Escolha as suas informações

“As pandemias serão mais frequentes e poderão matar mais pessoas do que a covid-19”
Sociedade 10 min. 04.12.2020

“As pandemias serão mais frequentes e poderão matar mais pessoas do que a covid-19”

A investigadora Isabel Sousa Pinto integra a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistémicos (IPBES) da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU).

“As pandemias serão mais frequentes e poderão matar mais pessoas do que a covid-19”

A investigadora Isabel Sousa Pinto integra a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistémicos (IPBES) da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU).
Foto: DR
Sociedade 10 min. 04.12.2020

“As pandemias serão mais frequentes e poderão matar mais pessoas do que a covid-19”

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O mundo atravessa uma “era de pandemias” e a culpa é do ser humano, alerta um novo relatório da ONU. A investigadora Isabel Sousa Pinto, do comité científico deste documento do IPBES, explica ao Contacto como vão surgir mais doenças perigosas e o que é preciso fazer para as prevenir.

Não culpem os animais selvagens pela pandemia da covid-19, os responsáveis por esta doença que está a afetar o mundo inteiro, com trágicas consequências, são mesmo os seres humanos. Preto no branco, é isto mesmo que 22 cientistas internacionais em biodiversidade da Organização das Nações Unidas (ONU) escrevem num relatório agora divulgado sobre esta pandemia e as outras que virão a seguir, caso não se termine com a invasão de ecossistemas e destruição da biodiversidade.

O planeta está a atravessar uma “era pandémica”, em que as pandemias “serão mais frequentes, propagar-se-ão mais rapidamente, poderão matar mais pessoas e causar maiores danos à economia global”, do que a covid-19, avisa o documento sobre “biodiversidade e pandemias” da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistémicos (IPBES) da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU).

“É isto que vai acontecer se não se agir já, e não se adotarem estratégias globais de previsão e prevenção das pandemias. O perigo é real. Daqui a dois, três anos, pode aparecer outra pandemia como a que vivemos agora, ou pior ainda, as probabilidades são imensas”, alerta ao Contacto a investigadora portuguesa Isabel Sousa Pinto que integra a direção do comité científico deste relatório inédito resultante do workshop virtual urgente sobre a ‘Biodiversidade e as Pandemias’ realizado pelos 22 cientistas do IPBES, entre 27 e 31 de julho.

Há dados científicos a comprovar tais possibilidades e que constam no relatório: “Estimam-se que existam 1,7 milhões de vírus desconhecidos em mamíferos e pássaros, dos quais entre 631.000 a 827.000 têm capacidade de infetar humanos”.

“Há mais de cinco novas doenças desconhecidas, a surgir nas pessoas todos os anos, qualquer uma das quais com potencial para se espalhar e se transformar numa pandemia”, indica o relatório, apontando que nos “últimos cinquenta anos foram descobertos 400 novos microrganismos, dos quais 70% constituem um perigo” para a saúde pública global.

“A maioria (70%) das doenças emergentes (por exemplo, Ébola, Zika, Encefalite Nipah), e quase todas as pandemias conhecidas (por exemplo, gripe, VIH/SIDA, covid-19), são de origem zoonótica, isto é, são causadas por micróbios de origem animal. Estes micróbios espalham-se devido ao contacto entre a vida selvagem, os animais de quintas e as pessoas”, vinca o documento. E sublinha: “Os reservatórios mais importantes de agentes patogénicos com potencial pandémico são os mamíferos (em particular morcegos, roedores, primatas) e algumas aves (em particular aves aquáticas), bem como a pecuária (por exemplo, porcos, aves de capoeira), ou camelos”.

Maior contacto com animais selvagens

A culpa é do Homem. As doenças surgem devido à invasão e destruição humana dos ecossistemas e reservas de animais selvagens, do grande aumento do comércio e consumo de animais selvagens, permitindo um maior contacto dos humanos e da pecuária com os animais selvagens que são reservatórios de milhões de vírus patogénicos.


Como começaram as epidemias mais graves
Nos últimos 30 anos, tem crescido o número de surtos de vírus, proliferando assim as doenças que assolam todo o mundo. Entretanto, relatos históricos de pandemias vão além do século XX e já preocupam a humanidade há dois mil anos.

