Escolha as suas informações

Casos de eutanásia aumentam no Luxemburgo
Sociedade 30.03.2021 Do nosso arquivo online
Morte assistida

Casos de eutanásia aumentam no Luxemburgo

Morte assistida

Casos de eutanásia aumentam no Luxemburgo

Foto: Shutterstock
Sociedade 30.03.2021 Do nosso arquivo online
Morte assistida

Casos de eutanásia aumentam no Luxemburgo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Cerca de 40 pessoas recorreram à eutanásia no Luxemburgo, entre 2019 e 2020. Registaram-se 25 casos no ano passado e 16, no ano anterior.

Trata-se de um número duas vezes superior ao dos dois anos precedentes, uma vez que oito pessoas pediram a morte medicamente assistida e em 2017, foram 11.

Os dados são da Comissão Nacional de Controlo e Avaliação da aplicação da lei relativa à eutanásia que entregou esta segunda-feira o seu relatório ao Parlamento.


Reforma aprovada. Eutanásia deixa de ser suicídio
Com a nova lei, a eutanásia passa a ser considerada como "morte natural".

Dez anos após a entrada em vigor da lei relativa à eutanásia, a comissão parlamentar da Saúde explica o aumento de casos com uma melhor aceitação da lei. 

De facto, um inquérito realizado em 2019 pelo instituto de sondagens TNS/ILRES concluiu que 85% dos residentes do Grão-Ducado são favoráveis à eutanásia. A mesma sondagem dava também conta de falta de informação sobre a eutanásia.

Nos dois últimos anos, a maioria dos pacientes que recorreu à morte assistida sofria de cancro ou de doenças degenerativas, sendo que a idade média dos pacientes situa-se entre 60 e 79 anos.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O advogado Jean-Jacques Schonckert é o presidente da associação pelo direito a morrer com dignidade, rebatizada “A minha vontade, o meu caminho” (“Mäi Wëllen, Mäi Wee”, em luxemburguês). Nove anos depois da despenalização da eutanásia, a associação denuncia barreiras para quem escolhe esta via.
Fussball: Jean-Jacques Schonckert
Portugal chumbou ontem quatro propostas para despenalizar a eutanásia, após um debate aceso que dividiu o Parlamento e o país. O Luxemburgo é um dos poucos países que legalizaram a morte assistida, em 2009, mas continua a haver muitas reticências em praticá-la. Há quem não consiga encontrar um médico e tenha de ir à Bélgica, país com uma lei da eutanásia que serviu de modelo ao Luxemburgo, ou mesmo à Holanda e à Suíça.