Escolha as suas informações

Dois terços das mulheres já foram vítimas de violência no Luxemburgo
Sociedade 2 min. 11.07.2022
Violência

Dois terços das mulheres já foram vítimas de violência no Luxemburgo

Violência

Dois terços das mulheres já foram vítimas de violência no Luxemburgo

Foto: Unsplash
Sociedade 2 min. 11.07.2022
Violência

Dois terços das mulheres já foram vítimas de violência no Luxemburgo

Diana ALVES
Diana ALVES
As mulheres mais afetadas são as mais jovens.

Seja ela física, psicológica, sexual ou económica. Dois terços das mulheres no Luxemburgo declaram ter sido vítimas de violência pelo menos uma vez na sua vida, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (Statec).

Este é um dos resultados do inquérito do Statec sobre a segurança no país. Uma das conclusões é que a violência económica surge como uma forma particular de violência psicológica no seio de um casal. Acontece quando "o parceiro explora a sua superioridade económica e controla de forma maciça o acesso da outra pessoa aos recursos financeiros ou proíbe o trabalho fora do agregado", explica o gabinete de estatísticas.

Os dados mostram também que uma em cada duas mulheres sofre agressões psicológicas como perseguição ('stalking'), assédio moral ou sexual ou controlo no seio do casal.


De Itália para o Luxemburgo. Um convite no Facebook transformou-a numa escrava
Uma oferta de trabalho no Luxemburgo, feita na rede social, acabou por revelar-se um pesadelo. Durante três meses, Vitória esteve nas mãos de uma rede de tráfico humano. O caso está a aguardar julgamento.

Já uma em cada três mulheres foi vítima de violência física, ao passo que quase uma em cada três sofreu uma forma de violência sexual durante a vida. Uma em cada dez foi vítima de violação ou tentativa de violação.

No trabalho, em público ou na esfera privada, cerca de 15% das mulheres afirmaram ter sido alvo de violência psicológica e 7% de agressões físicas e/ou sexuais nos 12 meses anteriores ao inquérito do Statec. 


Luxemburgo. A minha vida com um monstro
Foram 20 anos de socos, pontapés, facas no peito e tentativas de estrangulamento, primeiro em Portugal e depois no Luxemburgo. No Dia Internacional da Mulher recuperámos uma história publicada pelo Contacto em dezembro para alertar contra o flagelo da violência doméstica.

De acordo com o instituto, estes números colocam o Luxemburgo pouco abaixo da média europeia. 

Outro dos resultados que salta à vista diz respeito aos agressores. Quatro por cento das mulheres residentes no Luxemburgo declaram ter sido agredidas pelo companheiro ou ex-companheiro durante o ano anterior ao inquérito. Percentagem que cai para 2% entre os homens. 

Isto demonstra, segundo o Statec, que elas "são mais suscetíveis de serem agredidas por pessoas próximas, ficando assim mais expostas a formas repetidas de violência".

Sobre as vítimas, a idade aparece como um fator de risco. As mulheres mais afetadas são as mais jovens. No grupo etário dos 16-24 anos, uma em cada seis mulheres foi vítima de violência física ao longo dos últimos 12 meses. O mesmo acontece em relação à violência sexual. Por outro lado, cerca de uma em cada três sofreu assédio moral ou sexual ou outra forma de violência psicológica.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

As mulheres são de facto as grandes vítimas desta violência. Mas também há agressoras. No Luxemburgo, em 2018, houve 313 mulheres a agredir companheiros e filhos. Os homens foram 712. Especialistas explicam as razões que levam a esta troca de papéis, a "vergonha" sentida pelos homens vítima e como ajudar ambas as partes.