Escolha as suas informações

Covid-19. Pessoas vacinadas têm de continuar a usar máscara
Sociedade 6 4 min. 15.12.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Pessoas vacinadas têm de continuar a usar máscara

Covid-19. Pessoas vacinadas têm de continuar a usar máscara

Foto: AFP
Sociedade 6 4 min. 15.12.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Pessoas vacinadas têm de continuar a usar máscara

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Porque ainda não há estudos sobre as vacinas anti-covid que garantam que portadores assintomáticos deixam de ser contagiosos mesmo depois de serem imunizados, dizem especialistas internacionais.

Até 70% dos residentes do Luxemburgo estarem vacinados, percentagem tida como suficiente para garantir a imunidade da população contra o vírus SARS-CoV-2, quem for vacinado vai ter de manter o uso da máscara como medida de prevenção contra a transmissão da doença, alertam especialistas internacionais.

As vacinas anti-covid que, em breve, vão chegar à Europa e ao Luxemburgo são tidas como muito eficazes na “prevenção da doença sintomática e grave”, declarou à CNN  Leana Wen, médica intensivista e professora da Escola de Saúde Pública do Milken Institute, da Universidade George Washington, nos EUA.

Isto significa que estas novas vacinas impedem que “as pessoas fiquem doentes o suficiente para desenvolver sintomas, evitando assim que adoeçam gravemente e necessitem de ser hospitalizadas”. E isso, vinca “é a grande notícia”.


Das vacinas à imunidade. Estas são as armas para vencer a pandemia
Os estudos contraditórios, a eficácia das vacinas e a imunidade ganha após a infeção. A imunologista Margarida Santos Saraiva explica ao Contacto o que já se sabe sobre as mais importantes ferramentas contra a covid-19.

Estudos e imunidade de grupo

No entanto, “ainda não há estudos realizados" para saber se “as vacinas impedem alguém de transportar o vírus e transmiti-los a outras pessoas”, esclarece Leana Wen.

“É possível que alguém receba a vacina mas ainda seja um portador assintomático. Estas pessoas podem não apresentar sintomas, mas têm o vírus na passagem nasal [do nariz] pelo que ao respirar, falar, espirrar podem contagiar outras pessoas”.

Como infeção respiratória que é a covid, é no nariz que o vírus permanece e se multiplica mais rapidamente, por isso, é importante as pessoas vacinadas continuarem a usar máscara de proteção facial, durante mais um tempo e tal como todas as restantes pessoas.  Até a população estar imunizada contra a covid-19 e os estudos às vacinas provarem quem elas são capazes de aniquilar o vírus no nariz.


Covid-19. “A vacina é voluntária mas espero que as pessoas se vacinem”
A ministra da Saúde anunciou que irá haver uma campanha de informação sobre as vacinas anti-covid para que os residentes do Grão-Ducado tenham "confiança" e aceitem ser imunizados.

A mesma explicação dá a imunologista Michal Tal, da Universidade de Stanford ao jornal norte-americano The New York Times, alertando que "vai ser muito importante" para quem se vacine "saber que terá de continuar a usar máscara, porque ainda pode ser contagioso”.

Cientistas confiantes

As vacinas desenvolvidas atualmente contra o novo coronavírus são administradas através de uma injeção intramuscular e são rapidamente absorvidas pela corrente sanguínea. Aí estimulam o sistema imunológico a desenvolver anticorpos, que protegem contra a infeção pelo SARS-CoV-2. Alguns desses anticorpos vão chegar à mucosa nasal, onde permanecem. Mas até agora, ainda se desconhece qual a quantidade e a rapidez com que esses anticorpos chegam ao nariz.

“É uma corrida: depende se o vírus pode se replicar mais rápido ou se o sistema imunológico pode controlá-lo mais rápido”, declarou ao The New York Times a imunologista Marion Pepper, Universidade de Washington. “É uma questão muito importante.” 


Um transeunte junto de um cartaz do fabricante de uma das vacinas contra a covid-19 que teve 'luz verde' para ser administrada nos EUA.
Covid-19. Estados Unidos iniciam esta segunda-feira campanha de vacinação
Os Estados Unidos iniciam esta segunda-feira uma vasta campanha de vacinação contra a covid-19 no país, onde o número de mortes causadas pela doença se aproxima dos 300 mil óbitos.

Caso sejam insuficientes ou demorem a chegar à mucosa nasal o vírus pode instalar-se no nariz e mesmo que a pessoa não adoeça, porque está vacinada, pode manter o poder de contágio. De salientar, que a vacina irá encaminhar e muito rapidamente quantidades suficientes de anticorpos para os pulmões, o órgão que é mais afetado e onde a inflamação pelo vírus da covid-19 se pode tornar grave ao ponto da pessoa ter de ser internada.

Os cientistas estão confiantes de que os anticorpos gerados pela toma da vacina anti-covid, que chegam à mucosa do nariz, serão suficientes para impedir a transmissão do vírus a outras pessoas. 

“Penso que depois de vacinada a pessoa desenvolve imunidade e a sua capacidade de infetar outras pessoas também diminuirá”, perspetivou o imunologista Akiko Iwasaki, da Universidade de Yale, àquele diário norte-americano.  “Mesmo se uma pessoa estiver infetada, o nível de vírus que replica no nariz será reduzido”, vincou.


Rússia e AstraZeneca vão fazer testes clínicos às duas vacinas em conjunto
A farmacêutica AstraZeneca e a Rússia anunciaram hoje a realização de ensaios clínicos para avaliar a segurança da utilização conjunta das duas vacinas que desenvolveram contra o novo coronavírus.

Apelo à vacinação

Enquanto não houver estudos a confirmar o poder das vacinas no nariz e não estiver criada a imunidade de grupo entre a população, estes especialistas apelam para as pessoas vacinadas continuem e usa máscara e a manter o distanciamento social por mais uns meses, como toda a restante população.Como refere a médica Leana Wen à CNN, os próprios profissionais de saúde, os primeiros a ser vacinados, irão com certeza continuar a usar máscara depois de receberem a vacina.

Em todos os países, a vacinação será feita por grupos populacionais específicos e prioritários nas primeiras fases, pelo que levará alguns meses até os 70% dos residentes de cada país estarem vacinados. Os EUA já começaram a sua campanha de vacinação e em breve as vacinas anti-covid vão ser distribuídas pelos estados membros da União Europeia, entre eles o Luxemburgo.

O Grão-Ducado, por ser um país mais pequeno, deverá ser mais rápido conseguir esta imunidade de grupo. A imunidade de grupo “dependerá da capacidade de produção, distribuição e da vacinação da população, pelo que os especialistas e governos apelam aos seus cidadãos “para que sejam vacinados”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ainda não se sabe se uma terceira dose da vacina anticovid-19 vai ser necessária, mas se for o caso, o Luxemburgo está preparado para esse facto. A garantia é dada pela ministra da Saúde, Paulette Lenert, numa resposta parlamentar ao deputado do ADR, Jeff Engelen.