Escolha as suas informações

Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos
Sociedade 2 min. 29.07.2020 Do nosso arquivo online

Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos

Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos

AFP
Sociedade 2 min. 29.07.2020 Do nosso arquivo online

Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos

Lusa
Lusa
A responsável europeia relaciona a multiplicação dos novos casos de infeção à "complacência e desleixo" da população que acusa de desrespeitar as recomendações de segurança.

A comissária europeia da Saúde manifestou, esta quarta-feira, preocupação face ao aumento de casos de covid-19 em vários países na Europa, responsabilizando as populações que demonstraram alguma “complacência e desleixo”, nomeadamente no cumprimento rigoroso das regras de higiene.

Num comunicado divulgado hoje, a comissária Stella Kyriakides deu o exemplo do seu país de origem, o Chipre, onde um aumento de novos contágios pelo novo coronavírus está a suscitar grande preocupação junto das autoridades cipriotas, que ainda não conseguiram rastrear a origem destes casos.

Para Stella Kyriakides, que se encontra na capital do Chipre, o aumento de novas infeções pode ser evitado se as pessoas permanecerem vigilantes.

A comissária considera que este ressurgimento de novos focos de infeção em vários Estados europeus é um sinal de que uma parte da população não está a seguir os protocolos de saúde e de segurança.

Em Nicósia, a comissária europeia informou o ministro cipriota com a tutela da Saúde, Constantinos Ioannou, sobre os esforços da União Europeia (UE) para assegurar tratamentos com Remdesivir no espaço europeu, após este medicamento antiviral ter sido autorizado para combater a doença covid-19.

A Comissão Europeia anunciou hoje que assinou um contrato de 63 milhões de euros com a farmacêutica Gilead, para "garantir doses de tratamento de Veklury, a marca comercial da Remdesivir", depois de este ser sido o "primeiro medicamento autorizado a nível da UE para o tratamento da covid-19".

Assim, "a partir do início de agosto, e a fim de satisfazer necessidades imediatas, serão disponibilizados aos Estados-membros e ao Reino Unido lotes de Veklury, com a coordenação e o apoio da Comissão", acrescentou o executivo comunitário.

Orçada em 63 milhões de euros financiados pelo Instrumento de Apoio de Emergência da Comissão Europeia, a medida visa garantir o tratamento de cerca de 30 mil pacientes que apresentam sintomas graves de covid-19, segundo as estimativas da instituição.

No início de julho, o Remdesivir foi autorizado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla inglesa) como o primeiro tratamento da covid-19, visando então curar adultos e adolescentes a partir dos 12 anos de idade com pneumonia que necessitam de oxigénio suplementar.

Desde que o novo coronavírus foi detetado na China, em dezembro do ano passado, a pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 660 mil mortos e infetou mais de 16,7 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse (AFP).

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Europa registou, na semana passada, um total de 1.104.121 novos casos positivos de covid-19, uma situação que a Comissão Europeia classificou hoje como "dramática", destacando também o "aumento do número de mortes" nos últimos dias.
Comissária Europeia da Saúde, Stella Kyriakides.