Escolha as suas informações

CovidCheck nas empresas não pode levar a despedimentos, defende LCGB
Sociedade 13.10.2021
'Lei covid'

CovidCheck nas empresas não pode levar a despedimentos, defende LCGB

'Lei covid'

CovidCheck nas empresas não pode levar a despedimentos, defende LCGB

Foto: Gerry Huberty
Sociedade 13.10.2021
'Lei covid'

CovidCheck nas empresas não pode levar a despedimentos, defende LCGB

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O segundo maior sindicato do país defende que o patrão não pode mandar para casa ou obrigar o trabalhador sem CovidCheck a pedir uma licença sem vencimento. Ou, pior, despedi-lo.

"Não pode haver sanções para os trabalhadores ao abrigo do CovidCheck nas empresas". Esta é uma das reivindicações da central sindical LCGB, após o anúncio do Governo de permitir às empresas dos setores público e privado adotarem o passe sanitário. 

A LCGB sublinha que o CovidCheck nas empresas não deve prejudicar as condições de trabalho das pessoas não vacinadas e que é preciso evitar os despedimentos abusivos. 

A central sindical defende que o Executivo está ultrapassado com a crise sanitária e deixa a "batata quente" da gestão da crise nas mãos dos sindicatos e dos empregadores.  A LCGB garante, por isso, que vai estar atenta a abusos por parte dos patrões.

Uma vez que a introdução do CovidCheck depende da vontade do empregador, a central sindical insiste que as despesas ligadas, por exemplo, à realização de testes PCR ou de antigénio certificados por um profissional da saúde devem, no seu entender, ficar obrigatoriamente a cargo do patrão. 


Trabalhadores que recusem o CovidCheck podem ser penalizados
No Luxemburgo, as empresas do setor público e privado podem adotar o regime CovidCheck que entra em vigor a 1 de novembro, tornando obrigatório para os funcionários a apresentação do certificado, anunciou esta tarde Xavier Bettel.

Apesar de o primeiro-ministro, Xavier Bettel, ter afirmado que os testes para os não vacinados devem ser feitos fora do horário laboral, a LCGB quer o oposto. Por outro lado, defende que se o empregador optar por instaurar o CovidCheck, a a medida deve ser previamente discutida com as delegações do pessoal, saúde e segurança.

Por fim, a central apela ainda aos trabalhadores que denunciem casos de abuso relacionados com esta questão para que possam ser tomadas as medidas adequadas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sectores da saúde, serviços sociais e de educação
Os dois grandes sindicatos do país, OGBL e LCGB, convocaram para o próximo dia 4 de Junho uma manifestação dos trabalhadores dos sectores da saúde, serviços sociais e educação. Em causa estão as condições de trabalho de mais de 23.000 funcionários destes sectores que reivindicam um reconhecimento salarial justo das carreiras.