Escolha as suas informações

China contabiliza menos de mil infetados
Sociedade 2 min. 28.03.2020

China contabiliza menos de mil infetados

China contabiliza menos de mil infetados

AFP
Sociedade 2 min. 28.03.2020

China contabiliza menos de mil infetados

Desde janeiro que o número de casos não era tão baixo. Os 54 novos casos foram diagnosticados em estrangeiros.

Nunca o número de infetados foi tão baixo no berço do vírus que obrigou meio mundo a fechar-se dentro de casa. No total, há 921 casos de infeção pelo novo coronavírus na China. Destes, 882 foram registados em Wuhan, a capital da província de Hubei que desde janeiro mergulhou no isolamento social que, aos poucos, começa a fazer a transição para antiga normalidade. 

Só nas últimas 24 horas, as autoridades sanitárias identificaram 54 novos casos, todos eles importados, diagnosticados em estrangeiros. Desde quarta-feira que a entrada de cidadãos sem passaporte chinês está suspensa. Mesmo as pessoas que possuem visto de negócios ou de estudo, ou autorização de residência por motivos de trabalho ou de reunião familiar estão impedidas de entrar no país que lida com o vírus desde dezembro. 

O número de casos diagnosticados na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, desde o início da pandemia, é de 81.394, incluindo 74.971 que tiveram alta e 3.295 mortos.

Desde o início do surto, em dezembro passado, 699.396 pessoas estiveram sob vigilância médica por serem contactos próximos de infetados, incluindo 17.198 ainda sob observação, de acordo com dados oficiais.

No passado dia 12, o Governo chinês declarou que o pico das transmissões terminou no país, embora tenha lançado medidas adicionais para evitar novos surtos, face ao aumento de casos importados.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500.

Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 318 mil infetados e mais de 18 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 9.134 mortos em 86.498 casos registados até sexta-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 4.858, entre 64.059 casos de infeção confirmados, enquanto os Estados Unidos são desde quinta-feira o que tem maior número de infetados (mais de 94 mil).

Os países mais afetados a seguir a Itália, Espanha e China são o Irão, com 2.378 mortes reportadas (32.332 casos), a França, com 1.995 mortes (32.964 casos), e os Estados Unidos, com 1.438 mortes.

Em Portugal conta 76 mortes, 4.268 infetados e 43 doentes recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A China só registou 47 novos casos oriundos do exterior
Para impedir uma segunda vaga de contágios no país, o Governo chinês impôs uma quarentena rigorosa de 14 dias a quem entrar na China. A partir de hoje, quem chegar a Pequim vindo do exterior será submetido a testes laboratoriais, além de ser colocado em quarentena.