Escolha as suas informações

Cambridge Analytica. Mark Zuckerberg processado por violar defesa do consumidor
Sociedade 23.05.2022
Proteção de dados

Cambridge Analytica. Mark Zuckerberg processado por violar defesa do consumidor

Mark Zuckerberg, cofundador do Facebook.
Proteção de dados

Cambridge Analytica. Mark Zuckerberg processado por violar defesa do consumidor

Mark Zuckerberg, cofundador do Facebook.
Foto: AFP
Sociedade 23.05.2022
Proteção de dados

Cambridge Analytica. Mark Zuckerberg processado por violar defesa do consumidor

Lusa
Lusa
É a segunda tentativa de incluir o cofundador da rede social nos processos relacionados com a Cambridge Analytica, que terá usado informação recolhida pelo Facebook para desenvolver ‘software’ usado para orientar o voto dos eleitores norte-americanos a favor de Donald Trump durante as eleições.

Mark Zuckerberg, cofundador do Facebook, foi processado hoje pelo procurador de Washington, Karl Racine, por fraude e violação de leis de defesa do consumidor, no âmbito do caso Cambridge Analytica, empresa que usou indevidamente dados recolhidos pela plataforma.

Esta é uma segunda tentativa de incluir o cofundador da rede social nos processos relacionados com a Cambridge Analytica, que terá usado informação recolhida pelo Facebook para desenvolver ‘software’ usado para orientar o voto dos eleitores norte-americanos a favor de Donald Trump durante a campanha para as eleições presidenciais de 2016.

Em março, um juiz do Tribunal Superior do distrito de Columbia, jurisdição da capital norte-americana, Washington, recusou-se a permitir que a acusação chamasse Mark Zuckerberg como testemunha no processo iniciado em 2018 e que visa o Facebook.

Em causa estão dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook

A Cambridge Analytica é acusada de ter acedido e explorado, sem o consentimento destes, os dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook, aos quais a plataforma lhe deu acesso.

Mark Zuckerbeg, argumentou o procurador, Karl Racine, no documento de intimação, "estava ciente do compromisso", que envolvia lidar com os dados pessoais dos utilizadores do Facebook, para aumentar os lucros da empresa.

Foi "diretamente responsável pelo laxismo do Facebook na aplicação dos seus regulamentos", disse Racine.

Como presidente executivo, Mark Zuckerberg "tinha autoridade para controlar as práticas enganosas e a deturpação" do seu funcionamento aos consumidores em Washington, de acordo com a acusação.

Em julho de 2019, as autoridades federais multaram o Facebook em cinco mil milhões de dólares por "enganarem" os seus utilizadores e impuseram controlo independente sobre o tratamento de dados pessoais.

Desde que o escândalo da Cambridge Analytica irrompeu, a plataforma removeu o acesso aos seus dados de milhares de aplicações suspeitas de abuso, restringiu a quantidade de informação disponível e facilitou aos utilizadores a escolha das restrições na partilha de dados pessoais.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica. No Luxemburgo, o desvio de dados pessoais de utilizadores do Facebook poderá ter afetado 2.645 pessoas. Em Portugal foram cerca de 63 mil.
(FILES) In this file photo taken on March 22, 2018 a cellphone and a computer screen display the logo of the social networking site Facebook in Asuncion.
Up to 2.7 million people in the European Union may have been affected by the Facebook personal data scandal, the bloc announced April 6, saying they would demand further answers from the social media giant. / AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE
O Facebook vai lançar, nas próximas semanas, medidas para dar mais privacidade aos utilizadores, afirmando que "percebeu claramente" que as ferramentas disponíveis "são difíceis" de encontrar e que "tem de fazer mais" para informar os utilizadores da rede social.
Um grupo de 25.000 utilizadores que acusa o Facebook de uso ilegal dos seus dados pessoais interpôs hoje uma ação coletiva contra a rede social no tribunal civil de Viena, que deverá agora pronunciar-se sobre a respetiva admissibilidade.