Escolha as suas informações

Escolaridade obrigatória no Grão-Ducado estendida até aos 18 anos
Sociedade 13.09.2021
Educação

Escolaridade obrigatória no Grão-Ducado estendida até aos 18 anos

Educação

Escolaridade obrigatória no Grão-Ducado estendida até aos 18 anos

Foto: Anouk Antony
Sociedade 13.09.2021
Educação

Escolaridade obrigatória no Grão-Ducado estendida até aos 18 anos

Redação
Redação
Medida anunciada esta segunda-feira pelo ministro da Educação pretende combater o abandono escolar, que tem atualmente uma taxa "muito elevada".

Mais de um terço dos alunos que desistem da escola no Grão-Ducado têm entre 16 e 18 anos. A dois dias do começo oficial de mais um ano letivo, o Governo quer lutar contra este dado, e anuncia o aumento da escolaridade obrigatória dos atuais 16 para os 18 anos de idade.

O anúncio foi feito pelo ministro da Educação, Claude Meisch, em conferência de imprensa. "Não podemos deixar esta juventude sem uma oportunidade para o futuro", justificou o ministro. O Ministério da Educação vai apresentar "este outono" um projeto-lei para tornar a mudança possível. 


Policiamento reforçado nas imediações das escolas no regresso às aulas
Cerca de 100.000 crianças e jovens regressam às aulas esta semana no Grão-Ducado.

"As exigências do mundo do trabalho estão cada vez mais complexas e temos que dar aos nossos alunos mais tempo para se prepararem. Como antes, muitos alunos abandonam a escola sem um diploma, sem qualificações e, portanto, sem perspetivas". 

No entanto, segundo Meisch é preciso ter em conta todos os cenários escolares e garantir que "a extensão da escolaridade obrigatória não leve à multiplicação da frustração e do fracasso" para estes jovens. 

Para isso, é preciso oferecer também "formas alternativas de formação extracurricular", como os "Centros de Inserção Socioprofissional" (CISP), que a tutela quer agora expandir por todo o país.    

No ano letivo de 2019-20, cerca de 1.670 alunos abandonaram a escola. Apesar de satisfeito com a redução gradual desde 2017 - 1.921 casos - o ministério admite que é preciso fazer mais. "Mesmo que isso diga respeito apenas a 7 a 8% dos jovens, ainda é muito", garantiu Claude Meisch.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas