Escolha as suas informações

Centro europeu recomenda rastreio para varíola dos macacos
Sociedade 2 min. 23.05.2022
Monkeypox

Centro europeu recomenda rastreio para varíola dos macacos

Monkeypox

Centro europeu recomenda rastreio para varíola dos macacos

Foto: Marc Wilwert/Luxemburger Wort
Sociedade 2 min. 23.05.2022
Monkeypox

Centro europeu recomenda rastreio para varíola dos macacos

Lusa
Lusa
O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) recomendou hoje aos países que atualizem os meios de rastreio e diagnóstico para o vírus Monkeypox, quando já existem 67 casos em nove Estados-membros da União Europeia (UE).

Num relatório de avaliação de riscos, hoje divulgado, o ECDC pede aos países da UE e do Espaço Económico Europeu que “se concentrem na rápida identificação, gestão, localização de contactos e notificação de novos casos de Monkeypox”.

“Os países devem também atualizar os seus mecanismos de rastreio de contactos, a capacidade de diagnóstico […] e rever a disponibilidade de vacinas contra a varíola, antivirais e equipamento de proteção pessoal para profissionais de saúde”, acrescenta.

Dados do ECDC revelam que, entre 15 e 23 de maio, foram comunicados 67 casos de Monkeypox em nove Estados-membros da UE, entre os quais Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia.


Portugal é o primeiro país a sequenciar o genoma do vírus Monkeypox
Segundo o INSA, a sequenciação genética do vírus, endémico na África Ocidental e Central, "poderá ser fundamental para compreender a origem do surto e as causas para a rápida disseminação da doença", que é rara.

Explicando que a “transmissão pode ocorrer através de contacto próximo de mucosa ou pele não intacta com material infeccioso das lesões ou através de grandes gotículas respiratórias durante o contacto prolongado face a face”, o centro europeu admite também risco de transmissão sexual.

Citada pela nota, a diretora do ECDC aponta “maior propagação do vírus através de contacto próximo”, embora frise que “a maioria dos casos atuais apresentem sintomas ligeiros de doença e, para a população em geral, a probabilidade de propagação é muito baixa”.

Já a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, admite “preocupação com o aumento do número de casos notificados de Monkeypox na UE e a nível global”, pedindo que os países “permaneçam vigilantes”.

Em Portugal, o número de casos confirmados de Monkeypox subiu para 37 e estão distribuídos pelas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Algarve, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS), adiantando que os doentes estão “estáveis e em ambulatório”.

A DGS indica, em comunicado, que foram confirmados mais 14 casos de infeção humana por vírus Monkeypox pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, o que fez aumentar para 37 o número total de casos confirmados até ao momento em Portugal.

Segundo a DGS, estão em curso os inquéritos epidemiológicos dos casos suspeitos que vão sendo detetados, com o objetivo de identificar cadeias de transmissão e potenciais novos casos e respetivos contactos.


As erupções cutâneas são um dos sintomas desta doença viral.
OMS acredita que a transmissão do vírus Monkeypox pode ser interrompida na Europa
De acordo com Rosamund Lewis, especialista em varíola do programa de emergências da OMS, esta não é uma doença nova, uma vez que têm sido detetados casos de infeção pelo menos há 40 anos e que tem ainda “sido bem estudada na região africana”.

Relativamente à situação dos doentes, a DGS refere que se mantêm “em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis e em ambulatório”.

A DGS aconselha as pessoas que apresentem lesões ulcerativas, erupção cutânea, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço, a procurar aconselhamento médico.

A doença rara, que tem o nome do vírus, é endémica na África Ocidental e Central, mas menos perigosa que a varíola, erradicada do mundo há 40 anos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o recente surto de Monkeypox afeta 12 países, onde foram notificados 92 casos.

Estima-se que as infeções em pessoas que ocorreram fora de África estejam ligadas a viagens internacionais ou a animais importados.

O período de incubação (tempo desde a infeção até ao aparecimento dos sintomas) do vírus Monkeypox é geralmente de sete a 14 dias.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas