Escolha as suas informações

De Schengen a Ventoux. A 'Volta a França' do ministro Jean Asselborn
Sociedade 2 min. 01.08.2022
Política

De Schengen a Ventoux. A 'Volta a França' do ministro Jean Asselborn

Ministro luxemburguês é um conhecido amante do ciclismo.
Política

De Schengen a Ventoux. A 'Volta a França' do ministro Jean Asselborn

Ministro luxemburguês é um conhecido amante do ciclismo.
Foto: Pierre Matgé/Luxemburger Wort (Arquivo)
Sociedade 2 min. 01.08.2022
Política

De Schengen a Ventoux. A 'Volta a França' do ministro Jean Asselborn

AFP
AFP
O chefe da diplomacia luxemburguesa, Jean Asselborn, 73 anos, iniciou uma nova viagem de bicicleta a solo por França no domingo.

O chefe da diplomacia luxemburguesa, Jean Asselborn, 73 anos, iniciou uma nova viagem de bicicleta a solo por França no domingo, mas está pronto a interrompê-la se a guerra na Ucrânia exigir uma reunião de emergência.

O ciclismo é a grande paixão de Jean Asselborn. O 'cicloministro' do Grão-Ducado nunca perde uma oportunidade de escapar na sua bicicleta e preparou meticulosamente a 8ª edição da sua 'Volta a França'. No total, o périplo deste ano conta com 15 etapas no total.

As 15 etapas do périplo de Jean Asselborn.
As 15 etapas do périplo de Jean Asselborn.
Foto: DR

Asselborn deixou Schengen no domingo de manhã cedo em direção a Nancy, a primeira etapa de um percurso que culminará na subida do Monte Ventoux. São quase mil quilómetros até Sainte-Maxime, ao longo do Moselle, do canal do Este, dos rios Saône e Rhône.

Com um telemóvel na mala e um fato pronto caso haja uma reunião de emergência que obrigue a uma pausa na viagen, Jean Asselborn diz estar pronto para a estrada.


Paulette Lenert e Jean Asselborn são os políticos mais populares do Luxemburgo
Os dois ministros socialistas lideram empatados o 'top 10' no que toca à simpatia e competência dos políticos luxemburgueses, segundo a mais recente sondagem Politmonitor, publicada esta quarta-feira.

O joelho direito está a 'incomodá-lo', mas não ao ponto forçar o ministro a desistir. A primeira etapa decorreu sem qualquer problema. "Estava calor, mas era exequível, tirando o vento desagradável que me desafiava a toda a hora", contou à AFP.

No seu diário de viagem, mistura fotografias e reflexões sobre política. Imortalizou a sua passagem perto da central elétrica francesa de Cattenom, a 'ovelha negra' do Luxemburgo: "Esperemos que a solidariedade europeia em caso de crise energética nos poupe o deslize para a energia nuclear em detrimento das energias renováveis".

"Estar do lado do povo ucraniano é estar do lado do agredido"

"A História sempre esteve certa sobre aqueles que matam, violam e roubam, como só os grandes criminosos de guerra são capazes de fazer. Desta vez não será diferente", escreveu no seu diário de viagem publicado no Facebook.

Jean Asselborn afirma estar revoltado com os massacres cometidos pelo presidente russo Vladimir "Putin e por todos aqueles que na Rússia, abençoados pelo patriarca ortodoxo Kirill, declararam que os ucranianos não são dignos de viver no seu próprio Estado, porque todos eles seriam nazis e, portanto, mereceriam apenas a morte".

A retirada de Kirill da lista negra de sanções da União Europeia (UE) foi exigida pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán para dar luz verde a um embargo do bloco aos produtos petrolíferos russos.

"Estar do lado do povo ucraniano é estar do lado do agredido, o único lugar digno da União Europeia e dos seus valores", insistiu o ministro.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas