Escolha as suas informações

Descoberta possível ligação entre vacina AstraZeneca e coágulos sanguíneos
Sociedade 02.12.2021
Covid-19

Descoberta possível ligação entre vacina AstraZeneca e coágulos sanguíneos

Covid-19

Descoberta possível ligação entre vacina AstraZeneca e coágulos sanguíneos

Foto: Daniel Karmann/dpa
Sociedade 02.12.2021
Covid-19

Descoberta possível ligação entre vacina AstraZeneca e coágulos sanguíneos

Bloomberg
Bloomberg
A Agência Europeia do Medicamento considerou que os casos de coágulos sanguíneos após a toma da vacina eram "muito raros".

Um grupo de cientistas identificou uma possível ligação entre a vacina da AstraZeneca e a formação de coágulos de sangue, depois da sua utilização ter sido limitada globalmente para evitar o raro efeito secundário.

Os casos de coágulos sanguíneos após a toma da vacina da AstraZeneca (designada de Vaxzevria) aconteceram em vários países em todo o mundo e foram considerados "muito raros" pela Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa). No Luxemburgo, uma paciente de 74 anos morreu em abril passado, devido a complicações causadas após a toma deste fármaco. 

O estudo publicado na revista Science Advances, que contou com a colaboração de investigadores dos Estados Unidos, Reino Unido e da própria AstraZeneca, descobriu que a interação entre a vacina e uma proteína conhecida como 'fator plaquetário 4' (FP4) poderia estar por detrás dos casos de trombocitopenia imunológica trombótica (tromboses, na denominação comum). 

Os coágulos têm sido mais frequentes após a toma da primeira dose do que na segunda, com 426 casos notificados ao regulador só no Reino Unido, em mais de 24 milhões de primeiras e segundas doses dadas. 

"Embora a investigação não seja definitiva, oferece perspetivas interessantes e a AstraZeneca está a explorar formas de aproveitar estas descobertas como parte dos nossos esforços para remover este efeito secundário extremamente raro", disse a farmacêutica numa declaração. 

A empresa salientou que o mecanismo identificado não demonstra que a vacina é a causa da trombose rara e que a maioria dos indivíduos que têm anticorpos FP4 não correm o risco de desenvolver coágulos. 

O risco da sua formação é muito maior a partir da covid-19 do que qualquer uma das vacinas contra a doença, reitera a AstraZeneca.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas