Escolha as suas informações

Coronavírus chega à Índia
Sociedade 2 min. 30.01.2020

Coronavírus chega à Índia

Coronavírus chega à Índia

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 30.01.2020

Coronavírus chega à Índia

Lusa
Lusa
Um aluno que estava a estudar na Universidade de Wuhan, na cidade de Wuhan, a mais atingida pelo surto do vírus, apresentou resultado positivo para o vírus.

O Ministério da Saúde da Índia anunciou hoje que detetou o primeiro caso do novo coronavírus (2019-nCoV) no estado de Kerala, no sul do país, de acordo com um comunicado do organismo.

Segundo as autoridades indianas, um aluno que estava a estudar na Universidade de Wuhan, na cidade de Wuhan, a mais atingida pelo surto do vírus, apresentou resultado positivo para o vírus.

O ministério indiano referiu na nota que o aluno está isolado e a ser vigiado num hospital. Não ficou claro quando o aluno voltou da China para a Índia.

A China elevou para 170 mortos e mais de 7.700 infetados o balanço de vítimas do novo coronavírus detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Os passageiros que viajaram para a China recentemente estão a ser vigiados em relação aos sintomas característicos provocados pelo novo coronavírus, em pelo menos 20 aeroportos indianos.

O Ministério da Saúde indiano afirmou que todas as enfermarias com isolamento do país foram alertadas para se prepararem para um possível surto.

O Governo indiano disse, na quarta-feira, que planeia realizar dois voos para retirar os seus cidadãos da província de Hubei, na China, e isolá-los por 28 dias em Nova Deli.

O Ministério da Saúde indicou que estava a planear transportar apenas aqueles que não parecem ter sintomas da gripe, a fim de minimizar o risco da infeção se espalhar.

O Japão e os Estados Unidos foram os primeiros países, na quarta-feira, a repatriar centenas dos seus cidadãos que se encontravam na cidade chinesa de Wuhan, onde o novo coronavírus foi detetado em dezembro, um processo que seguem outros países.

Vários países europeus, incluindo Portugal, França, Itália e Alemanha, mas também a Austrália têm em marcha planos para proceder ao repatriamento de alguns dos seus cidadãos em Wuhan.

A União Europeia anunciou, na quarta-feira, o envio de dois aviões até a sexta-feira à região chinesa de Wuhan que vão repatriar, devido ao coronavírus, 250 franceses e outros 100 cidadãos europeus que o solicitem, independentemente da nacionalidade.

Itália também vai enviar um avião hoje a Wuhan, sem especificar o número de pessoas repatriadas ou se o protocolo prevê quarentena.

Também o Governo australiano anunciou, na quarta-feira, que vai retirar os seus cidadãos da cidade Wuhan para a Ilha Christmas, no Oceano Índico, onde permanecerão em quarentena.

Nos próximos dias, Berlim também vai proceder à retirada de cerca de 90 alemães presentes em Wuhan.

A empresa nacional israelense El-Al anunciou hoje, à semelhança de várias outras companhia aéreas, como a Lufhthansa, que suspendeu os seus voos para Pequim diante da disseminação do novo coronavírus.



Notícias relacionadas

Filipinas confirmam primeiro caso de coronavírus
O secretário de Saúde filipino, Francisco Duque, disse que a pessoa contagiada é mulher chinesa, de 38 anos, viajou de Wuhan, na China continental, via Hong Kong, para as Filipinas no dia 21 de janeiro.