Escolha as suas informações

Dados pessoais de 188 mil utilizadores do Luxemburgo expostos. CNPD está a investigar
Sociedade 2 min. 08.04.2021

Dados pessoais de 188 mil utilizadores do Luxemburgo expostos. CNPD está a investigar

Dados pessoais de 188 mil utilizadores do Luxemburgo expostos. CNPD está a investigar

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Sociedade 2 min. 08.04.2021

Dados pessoais de 188 mil utilizadores do Luxemburgo expostos. CNPD está a investigar

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Dados pessois do primeiro-ministro, Xavier Bettel, e outros membros do Executivo estão entre a fuga que teve origem no Facebook.

Os dados pessoais de mais de 500 milhões de utilizadores do Facebook divulgados na internet incluem utilizadores do Luxemburgo, incluindo figuras da política. Uma situação que está a ser acompanhada de perto pelas autoridades competentes luxemburguesas, a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD). 

Segundo escrevia a revista PaperJam esta quarta-feira entre os cerca de 188 mil utilizadores do Luxemburgo, incluem-se o primeiro-ministro Xavier Bettel, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, o ministro da Economia, Franz Fayot, o ministro das Classes Médias e do Turismo, Lex Delles, e o presidente do Partido Pirata, Sven Clement. Mas segundo a publicação poderão haver mais ministros luxemburgueses entre os lesados. 

Os dados expostos diferem, no entanto, de conta para conta. No caso de Bettel, que não inclui restrições na informação que é divulgada publicamente no Facebook, a revista encontrou a maioria da informação que aparece nos dados roubados, com exceção do número de telefone. Já no caso do perfil de Jean Asselborn, que não fornece qualquer informação pública por defeito, não existem dados na fuga, analisou ainda a PaperJam. 

O Governo grão-ducal refere esta quinta-feira em comunicado que as autoridades nacionais estão a acompanhar de perto o caso. A CNPD está em contacto com a autoridade homóloga irlandesa, a DPC, já que o Facebook tem sede europeia na Irlanda. Segundo noticiou a revista Business Insider há alguns dias, os números de telefone, nomes completos, localizações, datas de nascimento, detalhes biográficos e endereços de correio eletrónico foram algumas das informações pertencentes a 533 milhões de utilizadores da rede social Facebook, que um utilizador de um fórum de 'hacking' publicou nessa mesma página.

As autoridades irlandes suspeitam que a fuga de dados aconteceu entre junho de 2017 e abril de 2018 e tentam agora perceber o que poderá ter causado a fuga. A CNPD considera que os dados comprometem o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR, na sigla inglesa), em vigor na UE desde maio de 2018. 


Facebook. Dados pessoais de mais de 500 milhões de utilizadores divulgados na internet
Números de telefone e endereços de email foram algumas das informações que foram partilhadas, "online", num fórum de 'hacking'.

Um porta-voz do Facebook tinha afirmado entretanto à Business Insider que os dados divulgados são antigos e que tinham sido roubados devido a uma vulnerabilidade na segurança da rede que a empresa terá corrigido em 2019. Mas as autoridades querem agora saber mais.

CNPD aconselha prudência aos internautas

O organismo luxemburguês responsável pelos direitos dos internautas reitera mais uma vez a necessidade de uma maior prudência sobre a divulgação de informação pessoal na internet. E deixa alguns conselhos: 

  • Presumir sempre que a conta de Facebook poderá ser atacada e não o contrário;
  • Verificar, na medida do possível, quais as informações possivelmente sensíveis que partilha;
  • Estar atento a possíveis ataques de phishing (roubo de dados pessoais): nunca dar passwords, números de telemóvel e endereços de email a estranhos;
  • Iniciar sessão no Facebook através da página oficial da rede social e nunca através de outros sites;
  • Contactar diretamente o Facebook se suspeitar de atividade anormal no perfil pessoal;
  • Não utilizar a mesma senha para o Facebook que também utiliza para outros serviços (por exemplo conta de email); 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Desvio de dados afetou 2.645 pessoas no Luxemburgo
O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica. No Luxemburgo, o desvio de dados pessoais de utilizadores do Facebook poderá ter afetado 2.645 pessoas. Em Portugal foram cerca de 63 mil.
(FILES) In this file photo taken on March 22, 2018 a cellphone and a computer screen display the logo of the social networking site Facebook in Asuncion.
Up to 2.7 million people in the European Union may have been affected by the Facebook personal data scandal, the bloc announced April 6, saying they would demand further answers from the social media giant. / AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE
Zuckerberg convocado para explicar uso de dados do Facebook
O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, instou hoje o fundador e administrador executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, a prestar contas aos eurodeputados sobre o uso de dados de cidadãos europeus na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.
(FILES) In this file photo taken on June 24, 2016 Facebook CEO and founder Mark Zuckerberg speaks during a discussion at the Global Entrepreneurship Summit at Stanford University in Palo Alto, California.
Facebook shares plunged March 19, 2018 as the social media giant was pounded by criticism at home and abroad over revelations that a firm working for Donald Trump's presidential campaign harvested and misused data on 50 million members.Calls for investigations came on both sides of the Atlantic after Facebook responded to explosive reports of misuse of its data by suspending the account of Cambridge Analytica, a British firm hired by Trump's 2016 campaign.Democratic Senator Amy Klobuchar and Republican John Kennedy called for Facebook chief Mark Zuckerberg to appear before Congress, along with Google and Twitter's CEOs.
 / AFP PHOTO / MANDEL NGAN