Escolha as suas informações

Covid-19. Estudo revela que vírus permanece ativo na pele por nove horas
Sociedade 18.10.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Estudo revela que vírus permanece ativo na pele por nove horas

Covid-19. Estudo revela que vírus permanece ativo na pele por nove horas

Sociedade 18.10.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Estudo revela que vírus permanece ativo na pele por nove horas

Lusa
Lusa
Tanto o coronavírus quanto o vírus da gripe são inativados em 15 segundos pela aplicação de etanol, usado em desinfetantes para as mãos.

Um estudo elaborado por pesquisadores japoneses revelou que o coronavírus SARS-CoV-2 permanece ativo na pele por nove horas, confirmando assim a necessidade de lavar as mãos com frequência para combater a pandemia de covid-19.

Em comparação, o agente patogénico que causa a gripe sobrevive na pele por cerca de 1,8 horas, diz o estudo publicado este mês na revista Clinical Infectious Diseases.

"A sobrevivência de nove horas do SARS-CoV-2 (a estirpe do vírus que causa a doença covid-19) na pele humana pode aumentar o risco de transmissão por contacto em comparação com o IAV (vírus da influenza A ou influenza A), acelerando assim a pandemia”, dizem os autores do estudo.


Covid-19. Grávidas oficialmente classificadas como vulneráveis perante o vírus
Decisão do Conselho Superior Luxemburguês surge como medida de prevenção.

Os pesquisadores japoneses testaram amostras de pele retiradas de espécimes de autópsia cerca de um dia após a morte.

Tanto o coronavírus quanto o vírus da gripe são inativados em 15 segundos pela aplicação de etanol, usado em desinfetantes para as mãos.

“A maior sobrevivência do SARS-CoV-2 na pele aumenta o risco de transmissão por contacto, mas a higiene das mãos pode reduzir esse risco”, afirmam os investigadores.

O estudo apoia as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a lavagem regular e completa das mãos para limitar a transmissão do vírus.

A covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos em 39,4 milhões de pessoas infetadas desde que o coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença, foi detetado pela primeira vez numa cidade do centro da China, em dezembro de 2019.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Esta será uma das grandes dúvidas dos pais, sobretudo dos mais pequenos, nos próximos meses, por causa dos sintomas semelhantes. Duas pediatras especializadas, do Kannerklinik, Luxemburgo, e do Hospital de Santa Maria, Portugal, dão a resposta e os conselhos mais importantes.