Escolha as suas informações

Comissão europeia quer os 27 estados a vacinar no mesmo dia
Sociedade 2 min. 16.12.2020 Do nosso arquivo online

Comissão europeia quer os 27 estados a vacinar no mesmo dia

Ursula von der Leyen

Comissão europeia quer os 27 estados a vacinar no mesmo dia

Ursula von der Leyen
AFP
Sociedade 2 min. 16.12.2020 Do nosso arquivo online

Comissão europeia quer os 27 estados a vacinar no mesmo dia

A presidente da Comissão Europeia exortou hoje a União Europeia a iniciar "tão cedo quanto possível" uma campanha de vacinação contra a covid-19, a arrancar em simultâneo nos 27 Estados-membros, para assegurar a erradicação do "vírus horrível".

Num debate no Parlamento Europeu sobre a cimeira de líderes da UE da semana passada, Ursula von der Leyen sublinhou que "ninguém deve pensar que está a salvo [da pandemia], não quando mais de três mil europeus morrem de covid-19 a cada dia", mas apontou que "finalmente há boas notícias", com o desenvolvimento de vacinas, sendo que a primeira deverá ser aprovada já no início da próxima semana.

Reiterando que "a Comissão Europeia negociou a mais ampla carteira de candidatas a vacinas", nada menos que seis, von der Leyen apontou que a primeira vacina deverá ser autorizada já dentro de poucos dias, depois de a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter anunciado na véspera que antecipou a reunião para tomar uma decisão sobre a vacina Pfizer-BioNTech para 21 de dezembro, uma semana mais cedo que o previsto.


Há acordo. Orçamento europeu de 1.8 mil milhões de euros sai dos cofres a partir de janeiro
É para andar. Todos os líderes europeus concordam finalmente com orçamento para 2021-27, com penalizações para a Hungria e Polónia adiadas, mas não canceladas. Um suspiro de alívio nas capitais da União.

"A vacinação pode assim começar imediatamente, e outras [vacinas] seguir-se-ão no Ano Novo. E, no total, comprámos doses mais que suficientes para toda a gente na Europa, e ainda estaremos em condições de apoiar os nossos vizinhos e parceiros no mundo, para que ninguém fique para trás", afirmou a presidente do executivo comunitário.

Von der Leyen ressalvou que, "para chegar ao fim da pandemia, é, no entanto, necessário que 70% da população vacinada", o que admitiu ser uma "missão gigantesca".

"Por isso, comecemos tão cedo quanto possível a vacinação, juntos, a 27, a começar no mesmo dia. Iniciemos a erradicação deste vírus horrível juntos e unidos", disse.

No Conselho Europeu de quinta e sexta-feira da semana passada, também o primeiro-ministro, António Costa, apelou a que todos os Estados-membros da União Europeia iniciem as campanhas de vacinação simultaneamente, para assegurar uma imunidade de grupo "à escala da UE".

"Sugeri efetivamente que pudéssemos tentar coordenar o esforço para que arrancássemos todos no mesmo dia com o processo de vacinação. Para termos imunidade de grupo à escala da UE, não basta que um país alcance essa imunidade de grupo, é um esforço que tem de ser realizado simultaneamente em todos os Estados, e a melhor forma de todos o fazermos de uma forma coordenada é podermos arrancar todos ao mesmo tempo", defendeu.


Das vacinas à imunidade. Estas são as armas para vencer a pandemia
Os estudos contraditórios, a eficácia das vacinas e a imunidade ganha após a infeção. A imunologista Margarida Santos Saraiva explica ao Contacto o que já se sabe sobre as mais importantes ferramentas contra a covid-19.

A Comissão Europeia já assinou contratos com as companhias de vacinas AstraZeneca (300 milhões de doses), Sanofi-GSK (300 milhões), Johnson & Johnson (200 milhões), BioNTech e Pfizer (300 milhões), CureVac (405 milhões) e Moderna (160 milhões).

Na conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, Von der Leyen adiantou que a EMA deverá dar o seu parecer sobre a vacina da Moderna em meados de janeiro, continuando a ser estudada a de Oxford e AstraZeneca.

Na terça-feira, o subdiretor-geral da Saúde, comentando a antecipação da decisão da Agência Europeia do Medicamento sobre a vacina da Pfizer-BioNTech para 21 de dezembro, assegurou que o plano de vacinação contra a covid-19 "é adaptável às circunstâncias".

"Se esse facto acontecer, estaremos a pensar numa antecipação de oito dias em relação à vacinação e todo o esforço deve ser feito para que todas as questões logísticas sejam antecipadas em oito dias", disse Rui Portugal na conferência de imprensa da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a evolução da pandemia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Bruxelas havia adquirido 200 milhões de doses desta vacina, que contava que fossem administradas até setembro de 2021, tendo agora decidido reservar mais 100 milhões de doses, mesmo contando dispor muito em breve de outras vacinas contra a covid-19, dado ter uma ampla carteira de potenciais vacinas.