Escolha as suas informações

Compaixão e conexão social reduzem risco de stress pós-traumático provocado pela pandemia
Sociedade 3 min. 17.01.2022
Covid-19

Compaixão e conexão social reduzem risco de stress pós-traumático provocado pela pandemia

Covid-19

Compaixão e conexão social reduzem risco de stress pós-traumático provocado pela pandemia

Foto: AFP
Sociedade 3 min. 17.01.2022
Covid-19

Compaixão e conexão social reduzem risco de stress pós-traumático provocado pela pandemia

Lusa
Lusa
Um estudo internacional, liderado pela Universidade de Coimbra, demonstra que a conexão social é a chave para "compreender como as pessoas se adaptam e lidam com a crise mundial da covid-19".

A compaixão e a ligação aos outros reduzem o risco de desenvolvimento de stress pós-traumático no contexto da pandemia de covid-19, revelou um estudo internacional liderado por uma investigadora da Universidade de Coimbra (UC), que foi hoje divulgado.

O estudo - que se insere num projeto que visa avaliar os fatores que podem aumentar ou atenuar o risco de problemas de saúde mental no contexto da pandemia - concluiu também que a desconexão social, que é marcada pela solidão e pelo medo da compaixão, potencia o stress pós-traumático.


Crianças têm de estar em "paz na escola" sem estes "medos todos" da covid
Para o pedopsiquiatra Pedro Caldeira é muito importante libertar os mais pequenos dos receios dos contágios da covid-19 que os afeta. Há que aprender a conviver com o vírus, diz.

De acordo com Marcela Matos, que lidera um consórcio de cientistas de 21 países, as pessoas socialmente mais seguras e conectadas "e que são capazes de ser compassivas consigo mesmas, com os outros e que recebem compaixão dos outros em face do sofrimento e adversidade, revelam maior crescimento pós-traumático" no atual contexto de pandemia.

A investigadora explicou que este crescimento se refere à mudança positiva que uma pessoa desenvolve: "Perante o sofrimento, as pessoas iniciam um processo de transformação, promovendo o crescimento pessoal, a resiliência e o bem-estar mental durante e após a pandemia".

Docente da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC e investigadora do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental, Marcela Matos considerou que este estudo demonstra que a conexão social é a chave para "compreender como as pessoas se adaptam e lidam com a crise mundial da covid-19 e pode facilitar o crescimento pós-traumático no contexto da ameaça vivenciada durante a pandemia".


Como a covid-19 está a mudar a nossa linguagem corporal e a expressão das emoções
O uso de máscara e o distanciamento social baralharam a capacidade de ler o outro, além das palavras. Especialistas tentam compreender de que forma o vírus alterou a nossa interação e se a adaptação a outros gestos e linguagens veio para ficar, para lá da pandemia.

"A compaixão e experiências de conexão social e ligação aos outros têm um papel protetor universal contra os efeitos prejudiciais da pandemia da covid-19 na saúde mental e no bem-estar psicológico e social, podendo ainda promover a resiliência e facilitar o crescimento pós-traumático face ao contexto desafiador e potencialmente traumático da pandemia", sublinhou.

Ou seja, a "capacidade de ativar sistemas motivacionais de compaixão e de experimentar segurança social e conexão aos outros fortalece o crescimento pós-traumático perante a ameaça da pandemia".

A investigadora aludiu a um outro estudo do consórcio que lidera, segundo o qual a compaixão, "em particular a autocompaixão e compaixão recebida dos outros, tem um papel protetor universal contra os efeitos prejudiciais da pandemia da covid-19 na saúde mental (sintomas de depressão, ansiedade e stress) e no bem-estar psicossocial".

Marcela Matos esclareceu que a compaixão "não é o mesmo que pena ou amor, nem é apenas ser simpático ou bonzinho, ou ser autoindulgente ou fraco”, submeter-se às vontades dos outros ou livrar-se da dor ou do sofrimento, mas sim "sinónimo de coragem e de um profundo compromisso" com o bem-estar próprio e o dos outros.


.
Como vamos reaprender a socializar convivendo com o medo do vírus e do outro
A necessidade de contacto social aumenta com as crises ou desastres, explica a socióloga portuguesa Bárbara Barbosa Neves. Mas a pandemia da covid-19 traz incertezas.

Os resultados do trabalho científico, que foi publicado na revista científica PLoS One, baseiam-se em dados recolhidos numa amostra de 4.057 indivíduos de ambos os sexos, recrutados nos 21 países, durante a primeira vaga da pandemia (entre abril e junho de 2020).

Atendendo a que as conclusões são transversais a todos os países envolvidos no projeto, Marcela Matos defendeu como prioridade a implementação de "estratégias focadas na comunidade para fomentar a resiliência e proteger a saúde mental da população neste período".

"Intervenções focadas na compaixão e a disseminação de estratégias de comunicação pública compassivas podem ser relevantes para promover a resiliência individual e coletiva e reduzir as dificuldades de saúde mental durante e após a pandemia", realçou.

A investigadora considerou ainda que se deve promover a reconexão social entre a população em geral e, em particular, nos grupos mais vulneráveis - como idosos e profissionais de saúde - "usando intervenções baseadas na comunidade visando combater a solidão física e emocional".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.