Escolha as suas informações

Cuidado com as mordeduras das carraças
Sociedade 18.06.2019

Cuidado com as mordeduras das carraças

Cuidado com as mordeduras das carraças

Sociedade 18.06.2019

Cuidado com as mordeduras das carraças

Susy TEIXEIRA MARTINS
Susy TEIXEIRA MARTINS
É no verão que as carraças representem o maior risco, sobretudo para quem gosta de passeios na floresta ou mesmo em espaços verdes.

Todos os anos é preciso estar alerta e controlar as mordidelas das carraças. Estes parasitas podem transmitir bactérias que causam doenças como por exemplo a borreliose ou doença de Lyme. Os sintomas mais comuns são o cansaço e as dores corporais. Com o tempo, alguns doentes infetados podem mesmo passar para uma fase crónica, com sintomas duradouros de debilidade física e mental.

Os carrapatos, como são também conhecidos, dão-se bem em ambientes de calor e humidade, por isso as infeções ocorrem principalmente entre maio e outubro. O que não significa que não ocorram durante o resto do ano.

Segundo as recomendações do Ministério da Saúde, para evitar as mordeduras é necessário cobrir o corpo ao máximo quando vai passear para espaços verdes e utilizar um spray repelente sobre as partes não cobertas do corpo. Depois do passeio, é importante fazer uma inspeção minuciosa do corpo inteiro.

Na brochura divulgada recentemente o executivo salienta os perigos que as mordeduras das carraças podem representar tanto para a saúde dos humanos como para a dos animais. Em caso de mordedura é necessário retirar a carraça o mais rapidamente possível, com o auxílio de uma pinça ou de um "tira-carraças" e limpar a ferida com álcool para a desinfeção, recomenda o Ministério. Em caso de febre, cansaço persistente ou dores musculares é recomendada uma consulta ao médico. 

Note-se que nem todas as carraças são portadoras da infeção, daí ser possível ser mordido sem contrair qualquer doença.


Notícias relacionadas

8% da população já esteve em contacto com bactéria transmitida pela carraça
Chama-se Associação Luxemburguesa Borreliose de Lyme, foi criada no início de Junho deste ano, e tem por objectivos promover a investigação, o diagnóstico e tratamento da doença de Lyme. Uma doença causada por uma bactéria transmitida pela carraça. No Luxemburgo, 8% da população já esteve em contacto com a bactéria.
31.7. Contacto / ITV Sofia Araujo , association luxembourgeoise Borreliose de Lyme foto: Guy Jallay