Escolha as suas informações

China aprova patente para vacina contra a covid-19
Sociedade 2 min. 17.08.2020

China aprova patente para vacina contra a covid-19

China aprova patente para vacina contra a covid-19

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 17.08.2020

China aprova patente para vacina contra a covid-19

O Gabinete de Propriedade Intelectual do Estado Chinês aprovou a primeira patente de uma candidata a vacina contra a covid-19, que pode "ser produzida em massa num curto período de tempo", relata a imprensa local.

A vacina, na terceira fase de testes, desenvolvida pelo Instituto Científico Militar e pela empresa biofarmacêutica chinesa CanSino Biologics, começou a ser usada no final de junho no Exército chinês, depois de uma equipa liderada pelo pesquisador Chen Wei descobrir um anticorpo monoclonal neutralizante altamente eficiente.

Os resultados da segunda fase de testes clínicos da vacina mostraram que é segura e induz uma resposta imune contra o coronavírus, segundo uma investigação publicada no final de julho no The Lancet.

De acordo com a patente, a vacina mostrou uma "boa resposta imunológica em ratos e roedores, podendo induzir o organismo a produzir uma forte resposta imunitária celular e humoral em pouco tempo", noticiou o jornal cantonês Southern Metropolis.

Por outro lado, "pode ser produzida em massa num curto período de tempo" e é "rápida e fácil de preparar". A segurança e eficácia devem ser comprovadas na fase três, que se vai realizar fora do país, segundo o mesmo jornal.


Covid-19.Comissão Europeia fecha acordo para compra de uma vacina
Apesar de não ter feito a fase três dos testes, não colocou, pelos vistos, os mesmos problemas a Bruxelas que a vacina russa.

Por outro lado, especialistas citados pelo jornal Global Times indicaram que a concessão da patente demonstra a "originalidade e criatividade" da vacina, e que "é provável que a CanSino também solicite uma patente junto de autoridades estrangeiras para proteger os direitos de propriedade intelectual durante a cooperação internacional".

Na investigação publicada em julho no The Lancet indicou-se que mais de 500 pessoas foram testadas após os primeiros testes publicados em maio, também com resultados positivos. Contudo, reconhece-se que serão necessários mais testes em humanos na terceira fase para confirmar se esta candidata a vacina protege efetivamente contra a infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2.

Os autores enfatizaram igualmente que nenhum participante nos estudos de fase dois foi exposto ao vírus após a vacinação. No total, a segunda fase de testes da candidata a vacina, que usa um vírus enfraquecido da constipação comum (o adenovírus tipo 5, Ad5-nCoV), envolveu 508 participantes.


"Sputnik V". Os países interessados na vacina russa
A Rússia anunciou na terça-feira ter descoberto a primeira vacina contra a covid-19, apesar dos especialistas da OMS recomendarem cautela nos avanços russos. Entretanto, várias nações já demonstraram interesse na poção russa.

A CanSino Biologics desenvolveu com a Academia Militar de Ciências da China uma vacina contra o vírus Ebola que obteve licença provisória em 2017. A empresa foi fundada em 2009 na cidade de Tianjin, no nordeste do país, e tem como foco principal o desenvolvimento e a produção de vacinas.

Normalmente, o período para uma vacina estar disponível para uso em massa é de pelo menos 12 a 18 meses, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), embora a China tenha acelerado os processos devido à emergência de saúde global, e tem permitido que alguns estudos em várias fases sejam realizados ao mesmo tempo.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. China está a usar vacina desde julho
A China autorizou o uso de potenciais vacinas para a covid-19 em funcionários hospitalares, para "casos de emergência", desde 22 de julho passado, revelou hoje um alto responsável da Comissão de Saúde do país.
"Sputnik V". Os países interessados na vacina russa
A Rússia anunciou na terça-feira ter descoberto a primeira vacina contra a covid-19, apesar dos especialistas da OMS recomendarem cautela nos avanços russos. Entretanto, várias nações já demonstraram interesse na poção russa.
Cientistas chineses testam vacina contra a sida em seres humanos
A vacina, designada ADN / rTV, consiste no replicar do ADN de uma parte do vírus, para estimular uma "imunização efetiva" contra este, explicou Shao Yiming, um dos pesquisadores do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças, citado pelo jornal oficial em língua inglesa China Daily.