Escolha as suas informações

CASA celebra 35 anos de existência
Sociedade 7 3 min. 13.04.2015 Do nosso arquivo online
Cidade do Luxemburgo

CASA celebra 35 anos de existência

Sociedade 7 3 min. 13.04.2015 Do nosso arquivo online
Cidade do Luxemburgo

CASA celebra 35 anos de existência

O centro de Apoio Social e Associativo (CASA) celebrou na sexta-feira 35 anos de existência. As comemorações tiveram lugar na sede da associação e contaram com a presença de diversas entidades luxemburguesas e portuguesas. Veja as fotos.

O centro de Apoio Social e Associativo (CASA) celebrou na sexta-feira 35 anos de existência. As comemorações tiveram lugar na sede da associação (montée de Clausen, na cidade do Luxemburgo) e contaram com a presença de diversas entidades luxemburguesas e portuguesas "com as quais o CASA tem vindo a trabalhar durante estes 35 anos de existência". 

José Trindade, fundador e presidente da associação desde a sua criação em 1980, explicou no seu discurso a importância da união entre as diferentes instituições, portuguesas e luxemburguesas, na luta pela integração e melhoria de condições de vida dos portugueses que escolhem o Luxemburgo para viver.

Ao CONTACTO, José Trindade confessou que "o CASA sofreu momentos de alguma instabilidade" que conseguiu ultrapassar e chegar aos 35 anos de existência. "O CASA tem vindo a estreitar cada vez mais os laços com as instituições com vista a atenuar as dificuldades que os portugueses e a comunidade imigrante em geral sofrem na luta pela integração", continuou.

"Agora mais do que nunca é preciso que organizações não-governamentais e entidades governamentais dêem as mãos para chegar a um consenso na luta pela melhoria das condições de vida dos imigrantes no Luxemburgo", disse ainda o dirigente associativo, explicando que "o CASA tem vindo ao longo dos anos a chamar a atenção para o facto de haver imigrantes em situações de extrema necessidade".

Quanto aos dados de portugueses a viver na pobreza, o dirigente associativo disse que há "mais de 20 mil portugueses a viver no limiar da pobreza", números que o CONTACTO não conseguiu confirmar. Recorde-se que há menos de um ano, em Agosto de 2014, o presidente do CASA indicava que havia "dez mil portugueses em situação de pobreza".

O secretário de Estado José Cesário, acompanhado pelo deputado do PS eleito pelo círculo da emigração Paulo Pisco, deslocou-se ao Luxemburgo "especialmente para poder estar presente neste momento". No seu discurso, José Cesário confessou estar reconhecido ao CASA pelo excelente trabalho que tem feito em prol dos portugueses que chegam ao Luxemburgo, mas mostrou-se também "reconhecido às instituições luxemburguesas que ao longo de todos estes anos, sob liderança de diferentes governos, têm mantido o apoio e os braços abertos aos portugueses".

Cesário aproveitou ainda para avançar que o protocolo que visa o apoio financeiro para a promoção de formações profissionais levado a cabo pela Confederação da Comunidade Portuguesa do Luxemburgo (CCPL), CASA e Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) será renovado por mais um ano.

Patrick Goldschmidt, vereador da cidade do Luxemburgo, felicitou José Trindade pelos 35 anos de liderança do CASA e explicou a importância do papel das associações em facilitar a integração dos imigrantes no seio da comunidade luxemburguesa.

“É muito importante aquilo que fazem as associações como o CASA, que nos ajudam, entre outras coisas, a evitar a sobrecarga de trabalho do Biergercenter para procurar informações”, explicou.

Durante a celebração, Trindade homenageou personalidades portuguesas e luxemburguesas que ao longo dos últimos 35 anos têm colaborado com o CASA nos domínios sociais e da integração. Os antigos membros da associação receberam também uma lembrança.

Entre os presentes no evento, destaque para as representações dos Ministérios da Educação e da Integração, da autarquia da cidade do Luxemburgo, e as presenças do embaixador e o cônsul de Portugal no Luxemburgo, Carlos Pereira Marques e Rui Monteiro.

Fizeram-se ainda representar a Santa casa de Misericórdia de Oliveira de Frades, diferentes órgãos de comunicação social e associações.

Após os discursos, a cerimónia contou ainda com um desfile de grupos folclóricos no parque do Plateau de Münster e a degustação da gastronomia portuguesa.

Aleida Vieira


Notícias relacionadas

A pandemia trouxe o desemprego e o desespero de não ter dinheiro para alimentar os filhos. Nunca houve tantos casos, entre eles famílias que sempre “viveram decentemente” no país. O testemunho de quem teve de regressar a Portugal e o relato de quem está no terreno a ajudar estes imigrantes.
O historiador luxemburguês Thierry Hinger passou quatro anos a vasculhar os arquivos das associações portuguesas no Luxemburgo e do Instituto Diplomático, em Lisboa, para escrever a tese de doutoramento. Um estudo que documenta a história das associações portuguesas no Luxemburgo e as políticas de emigração após a revolução de 1974.
O historiador luxemburguês Thierry Hinger assina uma tese sobre as políticas de emigração e as associações portuguesas no Luxemburgo.