Escolha as suas informações

Desflorestação da Amazónia cresceu mais de 50% em outubro no Brasil
Sociedade 2 min. 07.11.2020 Do nosso arquivo online

Desflorestação da Amazónia cresceu mais de 50% em outubro no Brasil

Desflorestação da Amazónia cresceu mais de 50% em outubro no Brasil

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 07.11.2020 Do nosso arquivo online

Desflorestação da Amazónia cresceu mais de 50% em outubro no Brasil

A desflorestação da Amazónia no Brasil cresceu 50,6% em outubro face ao mesmo mês de 2019, atingindo uma perda de 836,23 quilómetros quadrados de cobertura vegetal, informou hoje o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Os registos de desflorestação na maior floresta tropical do mundo atingiram os níveis mais altos para um mês de outubro desde 2015, quando o indicador começou a ser medido pelo INPE, que calcula a área de floresta devastada com a ajuda de imagens de satélite.

Os números referem-se aos chamados "alertas de desflorestação" do sistema Deter, que alertam o Governo brasileiro sobre possíveis fontes de extração ilegal de madeira e permitem que os órgãos ambientais reforcem a fiscalização nessas áreas, mas não revelam a extensão total da perda de vegetação.

Segundo o INPE, a destruição da Amazónia nos 10 primeiros meses de 2020 atingiu 7.899 quilómetros quadrados, dado que indica uma queda de 6% em relação ao período de janeiro a outubro de 2019, quando foram devastados 8.425 quilómetros quadrados da maior floresta tropical do planeta.

Numa nota, a organização ambientalista Greenpeace destacou que o forte aumento da destruição da Amazónia no Brasil é resultado de omissões na política ambiental liderada pelo Governo brasileiro.

"Não é só o desflorestamento que está fora de controlo. Em outubro, foram 17.326 focos de calor na Amazónia, 120% mais do que no ano passado", afirmou Rômulo Batista, membro da campanha para a Amazónia da Greenpeace no Brasil.

O aumento da desflorestação registado em outubro ocorreu após três meses consecutivos de redução. Só em setembro, a queda foi de 33,7%, passando de 1.454 quilómetros quadrados de florestas devastadas, em 2019, para 964 quilómetros quadrados, em 2020.

A divulgação dos dados que apontam que a destruição da floresta amazónica no Brasil cresceu em outubro ocorre quando o vice-presidente do país, Hamilton Mourão, conduz uma viagem pela região com 12 diplomatas estrangeiros, incluindo um representante de Portugal, numa programação que contou com sobrevoos na floresta amazónica.

"Acabar com a destruição da floresta, a perseguição e mortes dos seus guardiões e as consequentes repercussões internacionais da política antiambiental adotada por este Governo, exigirá mais do que tentar enganar embaixadores com um sobrevoo", frisou o ativista da Greenpeace, citando a visita do governante.

Além dos dados do INPE, um estudo divulgado hoje pelo Observatório do Clima, plataforma que reúne 56 organizações que defendem o meio ambiente no Brasil, informou que as emissões de gases poluentes que contribuem para o efeito estufa no país cresceram 9,6% em 2019, impulsionadas principalmente pelas queimadas na Amazónia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A maior parte do desflorestamento do país (96,6%) respondeu a ações causadas por atividades ligadas ao agronegócio, com exceção do Pará, região localizada na Amazónia brasileira onde a mineração ilegal foi responsável pela maior parte da devastação.
Amazónia, Brasil
Em 2021, a destruição da floresta amazónica no Brasil foi de 83 quilómetros quadrados durante todo o mês de janeiro, quatro vezes menos do que nos primeiros 21 dias deste ano. Foi o terceiro aumento consecutivo desde a ascensão ao poder de Bolsonaro.