Escolha as suas informações

Covid-19. Rússia exige pedido de desculpas à Agência Europeia do Medicamento
Sociedade 2 min. 09.03.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Rússia exige pedido de desculpas à Agência Europeia do Medicamento

Covid-19. Rússia exige pedido de desculpas à Agência Europeia do Medicamento

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 09.03.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Rússia exige pedido de desculpas à Agência Europeia do Medicamento

Lusa
Lusa
Vacina russa vai ser produzida em Itália a partir de julho, anunciou esta terça-feira a Câmara de Comércio Itália-Rússia.

A Rússia exigiu esta terça-feira um pedido de desculpas à Agência Europeia do Medicamento depois de responsáveis europeus compararem a vacina Sputnik-V contra a covid-19 a "uma roleta russa".  

"Pedimos um pedido de desculpas por escrito a Christa Wirthumer-Hoche da Agência Europeia do Medicamento pelos comentários negativos de membros da União Europeia sobre a Sputnik-V", escreveram os criadores da vacina, ligados ao centro de investigação Gamaleia e ao Fundo Soberano Russo (RDIF). 

"Tais comentários são inapropriados e atentam contra a credibilidade da Agência Europeia do Medicamento e ao processo de avaliação" da vacina que ainda decorre, acrescenta a mensagem difundida através da rede social Twitter.

Para os organismos russos, os comentários indiciam que existem "possíveis interferências políticas" no processo de avaliação do composto Sputnik-V. No domingo à noite, a presidente da direção da Agência Europeia do Medicamento, Christa Wirthumer-Hoche, desaconselhou os países da União Europeia de autorizarem a vacina russa invocando a falta de informações sobre as pessoas que já foram vacinadas com a Sputnik-V.

"É um pouco comparável a uma roleta russa", declarou em entrevista à televisão austríaca ORF. "Até ao momento, nós não temos dados sobre os efeitos secundários", disse, sublinhando que os países devem esperar pela "luz verde" do regulador europeu. 

 A Sputnik-V atingiu na semana passada uma etapa importante no processo que pode conduzir à eventual aceitação por parte da União Europeia ao começar a ser analisada pela Agência Europeia do Medicamento, organismo com sede em Amesterdão.   

Vacina russa vai ser produzida em Itália a partir de julho  

A Câmara de Comércio Itália-Rússia anunciou esta terça que a Itália vai produzir milhões de doses do antídoto russo contra a covid-19, apesar de a Agência Europeia do Medicamento ainda não ter autorizado a sua distribuição.

"Serão produzidas dez milhões de doses entre 1 de julho e 1 de janeiro de 2022", adiantou o organismo, sublinhando que se trata do "primeiro acordo a nível europeu para a produção no território da União Europeia (UE) da vacina Sputnik". "A vacina será produzida a partir de julho de 2021 nas fábricas da (farmacêutica italiana e suíça) Adienne, na Lombardia, em Caponago, perto de Monza", no norte da Itália, disse o assessor de imprensa do presidente da Câmara de Comércio, Stefano Maggi, à agência de notícias francesa AFP.


Vacinas. Pfizer e Moderna mais eficazes, Sputnik mais barata e fácil de armazenar
Comparativamente, Pfizer, Moderna e Sputnik são as que superam os 90% de eficácia. AstraZeneca é a que deixa mais dúvidas.

As autoridades russas disseram ser capazes de fornecer 50 milhões de doses à Europa a partir de junho. Argumentando que a vacina já foi validada por 46 países, o fundo russo voltou a criticar ainda a Agência Europeia do Medicamento por ter adiado durante meses o processo de validação da Sputnik-V. 

Impacientes sobre a validação demasiado lenta, alguns países da União Europeia aprovaram o fármaco russo. A Hungria já está a vacinar a população com a Sputnik-V e a República Checa e a Eslováquia já fizeram encomendas à Rússia para adquirirem a vacina.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas