Escolha as suas informações

Em 20 anos, os castores chegaram a 80 territórios do Luxemburgo
Sociedade 3 min. 07.04.2022 Do nosso arquivo online
Natureza

Em 20 anos, os castores chegaram a 80 territórios do Luxemburgo

O castor está presente em cursos de água de Haute-Sûre, Alzette, Eisch e Attert.
Natureza

Em 20 anos, os castores chegaram a 80 territórios do Luxemburgo

O castor está presente em cursos de água de Haute-Sûre, Alzette, Eisch e Attert.
Foto: Getty Images
Sociedade 3 min. 07.04.2022 Do nosso arquivo online
Natureza

Em 20 anos, os castores chegaram a 80 territórios do Luxemburgo

Mélodie MOUZON
Mélodie MOUZON
A população destes roedores semiaquáticos continua a crescer no país. A Administração da Natureza e das Florestas espera que a sua expansão continue.

Está presente em 80 territórios no Luxemburgo. O castor conseguiu afirmar-se no país ao longo dos últimos vinte anos. Os primeiros animais imigraram para o Grão-Ducado no início dos anos 2000 vindos da Bélgica e da Alemanha. Desde então, a população destes roedores semiaquáticos tem continuado a aumentar.

A fim de avaliar a distribuição das espécies no país, a Administração da natureza e das Florestas (ANF) realizou uma monitorização dos castores a nível na nacional durante o inverno de 2021. Os resultados permitiram mapear 80 locais ocupados por estes animais.

A presença dos castores foi registada em 80 locais.
A presença dos castores foi registada em 80 locais.
Imagem: ANF

Os principais territórios atualmente ocupados pelos castores são o Haute-Sûre, o Alzette, o Eisch e o Attert. No entanto, a ANF espera que a população de castores se expanda ainda mais, o que é bom "para os habitats aquáticos do Luxemburgo e para as espécies animais e vegetais que deles dependem", explica a autoridade responsável.

Grandes benefícios para a biodiversidade

O castor é de facto tida como uma espécie-chave "que traz grandes vantagens para a biodiversidade e a proteção da água". Com as suas construções espetaculares em pequenos riachos, os castores criam habitats como lagoas e prados húmidos, "que são de grande importância para inúmeras espécies animais e vegetais raras e protegidas". 

Os castores também contribuem para a proteção do ambiente, uma vez que as zonas húmidas que recriam através da renaturalização dos cursos de água atuam como reservatórios de carbono. Em alguns casos, contudo, pode haver conflitos com interesses humanos. As barragens construídas por castores podem inundar parcelas de terreno, estradas, caminhos de acesso e até casas.


Um castor transporta uma ramada de árvores no Luxemburgo.
Nos rios luxemburgueses está a acontecer uma pequena revolução
Estiveram 200 anos extintos no Grão Ducado mas, na última década, conseguiram encontrar o caminho de retorno. Há dois anos havia 20 colónias de castores no Luxemburgo. Hoje há mais de 60.

Foi elaborado um plano de ação e gestão para regular a presença dos castores no Luxemburgo, em colaboração com representantes de todos os grupos de interesse, que pode ser muito útil nestes casos particulares. O documento mostra tanto o que pode ser feito para proteger o castor como o que pode ajudar a aligeirar e resolver os conflitos. 

Uma espécie desaparecida há 200 anos

Em 20 anos, o castor recuperou significativamente o seu território. O roedor tinha desaparecido do Luxemburgo há cerca de 200 anos. Devido ao seu pelo, carne e óleo de castor (uma secreção glandular que se pensava ter propriedades estimulantes e curativas), foi perseguido, caçado e eventualmente exterminado. 

Graças a vários projetos de reintrodução na Bélgica, no norte de Eifel, no Sarre e ao longo da Haute Moselle (França) nos anos 80 e 90, desenvolveram-se populações cada vez maiores, a partir das quais indivíduos solteiros migraram para o Luxemburgo. Há cerca de dez anos, começou a ser possível falar de uma pequena população de castores no Luxemburgo. 

As árvores roídas são um sinal da presença destes animais
As árvores roídas são um sinal da presença destes animais
Foto ilustrativa: Getty Images

Castores percorrem longas distâncias

Todos os anos, os castores de dois anos são expulsos da sua colónia parental e partem em busca de uma nova casa. Uma vez que foi provado que os jovens castores percorrem frequentemente entre 20 a 40 quilómetros, chegando a mesmo a viajar mais de 100 quilómetros, podem aparecer no Luxemburgo onde quer que haja água e vegetação, porque só precisam disto para viver.

Estas migrações ocorrem geralmente em maio, altura em que os novos locais costumam ser colonizados. Como os castores tendem a comer vegetação herbácea em vez de recorrerem às árvores durante os meses de verão, e são por isso bastante secretos, os novos territórios passam frequentemente despercebidos até ao final do verão ou mesmo ao outono. 

À medida que a vegetação recua, os castores cortam mais árvores para alcançar os ramos finos da copa que querem comer. A sua presença nesta altura do ano é, portanto, imediatamente percetível. 

(Este artigo foi originalmente publicado na edição francesa do Luxemburger Wort.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Em 2021, cerca de 80 sítios que acolhem castores foram detectados no Luxemburgo. Laurent Schley, biólogo e vice-director da Administração da natureza e das florestas, leva-nos a observar estes animais particulares nas margens do Sûre.