Escolha as suas informações

Covid-19. Pacientes não escolhem a marca da vacina
Sociedade 2 min. 04.02.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Pacientes não escolhem a marca da vacina

Covid-19. Pacientes não escolhem a marca da vacina

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 04.02.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Pacientes não escolhem a marca da vacina

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Dúvida foi colocada por várias pessoas na sessão online de esclarecimento com a ministra da Saúde, Paulette Lenert.

Pfizer, Moderna e AstraZeneca. Estas são as três marcas de vacinas que foram aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento para os países da UE, das quais as duas primeiras estão já a ser administradas no Grão-Ducado. Com três vacinas que diferem uma das outras em termos de eficácia a pergunta paira na cabeça de muitos: posso escolher a marca da vacina que quero tomar? Numa sessão de perguntas e respostas online, organizada esta quarta-feira, a ministra da Saúde, Paulette Lenert, e o diretor da Saúde, Jean-Claude Schmit, esclareceram que a escolha da vacina é feita pelos profissionais de saúde e não pelos pacientes. 

Schmit acrescentou que algumas vacinas são mais adequadas para uns grupos etários, exemplificando com a da AstraZeneca, que vários países optaram por administrar apenas a pessoas com menos de 65 anos, realçando por isso a  importância da escolha ser feita pelo pessoal médico. O Ministério da Saúde não tomou ate à data qualquer posição oficial sobre este assunto, após ter sido questionado recentemente no Parlamento

A Rádio Latina falou com um dos profissionais de saúde para perceber como se processa a toma da vacina. Na convocatória do Ministério da Saúde recebida só aparecem mencionados o local e a hora da vacinação. Só na altura da inoculação foi-lhe dito que iria receber a vacina da Pfizer/BioNTech. 


(FILES) In this file photo taken on January 14, 2021 helpers walk inside the Erika-Hess ice stadium that serves as the second vaccination center against the novel coronavirus in Berlin. - Sports stadiums, cathedrals and theme parks the world over have been rapidly repurposed as temporary vaccination centres in a global drive to administer the life-saving jabs. (Photo by Kay Nietfeld / POOL / AFP)
A este ritmo, só em novembro de 2024 é que 70% dos residentes estarão vacinados
Segundo as contas do site Politico.eu o Grão-Ducado está entre os dez piores países da Europa no que toca à percentagem atual da população vacinada. E não só.

Até 3 de fevereiro, o Luxemburgo tinha administrado 14.252 doses de vacinas, sendo que o plano de vacinação prevê seis fases. A primeira fase arrancou a 28 de dezembro, para profissionais de saúde de hospitais e lares de idosos, tendo sido alargada no mês de janeiro aos residentes dos lares. A segunda etapa deverá arrancar no início do mês de março e vai abranger as pessoas com mais de 75 anos e as pessoas consideradas "altamente vulneráveis", independentemente da idade.    


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Luxemburgo começou na segunda-feira a vacinar as primeiras pessoas com a vacina da AstraZeneca. Vários países, incluindo o Grão-Ducado vão para já administrá-la a pessoas até aos 65 anos.