Escolha as suas informações

Covid-19. Medicamento espanhol reduz quase totalmente carga viral
Sociedade 27.01.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Medicamento espanhol reduz quase totalmente carga viral

Covid-19. Medicamento espanhol reduz quase totalmente carga viral

Sociedade 27.01.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Medicamento espanhol reduz quase totalmente carga viral

Bruno Amaral de Carvalho
Bruno Amaral de Carvalho
Experiências em ratinhos com a plitidepsina, usada em tumores, mostram que reduz em 99% a carga viral do SARS-CoV-2 nos pulmões dos animais.

Quando vários países a acusam as farmacêuticas de atrasarem os planos de vacinação, a medicina debate-se com a dificuldade de enfrentar as novas vagas com a dexametasona, um medicamento que veio substituir a utilização do remdesivir, a primeira arma contra a covid-19, que se revelou pouco eficaz.

Só que um estudo publicado pela Science afirma que a plitidepsina, uma substância aprovada para tratar o mieloma múltiplo (um tipo de cancro da medula óssea) é 27,5 vezes mais potente que o remdesivir. O novo estudo, desenvolvido com ratos, sugere que a plitidepsina poderia ser útil na redução da carga viral em até 99%.

O estudo compara a capacidade da plitidepsina de inibir a SARS-CoV-2 contra outras substâncias e os resultados são de entre 9 e 87,5 vezes mais potentes. A plitidepsina consegue bloquear uma proteína humana, a eEF1A, que a SARS-CoV-2 utiliza para se replicar em células. Desta forma, bloqueia a multiplicação do vírus. Foi também demonstrado que tem ação antiviral nos pulmões e a sua capacidade de mitigar a inflamação provocada pela covid-19 que os conduz ao colapso.

A plitidepsina já está a ser testada em laboratórios experimentais em França e nos Estados Unidos. Em dois modelos animais diferentes de infeção por coronavírus SARS-CoV-2, o ensaio demonstrou uma replicação viral reduzida, com uma diminuição de 99% das cargas virais no pulmão dos animais tratados com plidepsina.

Os investigadores observaram que embora a toxicidade seja uma preocupação com qualquer antiviral que vise uma proteína de células humanas, o perfil de segurança da plitidepsina está bem estabelecido em humanos e que as doses bem toleradas de plitidepsina utilizadas no ensaio clínico contra a covid-19 são ainda mais baixas do que as utilizadas nestas experiências.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas