Escolha as suas informações

"És gorda e estúpida". O tabu da violência psicológica no Luxemburgo
Sociedade 10 min. 11.08.2022
Violência

"És gorda e estúpida". O tabu da violência psicológica no Luxemburgo

Violência

"És gorda e estúpida". O tabu da violência psicológica no Luxemburgo

Foto: Getty Images
Sociedade 10 min. 11.08.2022
Violência

"És gorda e estúpida". O tabu da violência psicológica no Luxemburgo

Simone MOLITOR
Simone MOLITOR
A violência psicológica não deixa cicatrizes visíveis, mas deixa uma marca para a vida. E é uma realidade no Luxemburgo, em que uma mulher a cada duas já sofreu este tipo de violência.

Os dados registados pelo sistema judicial e pela polícia não dão uma imagem clara do problema de violência no Grão-Ducado. Embora o número de casos tenha diminuído no ano passado, não se pode concluir que a violência esteja controlada. "Isso seria fechar os olhos à realidade", diz Andrée Birnbaum, diretora-executiva da organização sem fins lucrativos Femmes en Distresse.  

As situações não denunciadas serão um número ainda bastante elevado. Além disso, existem diferentes formas de violência, as visíveis e as invisíveis. A violência psicológica é particularmente difícil de provar - e de contar. Quando as palavras se tornam uma arma, muitas vezes o caminho torna-se longo até à justiça. 

Dois terços das mulheres no Luxemburgo são vítimas de violência 

Em 2021, a polícia registou 917 intervenções relacionadas com violência doméstica, em comparação com 943, um ano antes, e apenas 715, em 2017. Ainda em 2021, o Ministério Público ordenou a expulsão contra um perpetrador 249 vezes, contra 278, no ano anterior. "Isto pode variar de ano para ano e não significa necessariamente nada". Por detrás disto está sempre a situação individual de uma família, e mais frequentemente de uma mulher", explica Birnbaum.

Andrée Birnbaum, diretora da Femmes en Distresse
Andrée Birnbaum, diretora da Femmes en Distresse
Foto: Alain Piron

"O nosso serviço Visavi - que significa Viver Sem Violência - ajudou 395 mulheres no ano passado, e o número de consultas subiu para 2,080. E estou a falar apenas de um serviço - temos 14 diferentes no total. 

Os números também não dão muita informação sobre a intensidade da violência. O Serviço de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica (DVVSS, sigla em francês) é confrontado com casos muito graves, "onde há quase assassinatos, onde as famílias são completamente destruídas", diz a diretora. 

A violência contra elas tem muitas facetas, como ilustram as últimas estatísticas do Statec: dois terços das mulheres no Luxemburgo dizem ter sido vítimas de violência física, psicológica, sexual ou económica pelo menos uma vez na sua vida. Uma mulher em cada duas sofreu violência psicológica e uma em cada três foi agredida fisicamente. 

Sou uma imigrante com doutoramento e o meu parceiro é um homem de negócios bem-educado de uma família rica. Quando os amigos o conhecem, ele é apenas um homem encantador e bem-sucedido.

Dionne, vítima de violência doméstica

"Não estava preparada para ser uma vítima" 

Dionne é uma dessas mulheres. Empresária americana de sucesso, viveu abusos psicológicos durante anos: "Não estava preparada para ser uma vítima. Nunca ninguém na minha família tinha sido confrontada com isto e não me puderam ajudar". 

No início, Dionne teve dificuldade em traçar uma linha entre uma relação pouco saudável e uma relação de abuso. "Durante muito tempo, tentei racionalizar o comportamento do meu marido. Os insultos, os argumentos, a pressão que exercia sobre mim. Sempre que eu queria reconciliar-me com ele, culpava-me e continuava a insultar-me', explica Dionne sobre o parceiro, com quem decidiu mudar-se para o Luxemburgo com a filha de ambos.


Dois terços das mulheres já foram vítimas de violência no Luxemburgo
As mulheres mais afetadas são as mais jovens.

Enquanto procurava um abrigo para as vítimas de violência doméstica, Dionne foi confrontada pela primeira vez com uma estatística assustadora. Segundo o Statec, as mulheres jovens são as mais afetadas por mobbing, assédio sexual ou qualquer outra forma de violência psicológica. Foi uma chamada de atenção para Dionne.

Quase 30% dos jovens dos 16 aos 24 anos sofreram abusos nos últimos doze meses. "Há muita violência entre os jovens. Vemos isto também nas nossas intervenções nas escolas. Muitas raparigas já foram vítimas de violência, mas não se atrevem a falar sobre isso, porque muitas vezes não sabem com quem falar ou simplesmente têm vergonha", garante Andrée.