Através de novos contactos com animais há vírus que acabam por passar para as pessoas e depois podem passar de pessoa para pessoa como aconteceu com a covid-19. “Basta acontecer só uma vez, haver uma só passagem do micróbio do animal selvagem para uma pessoa e esta ficar infetada por um destes vírus que seja altamente contagioso, para se desencadearem epidemias e pandemias”, vinca a investigadora portuguesa que integra também a Delegação Portuguesa para a Convenção da Diversidade Biológica da ONU.

“A covid-19 é pelo menos, a sexta pandemia desde a Gripe Espanhola, de 1918, causada pela passagem dos agentes patogénicos existentes nos animais selvagens para os seres humanos. Só que a maioria das outras não foram tão graves porque os micróbios não se prestavam a isso, ou porque alguns deles são tão mortíferos que causam uma morte tão rápida das pessoas infetadas que se torna difícil a sua propagação, noutros casos conseguiu-se conter as pandemias”, recordou esta especialista em biodiversidade e diretora do Laboratório de Biodiversidade Costeira da Universidade do Porto.

“O vírus do Ébola, por exemplo, é muito mais mortífero do que o da covid-19, a pessoa infetada morre mais depressa, não havendo assim tempo suficiente para uma propagação ampla da doença”. O Ébola, a Sida, a SARS ou a Varicela do Macaco são doenças emergentes que passaram de animais selvagens, como morcegos, civetas ou chimpazés, para os humanos e se tornaram epidemias e pandemias. Também a pandemia da Gripe A nasceu do contacto entre humanos e animais, sendo primeiro transmitida pelos humanos aos animais e dos animais para as pessoas.

O risco do surgimento destas doenças com efeitos à escala global é cada vez maior devido, “ao maior contacto humano com os animais selvagens, à densidade populacional urbana e à mobilidade das pessoas, veja-se a facilidade com que cruzamos o mundo hoje em dia”, refere a investigadora. “Hoje temos as condições ideais de propagação destas doenças infeciosas no mundo”. A covid-19 parece ser a prova disso mesmo: o primeiro registo da passagem do SARS CoV-2 de um animal selvagem para os seres humanos, terá acontecido num mercado da cidade chinesa de Wuhan, com 11 milhões de habitantes, com grande mobilidade internacional e onde chegam também uns quantos milhões de viajantes.

Por tudo isto, nos últimos anos, os cientistas já temiam o aparecimento de uma pandemia assim tão devastadora.

“O processo dos microrganismos, como vírus ou bactérias, passarem dos animais para nós, não é novo, sempre aconteceu ao longo da história. O ser humano foi-se tornando imune a muitos destes organismos ao longo dos séculos e milénios, mas à custa de muitas vidas perdidas, tornando-se imune quem sobrevivia. Só que, hoje em dia, não aceitamos que o vírus mate à vontade até o ser humano ficar imune à doença”.

Isabel Sousa Pinto quer deixar claro que as conclusões chegadas no relatório não são alertas infundados: “Há que ter noção que, o que consta no relatório não é uma opinião nossa, é o resultado de cerca de quatro meses de trabalho imenso de muitos investigadores, um trabalho acurado, de procura de todas as informações possíveis nesta matéria, pelo menos as que temos acesso, e que envolve várias pessoas de vários setores e áreas, para se tentar ver tudo, analisar a informação toda e chegar a conclusões, e estas foram depois revistas de forma aberta por quem quis fazer comentários. Assim isto representa o estado atual do conhecimento, com factos e estudos comprovados”.

Ainda é possível evitar o pior

Uma das boas notícias deste documento exaustivo do IPBES, com 96 páginas, é que “ainda é possível escapar a esta era pandémica”.

Como? “Através de uma reação rápida e da prevenção das pandemias”, esclarecem estes cientistas. “Os impactos destas pandemias custam 100 vezes mais do que a sua prevenção”, garantem.

Hoje sabe-se como surgem as pandemias. “30% das doenças emergentes resultam da alteração do uso dos solos, através da desflorestação, da instalação dos seres humanos em habitat de vida selvagem, do crescimento da produção agrícola e pecuniária e da urbanização”, lê-se no relatório.

“As mudanças climáticas já não as podemos reverter, mas podemos ainda proteger a natureza e a biodiversidade, podemos ajudar à reconstrução de uma natureza saudável e preservar os raros ecossistemas e reservas de fauna selvagem que ainda existem contendo organismos desconhecidos e com micróbios potencialmente perigosos. Podemos implementar políticas globais para parar a desflorestação, travar o comércio ilegal de animais selvagens, e educar as populações para os perigos do consumo destes animais”, diz Isabel Sousa Pinto.

Além da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (Cites) também deviam ser implementadas políticas de regulamentação para o comércio das espécies que representam potenciais riscos para a saúde humana, considera Isabel Sousa Pinto. E dá como exemplo o caso das quintas na Dinamarca que fazem criação de martas (ou visons), “com enquadramento legal” e que reuniam no total entre 15 a 17 milhões destes animais que agora foram abatidos, depois de se descobrir que hospedavam uma nova variante do vírus da covid-19 ainda mais perigosa.

“Estamos a entrar em contacto com muitas espécies com perigos desconhecidos e de forma íntima, o que constitui um enorme risco para a saúde humana. Temos de adotar políticas para reduzir o contacto humano com estes animais selvagens”, adverte a investigadora. E dá o exemplo do continente asiático onde estes animais selvagens são caçados, vendidos e comercializados para consumo alimentar. Foi precisamente num dos mercados de venda destes animais para consumo alimentar em Wuhan, onde esta pandemia terá começado.

A cientista portuguesa explica que os nossos animais domésticos também são reservatórios de vírus, só que “como estão connosco há séculos estamos imunes a estes organismos”, mas tribos ou povos autóctones da Amazónia profunda podem não ser.

“Quando os europeus chegaram às Américas o que matou mais os autóctones foram as doenças que os forasteiros levaram. Os europeus já estavam imunes, mas os autóctones não, porque estas patologias nunca tinham existido naquelas zonas, e houve milhões de mortes, uma mortandade enorme entre esses povos. E hoje ainda há o perigo do mesmo acontecer, por exemplo, na Amazónia, com o desflorestamento e o desenraizamento das suas tribos”, disse.

Organismo para prevenção das pandemias

A criação de um organismo intergovernamental de prevenção das pandemias é outro das medidas apontados no relatório. Um organismo que possa fornecer informação científica sobre a emergência destas doenças, prever as áreas de alto risco, avaliar os impactos das potenciais pandemias ao nível da saúde humana e económicos, e ainda criar um mecanismo de monotorização das doenças.

“É necessária a criação de um organismo que possa implementar a abordagem ‘One Health’, que olhe para a saúde humana, saúde animal e biodiversidade de forma integrada. É importante que estas áreas até agora separadas trabalhem em conjunto pois estão interligadas”, frisa a investigadora salientando assim se poderá identificar mais rapidamente os agentes patogénicos capazes de desenvolver doenças, e conduzir ao desenvolvimento de vacinas e terapêuticas eficazes de prevenção.

Só depois da covid-19 ganhar a dimensão de pandemia, é que se uniram esforços para elaboração de vacinas para travar a doença que até agora já causou mais de um milhão de mortes, e que está a ter enormes impactos económicos globais”. O que prova que a “abordagem reativa” às pandemias “é inadequada”, vinca o relatório.

Mas a aposta tem de ser na prevenção das futuras pandemias. Para isso um dos principais mecanismos será conservação e restauro dos ecossistemas selvagens “em prol do bem-estar e da saúde humana, e ao mesmo tempo preservando a biodiversidade, para voltarmos a ter uma natureza saudável”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Como começaram as epidemias mais graves
Nos últimos 30 anos, tem crescido o número de surtos de vírus, proliferando assim as doenças que assolam todo o mundo. Entretanto, relatos históricos de pandemias vão além do século XX e já preocupam a humanidade há dois mil anos.
Dois cães, um gato e um tigre infetados com novo coronavírus
A identificação de vários animais infetados com o novo coronavírus mostra que outras espécies podem ser contaminadas pelo ser humano. Organização Mundial de Saúde Animal diz que não há "justificação para medidas em relação aos animais de estimação" mas recomenda que pessoas doentes evitem contaminar animais de estimação.
Da peste negra ao coronavírus, passando pela gripe espanhola
O governo chinês introduziu o uso de uma aplicação para telemóvel que indica a ficha de quarentena: verde para quem pode sair às ruas, amarelo para quem deve ficar isolado por uma semana e, vermelho, para as pessoas que têm de ficar duas semanas isoladas.
a