Escolha as suas informações

António Gamito. "O Luxemburgo continua a ser uma terra de emigração portuguesa"
Sociedade 3 min. 02.06.2021

António Gamito. "O Luxemburgo continua a ser uma terra de emigração portuguesa"

António Gamito. "O Luxemburgo continua a ser uma terra de emigração portuguesa"

Foto: Chris Karaba
Sociedade 3 min. 02.06.2021

António Gamito. "O Luxemburgo continua a ser uma terra de emigração portuguesa"

Marie DEDEBAN
Marie DEDEBAN
Antonio Gamito, embaixador português no Luxemburgo, acredita que, apesar de o Luxemburgo já não ser o "El dorado" para os portugueses à procura de melhor vida, o país continua a atrair pessoas.

Pela primeira vez desde a vaga de imigração na década de 1970, o número de residentes portugueses não cresceu desde 2017. 

Até se notou uma ligeira diminuição na comunidade portuguesa de acordo com os últimos dados Statec, No entanto, António Gamito, embaixador português, acredita que é preciso olhar para o fenómeno em perspetiva e que a pandemia teve um papel decisivo nos acontecimentos.

Desde 2017, o Luxemburgo perdeu cerca de 2.400 residentes portugueses de acordo com o Statec. Qual a sua explicação para esta perda? 
Para mim, este valor deve ser colocada em perspetiva. Em 2020, registámos 150.000 homens e mulheres no nosso registo consular. Para além dos 94.000 cidadãos portugueses registados pelo Statec, a um de janeiro de 2021, há 14.000 pessoas com dupla nacionalidade. E se o número de pessoas que vivem no Luxemburgo está a diminuir, isto não significa que se estejam a afastar completamente deste país, ou que prefiram regressar a Portugal. Muitos deles mudam-se para um dos países vizinhos, mas continuam a vir trabalhar todos os dias no Luxemburgo. Os residentes não desaparecem, tornam-se frequentemente fronteiriços. 

Mas porque se dá essa mudança? 
Vejo duas razões: por um lado, o preço da habitação e, por outro, o desemprego ligado à crise sanitária. No que diz respeito à habitação, este é um problema no qual o governo está a concentrar os seus esforços, tenho a certeza. Mas isto não diz respeito a todo o povo português. Alguns são engenheiros ou enfermeiros e podem pagar renda ou um empréstimo para uma habitação decente. Por outro lado, os trabalhadores com baixo rendimento têm muito mais dificuldade em fazer face às despesas. Isto aplica-se tanto aos portugueses como a outras minorias no Luxemburgo, tais como os polacos e os romenos. O governo deve continuar a procurar soluções para esta grande crise e os empregadores devem também aumentar os salários das profissões menos valorizadas. Em geral, os mais desfavorecidos, independentemente da sua nacionalidade, devem ser apoiados.

E quanto ao desemprego?
Obviamente que a pandemia de covid-19 desempenhou um papel importante. No Luxemburgo, muitos residentes portugueses encontraram-se parcialmente desempregados ou perderam os empregos. Mais uma vez, são os mais vulneráveis que sofreram com a crise. Confrontados com a impossibilidade de pagar a renda, alguns deles preferiram regressar a Portugal, onde beneficiam de uma ajuda talvez mais vantajosa, mas também de um ambiente familiar. Encontram apoio moral, que é muito importante, ao regressarem às suas famílias. E mesmo que nem sempre tenham encontrado um emprego, podem contar com a solidariedade, cultivar um jardim, trocar. Estas são condições que não encontraram necessariamente no Luxemburgo, ainda que a comunidade portuguesa seja muito unida. E não devemos esquecer os portugueses que não puderam partir. Acreditem, o Luxemburgo continua a ser uma terra de emigração portuguesa, tal como a Alemanha, França ou Suíça. Mesmo que já não seja um "El dorado", o país continua a atrair pessoas. Mas com a crise, muitos tiveram de desistir ou adiar a sua mudança. A comunidade portuguesa continua muito ligada ao Luxemburgo, especialmente a primeira geração, agora reformada. Para mim, é inconcebível imaginar o Luxemburgo sem nenhum residente português. 

Pode ler o artigo original na edição francesa do Wort.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A nova presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL) chama-se Elisabete Soares e chegou ao Luxemburgo há 24 anos. Foi candidata pelos socialistas nas últimas autárquicas, mas os votos não chegaram para ser eleita. Em 2015, zangou-se com o Luxemburgo por causa do referendo sobre o voto dos estrangeiros, mas já fez as pazes. E quer que os portugueses aumentem o seu peso político para mudar o que está mal nas políticas que os afetam.
Elisabete Soares é a nova presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo.