Escolha as suas informações

Como 2021 vai ser um ano para a biodiversidade
Sociedade 5 min. 19.01.2021

Como 2021 vai ser um ano para a biodiversidade

Como 2021 vai ser um ano para a biodiversidade

Foto: AFP
Sociedade 5 min. 19.01.2021

Como 2021 vai ser um ano para a biodiversidade

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
O Parlamento Europeu discutiu soluções para travar a sexta extinção em massa e a era das pandemias. Macron e Carlos de Inglaterra lançaram novas campanhas para salvar a vida na Terra.

O problema é conhecido. Segundo o relatório de um painel de cientistas das Nações Unidas, concluído em 2019, dos 8 milhões de espécies de plantas e animais na Terra, um milhão está em risco de desaparecer para sempre. E a relação entre a degradação de ecossistemas e o risco de pandemias foi em 2020, com a covid-19, igualmente cientificamente estabelecida. 

Por isso, na abertura da sessão de debate público, organizada pela comissão parlamentar ENVI, o presidente desta comissão de ambiente e saúde pública do Parlamento Europeu (PE), Pascal Canfin, pediu aos intervenientes que se focassem em soluções. "Acho que todos estamos bem a par do problema", assegurou o francês, na sessão do passado dia 14.

Na audição com o tema "A sexta extinção em massa e o aumento do risco de pandemias: Qual o papel da Estratégia para a Biodiversidade para 2030 da União Europeia?" houve dos cientistas e dos representantes das agências participantes uma mensagem clara das duas opções que restam à humanidade: agir já na direção certa ou esperar consequências muito graves. 

O ímpeto para agir começa a ser global. Na cimeira "One Planet" ("Um Planeta", em português), liderada pelo presidente francês Emmanuel Macron, e apoiada pela ONU, 50 países comprometeram-se no passado dia 12 a criar áreas protegidas em 30% do planeta. Durante a cimeira, o príncipe Carlos de Inglaterra apresentou a Terra Carta, uma iniciativa para orientar iniciativas empresarias para a proteção da biodiversidade.

Inspirar toda a gente a participar nas soluções

Anne Larigauderie, secretária-geral do Painel Intergovernamental para a Biodiversidade e Ecossistemas - o IPBES, da ONU, e a entidade que produziu o relatório sobre o estado da vida na Terra, em 2019 - salientou que "não é demasiado tarde para agir, mas é necessário mudanças transformadoras urgentes". 

A sua proposta é que, em vez de deixar o problema nas mãos de uma margem da população - conservacionistas e organizações ambientais- se "envolva toda a gente", sem exceções. É também preciso "agir diretamente sobre as causas diretas e indiretas da perda de biodiversidade". Os nossos padrões de consumo estão indiretamente envolvidos, segundo a responsável do IPBES, na desflorestação, na alteração do uso dos solos e na degradação ambiental que são causa direta da morte de ecossistemas. 

 A francesa Larigauderie defendeu também que a perda de biodiversidade e as alterações climáticas têm que ser abordadas como duas crises que se alimentam uma da outra, ideia que tomou forma nos últimos anos. E, em relação a isso, adiantou Larigauderie, haverá este ano sessões de trabalhos conjuntas entre os cientistas do IPBES (grupo criado em 2010), e o IPCC (Painel Intergovernamental de Alterações Climáticas) fundado em 1988, e que tem desde então vigiado o impacto das emissões de gases com efeitos de estufa. Um dos exemplos dessas sinergias é a vantagem de manter as florestas saudáveis, uma vez que absorvem 2/3 dos gases com efeito de estufa lançados para a atmosfera. "Mas é preciso urgentemente mudar os padrões de consumo, como o do excesso de carne, ou do óleo de palma", que matam florestas ancestrais na Amazónia e no Borneo.

E, do ponto de vista político, é obrigatório: "acabar com subsídios danosos", na indústria, nas pescas, na agricultura e na gestão do território"; "explorar métodos alternativos de contabilidade económica"; "criar cadeias que reduzam o impacto na natureza" e integrar "a defesa da biodiversidade em todos os setores económicos".


UE assume falha na proteção dos mares. ONGs exigem ação imediata
Grupos ambientais propõem um plano urgente de ação para salvaguardar a vida marinha, uma vez que as leis existentes não estão a ser aplicadas pela União Europeia.

PE quer Prémio Nobel para a Biodiversidade

"2021 apresenta-se como a grande oportunidade" sustentou Larigauderie, com a realização, finalmente após o cancelamento em 2020, das duas grandes conferências: a COP26, em Glasgow, dedicada ao clima, e a COP15, em Kunming, na China, dedicada à biodiversidade. Motivo pelo qual, Pascal Canfin, o líder do PE da ação ecológica, anunciou o seu apoio à candidatura do IPBES ao Prémio Nobel da Paz. "É uma boa forma de passar uma mensagem muito clara e de apoio à tomada de posições ambiciosas na COP152".

O IPPC recebeu o prémio em 2007, a meias com o antigo vice-presidente americano Al Gore. E embora Pequim ainda não tenha definido a data da COP 15 (por causa da situação pandémica), estima-se que será depois de outubro. Com o anúncio do Nobel normalmente neste mês, ainda haveria impacto da decisão do parlamento norueguês.

A era das pandemias: Os vírus vêm aí

Hans Bruyninckx, diretor da Agência Europeia de Ambiente (EEA), salientou que, de acordo com o último relatório Estado da Natureza, coordenado por esta agência, a Europa falhou espetacularmente todas as metas, e que apesar de "haver legislação há décadas", e objetivos concretos, houve uma degradação ambiental tão acentuada como no resto dos habitats do planeta. Resumindo, não faltaram leis e objetivos, mas "houve uma implementação muito pobre". 

Há apesar de tudo, esperança "com a atual evidência científica de que o declínio da natureza não se dá sem consequências. Foram feitos estudos sobre ligação entre pandemias e perda de biodiversidade e os intervalos cada vez menores em que as zoonoses ocorrem estão relacionados com o acelerar da degradação de ecossistemas e as alterações climáticas". 


Como começaram as epidemias mais graves
Nos últimos 30 anos, tem crescido o número de surtos de vírus, proliferando assim as doenças que assolam todo o mundo. Entretanto, relatos históricos de pandemias vão além do século XX e já preocupam a humanidade há dois mil anos.

Por isso, o diretor da EEA, anunciou a criação de um observatório das "conexões entre saúde e alterações climáticas" associado ao Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças (ECDC). Para Bruynickx é fundamental passar do conceito negativo de "travar a perda" para outro que requer "uma ação muito séria e grande coragem política" e que é o de "restaurar" a natureza.

Na intervenção no Parlamento Europeu, o responsável da agência da UE de ambiente criticou a proposta de reforma da PAC (Política Agrícola Comum) que está na fase final de discussão: "Uma PAC que não está de acordo com o Pacto Ecológico Europeu e a Estratégia para a Biodiversidade, é muito problemática". Bruynickx terminou a sua intervenção num tom assustador: "Se há um milhão de espécies em vias de extinção, temos que pensar se o Homo sapiens não será uma delas".

Chris Walzer, responsável da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem, foi ainda mais incisivo na sua avaliação da situação vulnerável que a humanidade vive: "Há cerca de 700 mil vírus em ambiente selvagem com potencial para infetar os humanos. Se continuarmos a aumentar os pontos de contacto, o risco é enorme. Para evitar isto temos que ter uma abordagem em que o bem-estar de humanos, animais e planeta estão perfeitamente em sintonia".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.