Escolha as suas informações

Autoridades atentas ao risco de aumento da violência doméstica durante recolher obrigatório
Sociedade 10.11.2020

Autoridades atentas ao risco de aumento da violência doméstica durante recolher obrigatório

Autoridades atentas ao risco de aumento da violência doméstica durante recolher obrigatório

Foto: Licence CC
Sociedade 10.11.2020

Autoridades atentas ao risco de aumento da violência doméstica durante recolher obrigatório

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Agentes da polícia vão continuar a intervir para ajudar as vítimas e retirar o agressor de casa durante o recolher obrigatório

Com o risco de aumento de casos de violência doméstica durante a crise pandémica, a ministra da Igualdade entre Mulheres e Homens, Taina Bofferding, anunciou esta terça-feira em comunicado a manutenção das medidas de apoio e de atendimento às vítimas e aos agressores de violência.

Este ministério fortaleceu, desde o início da crise sanitária, a sua colaboração com as instituições policiais e judiciárias, e com outras organizações, visando evitar um aumento substancial da violência doméstica no país.

Agora, com as novas medidas adotadas pelo Governo, como as limitações de ajuntamentos ou o recolher obrigatório, Taina Bofferding reforça a importância da vigilância geral para enfrentar o risco de uma escalada de conflitos familiares e de violência doméstica.


Quando as mulheres fazem justiça na internet contra agressores
Jovens de quem partilharam imagens íntimas sem sua autorização, lançam campanha contra redes de partilhas compostas por centenas de homens. Conheça a história da sua luta e da página "Não Partilhes".

Para isso, os agentes da polícia vão continuar a intervir para ajudar as vítimas e retirar o agressor de casa durante o recolher obrigatório.

Além da atuação das autoridades, o sistema de gestão de crises do ministério prevê a monitorização semanal da evolução da violência doméstica, o desenvolvimento do site de informações violence.lu e a implementação de uma linha de apoio para mulheres e homens vítimas deste fenómeno. 

"Nestes tempos de crise, reitero que ninguém deve sofrer violência doméstica. Todas as formas de violência continuam reprimidas por lei e as disposições legais não são suspensas pelas medidas de sanitárias. Em caso de violência, as pessoas podem libertar-se do parceiro violento a qualquer momento. Há ajuda", disse Taina Bofferding. 

Em caso de emergência, as vítimas podem contactar a polícia através do número 113. A linha de apoio 2060 1060 está disponível para aconselhamentos sete dias por semana, das 12 às 20 horas. O site www.violence.lu contém uma lista de contactos e conselhos práticos para obter ajuda ou apoiar pessoas vítimas de violência.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas