Escolha as suas informações

Descoberto antibiótico contra a tuberculose no veneno de escorpião
Sociedade 18.06.2019

Descoberto antibiótico contra a tuberculose no veneno de escorpião

Descoberto antibiótico contra a tuberculose no veneno de escorpião

Sociedade 18.06.2019

Descoberto antibiótico contra a tuberculose no veneno de escorpião

As substâncias identificadas no veneno poderão também travar o crescimento de células cancerígenas, sem provocar lesões nas células normais do tecido pulmonar, afirmam os cientistas.

Cientistas descobriram no veneno de escorpião antibióticos contra a tuberculose e a pneumonia, anunciou esta segunda-feira a universidade mexicana que conduziu a investigação.

Peritos do Instituto de Biotecnologia da Universidade Nacional Autónoma do México isolaram, produziram e patentearam dois compostos químicos, presentes naturalmente no veneno do escorpião, capazes de combater estirpes resistentes da tuberculose e a bactéria "Staphylococcus aureus", que pode causar infeções graves como pneumonia e septicemia.

Além disso, sustentam os especialistas, as substâncias identificadas no veneno são eficazes para travar o crescimento de células cancerígenas sem provocar lesões nas células normais do tecido pulmonar.

Uma vez que a quantidade de compostos químicos que se pode obter dos escorpiões vivos é muito pequena, da ordem dos microgramas, foi necessário obtê-los de forma sintética, indicou um dos cientistas, Lourival Domingos Possani Postay, citado pela agência noticiosa espanhola Efe. "O trabalho em laboratório, com modelos biológicos, já está feito e funciona. Agora, são precisos ensaios clínicos em humanos e uma farmacêutica que tenha interesse em fazer chegar este produto às pessoas", afirmou.

Um dos compostos, de cor vermelha, é eficaz contra a bactéria "Staphylococcus aureus" e o outro, de cor azul, contra a bactéria da tuberculose, a "Mycobacterium tuberculosis", também conhecida como bacilo de Koch.

Para sintetizarem as substâncias químicas, os cientistas da universidade mexicana contaram com o apoio de investigadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, que determinaram a estrutura molecular dos antibióticos mediante espetroscopia de massa e estudos de ressonância magnética nuclear.  

Lusa