Escolha as suas informações

Covid-19. China inicia testes de duas vacinas em humanos
Sociedade 2 min. 14.04.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. China inicia testes de duas vacinas em humanos

Covid-19. China inicia testes de duas vacinas em humanos

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 14.04.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. China inicia testes de duas vacinas em humanos

Lusa
Lusa
Surto provocado pelo novo coronavírus surgiu na China em dezembro.

A China iniciou testes clínicos em seres humanos de duas possíveis vacinas contra o novo coronavírus, informou hoje a imprensa local, numa altura em que o surto, que é originário do país, se alastrou pelo mundo. Trata-se de duas vacinas inativadas, que consistem em microrganismos produzidos pela inativação ou morte do vírus durante o processo de fabrico.

A primeira vacina a ser testada obteve a licença para realizar ensaios clínicos no domingo e foi desenvolvida pelo Instituto de Virologia Wuhan, a cidade no centro da China onde os primeiros casos da doença foram detetados, em conjunto com a filial na mesma cidade da empresa estatal Sinopharm.

A segunda vacina é o resultado do trabalho conjunto de várias empresas, num processo liderado pela Sinovac Research & Development, empresa subsidiária da Sinovac Biotech, que também trabalhou numa vacina contra a Síndrome Respiratória Aguda e Grave (SARS), que surgiu na China, em 2003.


Há cinco vacinas para o novo coronavírus em fase de testes em humanos
Um novo balanço da revista científica Nature refere que há 115 vacinas candidatas, 73 das quais em fase exploratória ou pré-clínica e cinco já a serem testadas em pessoas.

Segundo a publicação chinesa Caixin, o projeto da Sinopharm - que conta com o apoio financeiro do ministério chinês da Ciência e Tecnologia - vai testar a vacina em 1.396 voluntários, recrutados na província de Henan, no centro do país, nas fases iniciais, que deverão decorrer até 10 de novembro de 2021.

Em meados de março, as autoridades chinesas aprovaram o início de ensaios clínicos para outra vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Academia Militar de Ciências.


O investigador português Vítor Borges do INSA
“Este coronavírus contagia muito mais do que os anteriores”
O investigador português Vítor Borges, do INSA que está a colaborar com o LNS do Luxemburgo explica em entrevista exclusiva como o vírus da pandemia se comporta e altera para continuar a contaminar o planeta. Uma investigação fundamental para a criação da vacina eficaz.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 117 mil mortos e infetou quase 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, cerca de 402 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O número total de infetados na China desde o início da pandemia é de 82.160, dos quais 3.341 morreram e, até ao momento, 77.663 pessoas tiveram alta.

Os Estados Unidos são o país que regista o maior número de mortes, contabilizando 22.935 até hoje, e aquele que tem mais infetados, com 568 mil casos confirmados.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. China está a usar vacina desde julho
A China autorizou o uso de potenciais vacinas para a covid-19 em funcionários hospitalares, para "casos de emergência", desde 22 de julho passado, revelou hoje um alto responsável da Comissão de Saúde do país.
A China só registou 47 novos casos oriundos do exterior
Para impedir uma segunda vaga de contágios no país, o Governo chinês impôs uma quarentena rigorosa de 14 dias a quem entrar na China. A partir de hoje, quem chegar a Pequim vindo do exterior será submetido a testes laboratoriais, além de ser colocado em quarentena.