Escolha as suas informações

COP25. Guterres apela ao aumento da vontade política de líderes mundiais
Sociedade 2 min. 01.12.2019 Do nosso arquivo online

COP25. Guterres apela ao aumento da vontade política de líderes mundiais

COP25. Guterres apela ao aumento da vontade política de líderes mundiais

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 01.12.2019 Do nosso arquivo online

COP25. Guterres apela ao aumento da vontade política de líderes mundiais

“O que ainda falta é vontade política”, afirmou.

O secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, apelou hoje em Madrid ao aumento da “vontade política” dos líderes mundiais para fazerem o que a comunidade científica lhes pede na luta contra as alterações climáticas.

“O que ainda falta é vontade política”, sendo “fundamental pôr o mundo em linha com o que a comunidade científica definiu” como objetivos para lutar contras as alterações climáticas, disse António Guterres em conferência de imprensa.

As declarações foram feitas no centro de conferências onde a partir de segunda-feira se vai realizar a Cimeira sobre as alterações Climáticas, conhecida como COP25.

Para o ex-primeiro-ministro português “durante muitos séculos a espécie humana esteve em guerra com o planeta e o planeta está agora a contra-atacar”: “Temos de parar a nossa guerra contra a natureza e a ciência diz que podemos fazê-lo”, sublinhou Guterres.

Meia centena de líderes mundiais vão estar presentes na segunda-feira na abertura da Cimeira sobre Alterações Climáticas de Madrid, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e por António Guterres, e na qual Portugal estará representado pelo primeiro-ministro, António Costa.

Ao todo são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais.

“Há a necessidade de encontrar a ambição de aumentar a responsabilidade coletiva, e a COP25 é uma oportunidade excelente para que essa responsabilidade possa ser exercida”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, repetindo que os desafios “exigem uma muito maior ambição do que a expressa até agora”.

Esta 'cimeira do clima' estava inicialmente prevista para se realizar no Chile, mas no final de outubro o governo chileno decidiu cancelar o evento alegando não haver condições devido a um movimento de contestação interna e de agitação civil.

O Governo espanhol avançou com a proposta de organizar a grande conferência anual sobre Alterações Climáticas e conseguiu ter tudo pronto para a sua inauguração na segunda-feira, em Madrid, apesar de a presidência da reunião continuar a pertencer ao Chile.

António Guterres realçou que a sua mensagem também é de “esperança e não de desespero”, sendo necessário seguir o “roteiro” definido pelos cientistas.

Espero da COP25 “uma clara demonstração de vontade em fazer alguma coisa”, concluiu o secretário-geral das Nações Unidas.

Segundo os objetivos definidos pela comunidade científica e em acordos assinados, mas ainda não ratificados por todos os países do mundo, nomeadamente os Estados Unidos, um dos mais poluidores, é necessário limitar a menos os de 1,5 graus o aumento da temperatura global até ao fim do século.

Lusa


Notícias relacionadas

COP25. Guterres "decepcionado" com cimeira do clima
"A comunidade internacional perdeu uma oportunidade importante para mostrar uma maior ambição na mitigação e adaptação para enfrentar a crise climática", sublinhou o secretário-geral das Nações Unidas.
Madrid. Última chamada para salvar o planeta
Começou hoje em Madrid a Cimeira do Clima que dura até 13 de dezembro e que pretende concretizar e alargar os objetivos do Acordo de Paris para defender um planeta que se encaminha para um aumento da temperatura média de 3,5ºC.