As consequências do abuso variam muito e podem desencadear vícios ou mesmo tentativas de suicídio. "O abuso psicológico é muitas vezes o ponto de partida. Pode transformar-se em abuso físico". Segundo a diretora, este"começa frequentemente de uma forma muito subtil. Por ciúmes, por exemplo, o telemóvel é controlado. O parceiro é criticado porque deixou queimar a comida. Torna-se perigoso quando um surto se torna um comportamento recorrente. Insultar, humilhar, intimidar, ameaçar, impedir o sono, proibir o contacto com a família, assédio... o espectro é vasto. As pessoas em causa não reconhecem necessariamente isto como violência", explica a diretora. 

"Quando frases como 'és gorda, estúpida, não consegues fazer a tua parte' se tornam a regra, acabas por acreditar e culpar-te por fazeres uma birra. Estamos a falar de vítimas que nem sequer se apercebem que são vítimas, porque muitas vezes é um processo insidioso", resume Andrée, que luta para acabar com o estigma de se falar sobre o assunto.  

No caso de Dionne, começou com discussões diárias que se arrastaram e se tornaram cada vez mais conflituosas. Eram apenas trivialidades mas, com o tempo, acabaram por pesar psicologicamente. "Quando cheguei ao Luxemburgo, estava a aprender francês, mas ele recusou-se a praticar comigo. Nunca convidou amigos para a casa. Se usasse um vestido mais extravagante do que o habitual, ele pensava que eu estava esfomeada por atenção. Quando fui promovida na minha companhia, ele até me insultou". Para evitar o confronto e manter a "paz" no casamento, Dionne aceitava as humilhações.  

[Os agentes da polícia] "não perceberam porque é que eu estava ali e não reconheceram violência nas minhas descrições.

Dionne, vítima de violência doméstica no Luxemburgo

Quando finalmente encontrou coragem para se divorciar e o abuso do marido aumentou, decidiu ir à polícia - uma experiência que a desiludiu. "Não perceberam porque é que eu estava ali e não reconheceram violência nas minhas descrições. Conheci mulheres que estavam tão desesperadas para serem levadas a sério pelas autoridades que esperaram ser espancadas pelos parceiros para que finalmente pudessem apresentar uma queixa", diz a americana. 

"O abuso emocional não deixa nódoas negras. É por isso que é difícil de provar. Há ainda muito a fazer", admite Birnbaum, frisando a Convenção de Istambul de 2011 - a Convenção do Conselho da Europa sobre a prevenção e combate à violência doméstica. A violência psicológica é definida como uma "infração intencional separada", que "afeta seriamente a integridade psicológica de uma pessoa, através de coação ou ameaça e que deve ser criminalizada". Sem provas concretas, no entanto, a polícia pouco pode fazer. 

Entre 600 e 700 mulheres são atendidas todos os anos pelos vários serviços da Femmes en Distresse. As instalações de acolhimento - abrigos para mulheres e alojamento de emergência - estão sempre ocupadas. 


Uma vida bloqueada por falta de visto de trabalho no Luxemburgo
Durante dez anos viveu o inferno de agressão física e psicológica sobre si e sobre os seus três filhos. Conseguiu libertar-se do agressor, mas agora não têm autorização para trabalhar.

"Temos sempre listas de espera, mesmo para os nossos serviços de aconselhamento. As mulheres que vêm ter connosco não só são vítimas de violência, como também têm muitos outros problemas. Sem trabalho, sem dinheiro, às vezes sem papéis. As situações individuais são muito mais complexas do que eram há 20 anos. É mais difícil encontrar uma solução. Muitas vezes nem sequer se sabe por onde começar", explica a diretora da Femmes en Distresse. 

O simples aumento do número de habitações, por exemplo, através da gestão do arrendamento social, não é suficiente. O apoio durante um período de tempo, por vezes vários anos é necessário, mas não há pessoal suficiente para isso. 

Violência económica

"Estas mulheres não vivem de forma independente e podem até não ter acesso à própria conta bancária. A violência económica como forma de violência psicológica não deve ser subestimada". Esta ocorre quando um parceiro tira partido da sua superioridade económica e tem o controlo sobre o acesso a recursos financeiros e também pode proibir o trabalho fora do agregado familiar.

Para Dionne, que tem uma boa situação financeira, a violência económica entrou na sua vida sob a forma de culpa. "O meu parceiro não reconheceria a minha contribuição para o lar. Vivíamos numa casa que eu tinha comprado e financiei as nossas férias. Quando discutimos juntos o nosso orçamento, ele criticou-me e insultou-me, dizendo que eu não estava a contribuir para a casa. Sempre concordei em silêncio para não começar uma discussão. Se fôssemos a um restaurante, entregava-lhe o meu cartão de crédito e deixava-o pagar com ele", conta a vítima. 

"A lei não é forte"

Embora a Lei da Violência Doméstica de 2003 tenha sido adaptada em 2013, a Andrée acredita que ainda são necessárias melhorias. Por exemplo, "as crianças que estiveram presentes numa situação de crise, que testemunharam a violência, são ainda obrigadas a manter o contacto com o autor do crime durante os 14 dias da expulsão do lar, se for um dos pais a ter autoridade parental. O melhor interesse da criança deve estar sempre em primeiro lugar", sublinha. 

"A minha filha já não é a mesma pessoa", comenta Dionne sobre a influência do abuso psicológico no seu desenvolvimento. Embora a filha esteja na terapia, a mãe teme os efeitos das imagens que ficarão para o resto da vida. "Um dia cortei-me na cozinha e sangrei profusamente. Eu estava quase inconsciente no chão e o meu parceiro viu-me sangrar até à morte, enquanto a minha filha lhe implorava que me ajudasse. Esta insensibilidade poderia ter-me custado a vida", lembra. 


Luxemburgo. A minha vida com um monstro
Foram 20 anos de socos, pontapés, facas no peito e tentativas de estrangulamento, primeiro em Portugal e depois no Luxemburgo. No Dia Internacional da Mulher recuperámos uma história publicada pelo Contacto em dezembro para alertar contra o flagelo da violência doméstica.

Quando Dionne disse ao parceiro que ela queria o divórcio, ele recusou-se a deixar a casa da família e continuou a aterrorizar a mãe e a filha. "Vivíamos como reféns na nossa própria casa. Esta situação vai marcar-nos para sempre".

Segundo Dionne é preciso desconstruir a imagem de uma relação vítima/perpetrador construída pelo público. "Sou uma imigrante com doutoramento e o meu parceiro é um homem de negócios bem-educado de uma família rica. Quando os amigos o conhecem, ele é apenas um homem encantador e bem-sucedido. Além disso, não compreendem porque é que uma mulher tão instruída e financeiramente independente não deixa o seu marido. Mas eu não sabia para onde ir, estava perdida e paralisada", tenta justificar-se. 

Não existe um perfil específico da vítima ou do perpetrador, confirma o diretora da organização de ajuda a mulheres. "Corta transversalmente a sociedade e todos os estratos sociais". 

Claro que também há vítimas masculinas e perpetradores femininos. "Mas no que diz respeito aos despejos, 82% das vítimas eram mulheres em 2021. E se falarmos de 18% dos homens envolvidos, a violência não foi automaticamente das mulheres. Há também abrigos para homens, como o InfoMann. 

"A vítima nunca é culpada"

"Ninguém se torna um delinquente por acaso. Muitas vezes, há feridas que podem ter ficado para trás desde a infância". Na opinião da diretora, o trabalho de prevenção deve começar muito cedo. "Para que todos saibam onde estão os limites, o que é o respeito e que 'não' significa 'não'. Outra exigência importante da ONG diz respeito à assistência jurídica. "Não se recebe qualquer ajuda jurídica", explica Andrée Birnbaum. 

Também apela a consequências mais duras para os infratores reincidentes: "No ano passado, foram ordenados quase 50 despejos contra pessoas que não foram notadas pela primeira vez. Devem ser ameaçados com penas mais severas, que vão desde a participação obrigatória em programas antiagressão até à prisão".

As vítimas devem falar sobre o assunto, não hesitar em confiar em alguém e a procurar ajuda: "A vítima nunca é culpada. O comportamento do agressor nunca é justificado. Esta é uma mensagem importante. Ninguém se deve permitir ser abatido. Para evitar que a violência psicológica se transforme em agressão física, os sinais devem ser reconhecidos cedo e levados a sério", concluiu a diretora. 

(Artigo originalmente publicado na edição alemã do Luxemburger Wort e traduzido da edição francesa).

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

As mulheres são de facto as grandes vítimas desta violência. Mas também há agressoras. No Luxemburgo, em 2018, houve 313 mulheres a agredir companheiros e filhos. Os homens foram 712. Especialistas explicam as razões que levam a esta troca de papéis, a "vergonha" sentida pelos homens vítima e como ajudar ambas as partes.