Escolha as suas informações

Boris Johnson pede desculpa por festa durante confinamento
Sociedade 12.01.2022
Reino Unido

Boris Johnson pede desculpa por festa durante confinamento

Reino Unido

Boris Johnson pede desculpa por festa durante confinamento

Jack Hill/The Times/PA Wire/dpa
Sociedade 12.01.2022
Reino Unido

Boris Johnson pede desculpa por festa durante confinamento

Redação
Redação
O primeiro-ministro admitiu no Parlamento que pensou que a confraternização com dezenas de funcionários de Downing Street era "uma reunião de trabalho" e que "deveria ter mandado todos para dentro".

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, assumiu a responsabilidade e desculpou-se por uma festa que se realizou no jardim na sua residência oficial durante o primeiro confinamento, em maio de 2020. 

"Quero pedir desculpas. Sei que milhões de pessoas fizeram sacrifícios extraordinários durante esse período", afirmou Johnson, no debate semanal do Parlamento. O primeiro-ministro admitiu que percebe a indignação que lhe é direcionada  - a si e ao Governo. "Sei a raiva que sentem contra mim o o governo que lidero quando penso que as regras não estavam a ser seguidas corretamente em Downing Street."

O chefe do executivo britânico explicou que considerava que a festa, onde dezenas de funcionários foram convidados a reunir-se no jardim e "a trazer a sua própria bebida", era um encontro de trabalho, mas reconheceu que "devia ter mandado todos para dentro". 

A oposição apressou-se a pedir a demissão de Johnson, mas este afirmou que não vai tomar qualquer decisão antes de conhecer as conclusões do inquérito que está em curso.

O líder da oposição, o trabalhista Keir Starmer, não pareceu tocado pela iniciativa de Johson e disse que o pedido de desculpas era "ridículo e ofensivo", considerando- o "um homem sem vergonha".  


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A indignação causada pelas alegadas "festas" no Governo britânico que violaram as restrições da pandemia covid-19, escândalo conhecido por 'Partygate', aumentou a probabilidade de o primeiro-ministro, Boris Johnson, ser forçado a sair.