquanto os alunos do ensino básico terão que esperar até ao dia 11 de maio.

As escolas secundárias em Pequim vão reabrir em 27 de abril, informaram hoje as autoridades locais, após mais de três meses fechadas devido ao surto do novo coronavírus.

Com exceção da província de Hubei, de onde a doença é originária, a capital chinesa era a única divisão administrativa do país que não tinha ainda anunciado a retomada de aulas presenciais em nenhum dos diferentes níveis de ensino.

Em 27 de abril, os alunos do ensino secundário voltam à escola, enquanto os alunos do ensino básico terão que esperar até ao dia 11 de maio.

A Comissão Municipal de Educação de Pequim justificou a decisão com a necessidade de permitir que os alunos se preparem para o exame de acesso ao ensino superior, que serão realizados entre os dias 7 e 10 de julho.

Para os restantes níveis de ensino, incluindo jardins de infância, universidades ou o ensino profissional, não foi ainda definida uma data.


Portugal mantém escolas fechadas até setembro
Até ao fim do ano letivo, os alunos vão ter aulas à distância através da RTP Memória. Os exames de acesso à universidade vão ser adiados e os do 9º ano nem sequer se realizam. António Costa diz que é um "sacrifício que se justifica".

O ministério da Educação da China decidiu adiar indefinidamente o retorno às aulas em todos os níveis educacionais após as férias lunares do Ano Novo, em 27 de janeiro.

Um mês depois, em 28 de fevereiro, as autoridades permitiram que as escolas em áreas menos afetadas do país retomassem as aulas.

O ministério detalhou que as universidades serão os últimos estabelecimentos de ensino a abrir em todo o país.

Todos os estabelecimentos de ensino que retomarem a atividade deverão cumprir uma série de regulamentos rigorosos, entre os quais o uso de máscaras nas aulas, estabelecer áreas de isolamento temporário para quem revelar sintomas, ventilação e desinfeção das salas de aula ou a oferta suficiente de desinfetantes, sabão e equipamento sanitário.

As atividades em grupo são proibidas e as refeições devem ser feitas alternadamente para evitar agrupamentos nas cantinas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 112 mil mortos e infetou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, quase 375 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A China só registou 47 novos casos oriundos do exterior
Para impedir uma segunda vaga de contágios no país, o Governo chinês impôs uma quarentena rigorosa de 14 dias a quem entrar na China. A partir de hoje, quem chegar a Pequim vindo do exterior será submetido a testes laboratoriais, além de ser colocado em quarentena.