Escolha as suas informações

Centro Europeu de Doenças prevê maioria de cidadãos da UE imunes na primavera
Sociedade 2 min. 26.01.2022
ECDC

Centro Europeu de Doenças prevê maioria de cidadãos da UE imunes na primavera

ECDC

Centro Europeu de Doenças prevê maioria de cidadãos da UE imunes na primavera

Foto: Loic Venance/AFP
Sociedade 2 min. 26.01.2022
ECDC

Centro Europeu de Doenças prevê maioria de cidadãos da UE imunes na primavera

Lusa
Lusa
As estimativas do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças estão em linha com as já partilhadas pela OMS no início da semana.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) estima que a maioria dos cidadãos europeus tenha imunidade por infeção ou vacinação anticovid-19 até à primavera ou verão, admitindo consequentes baixas taxas de transmissão e passagem para endemia.

"Concordamos que é provável que, nesta primavera ou verão, a maioria dos cidadãos da União Europeia tenha sido previamente infetada com SARS-CoV-2, previamente vacinada ou ambos, e isto pode levar a baixas taxas de transmissão nos próximos meses", avança o ECDC em resposta escrita à agência Lusa.

Dias depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter afirmado que a variante de preocupação altamente contagiosa Omicron pode infetar 60% dos europeus até março, iniciando uma nova fase da pandemia na Europa que a pode aproximar do seu fim, o ECDC diz à Lusa partilhar desta opinião.


Daqui a dois meses podemos chegar ao fim da pandemia? Podemos, diz OMS
A atual vaga da Omicron na Europa pode conduzir ao final da pandemia, depois de março. O diretor da OMS Europa explica porquê, mas continua a apelar à vacinação e à prudência.

Ainda assim, a agência europeia alerta que "o termo endémico [fase seguinte esperada da covid-19 na Europa] implica uma certa estabilidade e previsibilidade da transmissão da doença, mas isto não impede a ocorrência de surtos ou epidemias que exigiriam medidas de controlo".

"Ainda é incerto se a Omicron significará uma fase mais estável e previsível da covid-19 e, nesta fase, é mais importante nos concentramos em como nos adaptar à situação em mudança e mantermo-nos preparado para os próximos passos", salienta o ECDC.

A posição surge numa altura de elevado ressurgimento de casos de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, que não se traduz para já em elevadas taxas de internamento ou de morte. A contribuir para o elevado número de casos, que batem máximos, está a elevada transmissibilidade da variante Omicron do SARS-CoV-2.

No passado domingo, o diretor da OMS Europa, Hans Kluge, afirmou que a variante Omicron, que pode infetar 60% dos europeus até março, iniciou uma nova fase da pandemia de covid-19 na Europa que a pode aproximar do seu fim.


Copenhaga
Dinamarca quer acabar com todas as restrições sanitárias em fevereiro
Deverão manter-se apenas restrições para quem chega de certos países.

Na União Europeia e no Espaço Económico Europeu, a Omicron surgiu no final de novembro passado, revelando-se mais contagiosa do que a Delta, a estirpe anterior, e sendo agora dominante.

"Provas de uma variedade de cenários indicam que as infeções com Ómicron têm uma apresentação clínica menos grave e um risco de hospitalização menor do que as variantes anteriores em circulação e isto está provavelmente relacionado tanto com a vacinação, que proporciona proteção contra doenças graves, como possivelmente características intrínsecas do vírus que levam a doenças mais brandas", explica o ECDC na resposta agora enviada à Lusa.

A covid-19 provocou 5.602.767 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas