Escolha as suas informações

Bruxelas anuncia suspensão "inédita" de regras de disciplina orçamental
Sociedade 20.03.2020 Do nosso arquivo online

Bruxelas anuncia suspensão "inédita" de regras de disciplina orçamental

Bruxelas anuncia suspensão "inédita" de regras de disciplina orçamental

Etienne Ansotte/European Commiss
Sociedade 20.03.2020 Do nosso arquivo online

Bruxelas anuncia suspensão "inédita" de regras de disciplina orçamental

Lusa
Lusa
A Comissão Europeia anunciou hoje uma suspensão "inédita" das regras de disciplina orçamental impostas aos países da União Europeia (UE) para permitir que os Estados-membros "estimulem o quanto quiserem" as suas economias, numa altura de crise devido à covid-19.

"Hoje - e isto é inédito e nunca foi feito - acionamos a cláusula geral de salvaguarda, o que significa que os Governos nacionais podem estimular a economia o quanto quiserem. Estamos a relaxar as regras orçamentais para os permitir fazê-lo", anunciou a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, num vídeo publicado na rede social Twitter.

Sem dar mais informações sobre esta medida, a responsável observa na mensagem que o surto do novo coronavírus "tem um impacto dramático na economia e atinge grande parte dos setores" da UE.

"A suspensão da nossa vida pública é necessária para conter o vírus, mas também abranda severamente a nossa economia", aponta.

Há uma semana, a Comissão Europeia já tinha admitido que, no caso de uma "severa desaceleração da economia" na zona euro e UE, devido aos impactos da covid-19, iria suspender os ajustamentos orçamentais recomendados aos Estados-membros.

Na mensagem hoje publicada, Ursula von der Leyen aproveita ainda para "saudar a ação decisiva anunciada pelo Banco Central Europeu [BCE] esta semana", após este organismo ter anunciado na quarta-feira à noite um novo programa de compra de dívida no valor de 750.000 milhões de euros para aliviar a situação no mercado da dívida e o impacto económico do surto de covid-19.

"Isto cria a potência que precisamos na UE para apoiar a economia", afirmou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas