Escolha as suas informações

Durante quatro dias vai poder colher maçãs grátis na capital
Sociedade 4 4 min. 06.09.2022
Contra o desperdício alimentar

Durante quatro dias vai poder colher maçãs grátis na capital

Contra o desperdício alimentar

Durante quatro dias vai poder colher maçãs grátis na capital

Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Sociedade 4 4 min. 06.09.2022
Contra o desperdício alimentar

Durante quatro dias vai poder colher maçãs grátis na capital

Jeff WILTZIUS
Jeff WILTZIUS
Este ano, vários pomares da Cidade do Luxemburgo participam na ação "Fita Amarela", que permite a qualquer um colher fruta das árvores gratuitamente.

Os transeuntes atentos já devem ter reparado: em toda a cidade do Luxemburgo, as árvores de fruto são comuns em ruas ou grandes jardins. E nem todas estão localizadas em propriedades particulares, fazendo parte do património do município.  

No total, a capital conta com 13 pomares onde crescem um total de 361 espécies arbóreas diferentes. E, é precisamente nesta altura do ano que se enchem de maçãs, cerejas ou ameixas, mesmo que algumas frutas ainda não estejam maduras.  

Para evitar que a fruta caia e apodreça, a comuna da capital participa este ano, pela primeira vez, na iniciativa "Gielt Band: pléckt dëst Uebst!" (Fita Amarela: Colha as Frutas!). Durante quatro dias - 23, 24, 30 de setembro e 1 de outubro -, será permitido colher frutas gratuitamente nos pomares nos bairros do Grund e de Belair.  

"Nos outros municípios, a iniciativa estende-se por várias semanas. Mas em muitos dos nossos pomares, geralmente são ovelhas ou burros que pastam", explica Manon Bosch, responsável pelo Ambiente da capital. É por isso que esses locais estarão abertos apenas por dois fins-de-semana.   

Contra o desperdício alimentar

A iniciativa "Fita Amarela" foi criada pelo Ministério da Agricultura e pela Syvicol, o sindicato das cidades e vilas do país, para combater o desperdício alimentar no Grão-Ducado. Os habitantes estão assim autorizados a colher os frutos de todas as árvores assinaladas com uma fita amarela. "Quilos de frutas que podem ser utilizados para fazer sumos, geleias ou tartes", escreve o Ministério. A fita amarela serve também para evitar que as frutas sejam colhidas involuntariamente das árvores de propriedades privadas.  

Para as autoridades municipais, esta iniciativa que decorre pela primeira vez, é vista também como um teste. "Os colaboradores do Serviço de Parques estarão presentes nas datas agendadas para poder responder às questões dos interessados." E também para evitar que as árvores sejam danificadas ou que alguém colha muita fruta. "É uma ação solidária para todos", sublinha Manon Bosch, embora se destine sobretudo aos habitantes da capital.


Alguns cursos de água secaram muito rapidamente este verão
Luxemburgo teve o verão mais seco em mais de 100 anos
O Ministério de Agricultura, Viticultura e Desenvolvimento Rural divulgou esta sexta-feira o balanço meteorológico dos últimos três meses.

Árvores variadas

As árvores de fruto dos pomares da Cidade do Luxemburgo são, sobretudo, variedades históricas da Grande Região. Entre as 233 macieiras, encontram-se, entre outras, as espécies Ramborn, Renette ou Reine des Reinettes. No entanto, não existem dados precisos sobre a quantidade de maçãs que cada variedade dá.

Marc Goedert é o responsável pelo setor da Cidade Velha e Estação Central dos Serviços dos Parques.
Marc Goedert é o responsável pelo setor da Cidade Velha e Estação Central dos Serviços dos Parques.
Photo: Chris Karaba

"Todas as árvores da capital foram identificadas e registadas desde 2021 e integradas num mapa digital, como parte integrante de um projeto", explica Manon Bosch. Nos próximos anos, cada árvore de fruto será examinada individualmente em função da sua variedade e diferentes características.

Árvores perderam importância

O responsável pelos pomares da capital luxemburguesa é Marc Goedert. "Infelizmente, os pomares já não têm a mesma importância que tinham antigamente", vinca. Razão pela qual já quase não se plantam novas árvores de fruto. "Especialmente perto de escolas ou áreas residenciais, as pessoas não querem árvores de fruto por causa de vespas e vespões", diz Marc Goedert.  

Uma realidade que torna a manutenção das plantações existentes ainda mais importante. "Concentramo-nos na biodiversidade e tentamos ter tão poucas intervenções quanto necessário sobre as árvores. A erva só é cortada uma ou duas vezes por ano. "É necessário podar algumas árvores no outono para as salvar depois do verão quente e seco que tivemos", acrescenta Marc Goedert.  


Portugal. Produção de pera rocha cai para metade
A seca extrema e as elevadas temperaturas ajudam a explicar a quebra acentuada no setor.

Por outro lado, para apoiar a biodiversidade foram instaladas várias colónias de aves perto do Klouschtergaart no Grund. As aves também protegem as árvores dos insetos, explica este responsável. "O chapim azul e o chapim real comem as lagartas que invadem as árvores". O fruto é também uma importante fonte de nutrição para estes animais.

No entanto, o tempo seco tem sido prejudicial para algumas árvores. "Teria de chover durante dias para que algo realmente positivo acontecesse", diz  Marc Goedert realçando ser visível que "muitas árvores estão a perder alguns dos seus frutos". Este é um mecanismo para se protegerem a si próprias. Porque com menos frutos, a árvore também consome menos água. No entanto, a longa seca tem uma vantagem: as árvores não foram atacadas por fungos este ano.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas