Escolha as suas informações

Brasil identifica uma nova estirpe do coronavírus mais contagiosa
Sociedade 3 min. 13.03.2021 Do nosso arquivo online

Brasil identifica uma nova estirpe do coronavírus mais contagiosa

Brasil identifica uma nova estirpe do coronavírus mais contagiosa

Foto: Britta Pedersen/dpa-Zentralbild
Sociedade 3 min. 13.03.2021 Do nosso arquivo online

Brasil identifica uma nova estirpe do coronavírus mais contagiosa

Lusa
Lusa
Investigadores brasileiros identificaram uma nova mutação do coronavírus SARS-CoV-2 que circula em diferentes regiões do país há semanas e que, assim como a estirpe P.1 detetada no Amazonas, também é mais contagiosa.

A nova estirpe foi identificada após investigadores de cinco diferentes centros científicos e universitários do país terem realizado a sequência genética de 195 amostras do vírus recolhidas em 39 municípios do Brasil.

As análises genéticas identificaram em três das amostras uma nova variante da covid-19, com uma mutação que já foi associada a um maior contágio, informou em comunicado o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia e que coordenou o estudo.


Luxemburgo. 65,5% das infeções covid já são causadas pela variante inglesa
Os casos de infeção por esta variante descoberta no Reino Unido e pela estirpe sul-africana (16%) estão a aumentar no país. De 22 a 28 fevereiro foi também registado um caso de variante brasileira.

Segundo o centro científico, os resultados das análises foram depositados na quinta-feira em diferentes bases de dados públicas internacionais e submetidos, no mesmo dia, à aprovação de uma revista científica internacional para a publicação do respetivo artigo de identificação da nova estirpe, assinado por 22 investigadores brasileiros.

De acordo com o estudo, a nova variante do vírus Sars-CoV-2 possui a mutação E484K na sua proteína S, presente em outras estirpes e que já foi associada a uma maior capacidade de transmissão. Trata-se da mesma mutação identificada nas variantes detetadas no Brasil e no Reino Unido.

Os investigadores concluíram que a nova variante circula no Brasil, pelo menos, desde agosto do ano passado e que já se propagou por quatro das cinco regiões do país.

Essa estirpe tem uma linhagem diferente da P.1 (variante detetada no Amazonas), que tem gerado preocupação mundial, e à qual tem sido atribuído o agravamento da pandemia no Brasil e que tem levado vários países a suspenderem voos provenientes de território brasileiro.

Até agora, os cientistas não estabeleceram se a nova variante é capaz de resistir a anticorpos já gerados por pessoas que contraíram o novo coronavírus ou que já foram vacinadas.

As amostras utilizadas no estudo foram recolhidas de pessoas que testaram positivo para a covid-19 entre 01 de dezembro de 2020 e 15 de fevereiro de 2021, e que tinham entre 11 e 90 anos.

A análise dos genomas permitiu reconstruir as rotas de transmissão das diferentes variantes no país, identificar desde quando a P.1 está em circulação, e descobrir que outra variante inicialmente identificada no Rio de Janeiro (P.2) foi apresentando algumas diversificações à medida que se espalhou por outras regiões.

"A sequência genética de três das amostras permitiu-nos identificar uma possível nova variante do SARS-CoV-2, proveniente da linhagem B.1.1.33 que circula no Brasil desde o início de 2020. Essa nova linhagem contém a mutação E484K na proteína S, que já foi associada à evasão imunológica e que, portanto, pode ter implicações para o planeamento de novas estratégias de controlo da pandemia", aponta o comunicado.

O laboratório acrescentou que decidiu antecipar os resultados do estudo antes da sua publicação em revista especializada, e da sua revisão por outros cientistas, devido à propagação de novas variantes da covid-19 que torna necessária a formulação de outras estratégias de combate à pandemia.

"Além disso, é clara a necessidade crescente de uma vigilância genética eficaz para identificar, antecipadamente, potenciais mutações virais e, assim, auxiliar no aprimoramento das vacinas atuais", acrescenta a nota.

As autoridades sanitárias brasileiras atribuem à circulação de novas variantes o agravamento da pandemia no país, num momento em que em grande parte do mundo a situação tende a estabilizar-se.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes, concentra 272.889 mortes e 11.277.717 casos de infeção, sendo um dos três países mais afetados pelo novo coronavírus em todo o mundo. A média de mortes subiu na quinta-feira para 1.703 diárias e a de infeções para 69.141, valores recordes desde o início da pandemia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas