Escolha as suas informações

Em minha defesa, digo que ela mandou cortar a SportTV
Opinião Sociedade 4 min. 21.01.2021

Em minha defesa, digo que ela mandou cortar a SportTV

Em minha defesa, digo que ela mandou cortar a SportTV

Foto: Pixabay
Opinião Sociedade 4 min. 21.01.2021

Em minha defesa, digo que ela mandou cortar a SportTV

Filipa MARTINS
Filipa MARTINS
Senhor juiz, em minha defesa digo que ela mandou cortar a SportTV, com a época a começar e eu sem ter posses para manter o lugar cativo no estádio. E não se espante que é coisa séria.

Que descrença esta num homem que nunca lhe faltou com nada, que não lhe pede uma camisa engomada, apenas que lave e passe a farda do trabalho, deixe duas prateleiras do frigorífico para as Sagres e receba os amigos no dia de jogo com amendoins. Por causa dela, até me chateei com um, senhor juiz, que andava de roda dela a farejar, como os cães fazem aos pneus, seguia-a para a cozinha, seguia-a para sala, mesmo quando lhe gritava ‘Ó Zé, anda cá que é penalty!’, quinze anos de trabalho em conjunto, arranjava-me biscates quando era preciso, e, por causa dela, adeus e até nunca, levou-me meia cerveja pela escada abaixo, um olho negro, e o incisivo direito ficou no patamar, à frente da poça de sangue. E, veio a crise, e fiquei eu e a SportTV, a pensar que em meia dúzia de dias desenrascava qualquer coisa e a gritar com o Rafa, a dar ordens ao Jorge Jesus, a insultar o Samaris. Pagassem-me para comandar o Glorioso.

Nunca lhe prometi luxos, senhor juiz. Ela bem sabia ao que vinha, mas não lhe faltei com nada. Púnhamos férias em Agosto, alugávamos uma roulotte com atrelado, uma pechincha, rodeávamos o carteiro para lhe sacarmos a carta do abono a meio do mês, conseguíamos apanhar a fruta boa do híper antes de ser despejada no lixo, uma vez por semana almoçávamos no restaurante de um primo, em Almoçageme; ela comia creme brûlée, eu umas gambinhas cozidas. Pequenos luxos, éramos felizes, senhor juiz.

Agora, um homem tem um azar na vida e ela manda cortar a SportTv? Há gente que não sabe estar bem e vai de embirrar. A barba de três dias por fazer, o frigorifico que ficou aberto, as mesmas meias de há duas semanas, as nódoas na camisa, porque não paro de coçar o coiso à frente das crianças, os miúdos que gritam mais alto do que a televisão, os amigos que são uns bêbados, a mãe dela que tem de ir viver lá para casa, o dinheiro que estica para tudo, menos para o que anima um homem. E, à noite, está cansada, não pode ser, os miúdos ouvem, a mãe ouve, os santos ouvem, os vizinhos ouvem. E, quando não há miúdos, nem mãe, nem vizinhos e os santos não andam de roulotte, tem de se levantar cedo, tem uma máquina de roupa para fazer, tem de despejar os cinzeiros dos meus amigos; e fala no Zé, que é atencioso, devo aprender com ele; e lamenta o pedido de namoro do chofer de praça que não aceitou, que a tratava como uma senhora, que lhe dava boleia para as compras, e agora tinha um marido com trabalho; e roda o corpo e vira-me as costas na cama, chora no silêncio, quando lhe lembro que não temos máquina de lavar roupa, que o chofer morreu de ataque cardíaco antes de chocar com um autocarro e que o Zé foi escada abaixo, um olho negro, o incisivo direito no patamar.

A antena do prédio está torta desde que fomos para aquela casa, era ela nova e deitava-se comigo, agora a televisão só dá chuviscos, a voz mal sintonizada do Jorge Jesus enumera a lista de convocados, antes de chegar aos defesas já oiço o ganir do maricas das Tardes da Fátima, volta o Jorge Jesus, o Cervi vai alinhar frente ao Marítimo, é bom é bom, volta o maricas, a Pepeca está em processo de divórcio, quero lá saber, volta o Jorge Jesus, só se admite uma vitória, é bom é bom, volta o maricas.

Senhor juiz, em minha defesa digo que ela mandou cortar a SportTV e, sem explicação, um adeus e até nunca, levou a mala feita pela escada abaixo, um olho negro, o incisivo direito no patamar, à frente da poça de sangue, e, passado uma semana, vi-me sozinho, senhor juiz, sem ela, sem o Glorioso, sem fiado no restaurante do primo em Almoçageme. Vi-me sozinho, senhor juiz, e um homem tem de se desenrascar. O terraço era baixo, a cadela velha, num pulo entrei na casa. Senhor juiz, em minha defesa digo que ela mandou cortar a SportTV.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.