Escolha as suas informações

Amnistia Internacional acusa Israel de crime de 'apartheid' contra palestinianos
Sociedade 4 min. 03.02.2022 Do nosso arquivo online
Direitos Humanos

Amnistia Internacional acusa Israel de crime de 'apartheid' contra palestinianos

Direitos Humanos

Amnistia Internacional acusa Israel de crime de 'apartheid' contra palestinianos

AFP
Sociedade 4 min. 03.02.2022 Do nosso arquivo online
Direitos Humanos

Amnistia Internacional acusa Israel de crime de 'apartheid' contra palestinianos

Lusa
Lusa
O relatório de 182 páginas, documenta várias apreensões de terras e propriedades a palestinianos, assassinatos, expulsões forçadas, restrições drásticas da liberdade de circulação e negação de nacionalidade e cidadania.

A organização humanitária Amnistia Internacional defende, num relatório divulgado esta terça-feira, que as autoridades israelitas devem ser responsabilizadas por impor um sistema de ‘apartheid’ aos palestinianos e que este deve ser julgado como crime contra a humanidade.

O relatório refere que Israel impõe um sistema de opressão e dominação aos palestinianos, quer os que vivem em Israel e nos Territórios Palestinianos Ocupados (TPO), quer os que são refugiados noutros países.


Água não-potável de Gaza está a 'envenenar lentamente' os palestinianos
Pelo menos 97% da água de Gaza não é potável, de acordo com uma declaração conjunta emitida pelo Monitor dos Direitos Humanos do Euromediterrâneo e pelo Instituto Global da Água, Ambiente e Saúde (GIWEH).

O relatório de 182 páginas, apresentado em Jerusalém, documenta várias apreensões de terras e propriedades a palestinianos, assassinatos, expulsões forçadas, restrições drásticas da liberdade de circulação e negação de nacionalidade e cidadania, o que representa, segundo a Amnistia Internacional, um sistema que, em direito internacional, equivale ao um ‘apartheid’.

“Este sistema é mantido por violações que a Amnistia Internacional considera constituir crime de ‘apartheid’ contra a humanidade, conforme definido no Estatuto de Roma e na Convenção do ‘Apartheid’”, pelo que a organização “pede ao Tribunal Penal Internacional que considere o crime de ‘apartheid’ na sua atual investigação aos TPO”.

Além disso, a organização humanitária internacional apela a todos os Estados para que “levem à Justiça os perpetradores destes crimes”.

“O nosso relatório revela a verdadeira extensão do regime de ‘apartheid’ de Israel. Quer vivam em Gaza, Jerusalém Oriental, Hebron [Cisjordânia] ou mesmo em Israel, os palestinianos são tratados como um grupo racial inferior e sistematicamente privados dos seus direitos”, refere o relatório hoje apresentado.

“Consideramos que as políticas cruéis de Israel de segregação, expropriação e exclusão em todos os territórios sob o seu controlo equivalem claramente a 'apartheid'. A comunidade internacional tem a obrigação de agir”, afirmou a secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnès Callamard, na apresentação do documento.

“Não há justificação possível para um sistema construído à volta de uma opressão racista institucionalizada a milhões de pessoas. O ‘apartheid’ não tem lugar no nosso mundo e os Estados que optam por fazer concessões a Israel estão no lado errado da História”, sublinhou.

Face àquilo que considera crimes e violações do direito internacional e dos direitos humanos, a Amnistia Internacional pede especificamente ao Governo israelita que “desmantele o sistema de ‘apartheid’ e discriminação”, começando por pôr fim “à prática brutal de demolições de casas e despejos”.


Agência da ONU que ajuda palestinianos enfrenta grave crise orçamental e pede ajuda
“Continuamos a lutar, a correr atrás de dinheiro”, disse Philippe Lazzarini, comissário geral da agência das Nações Unidas de Assistência e Trabalhos para os Refugiados Palestinianos no Médio Oriente (UNRWA, sigla em inglês) a um grupo de jornalistas.

Para a organização, Israel deve conceder “direitos iguais a todos os palestinianos, quer em Israel quer nos TPO, em linha com os princípios dos direitos humanos internacionais, e deve reconhecer o direito dos refugiados palestinianos e dos seus descendentes a regressarem aos lares onde os próprios ou as suas famílias já viveram”.

Além disso, devem ser “dadas reparações plenas” às vítimas de violações de direitos humanos e crimes contra a humanidade.

A Amnistia Internacional sublinha ainda que os governos que continuam a fornecer armas a Israel e que não obrigam o país a prestar contas na ONU “estão a apoiar um sistema de ‘apartheid’, minando a ordem jurídica internacional e exacerbando o sofrimento do povo palestiniano”.

A escala e a gravidade das violações documentadas no relatório levam a Amnistia Internacional a pedir “uma mudança drástica na abordagem da comunidade internacional aos direitos humanos, em crise em Israel e nos TPO”.

“A resposta internacional ao 'apartheid' não deve limitar-se a condenações brandas e equívocos. A menos que abordemos as causas profundas, palestinianos e israelitas permanecerão presos a um ciclo de violência que já destruiu muitas vidas”, lembrou Agnès Callamard.

Na segunda-feira, o chefe da diplomacia israelita, Yaïr Lapid, exortou a Amnistia a não divulgar este relatório, que qualificou de “antissemita”.


Novo Governo israelita em crise por lei que discrimina palestinianos
A oposição, liderada por Netanyahu, derrotou uma lei que impedia a concessão da nacionalidade e da cidadania a palestinianos casados com cidadãos árabes israelitas.

“A Amnistia foi em tempos uma organização estimada, que todos nós respeitávamos. Hoje, ela é exatamente o oposto”, declarou Lapid, num vídeo transmitido à imprensa antes do levantamento do embargo do relatório da AI que circulava há alguns dias, acusando a ONG de “não ser uma organização de defesa dos direitos humanos, mas uma organização radical”.

“Israel não é perfeito, mas é uma democracia assente no direito internacional, aberta a críticas (…) Não gosto de dizer que se Israel não fosse um Estado judeu, ninguém na Amnistia ousaria atacá-lo, mas não vejo outra explicação”, acrescentou o MNE israelita.

Por sua vez, o Congresso Judaico Mundial acusou a AI, uma ONG de defesa dos direitos humanos com sede em Londres, de “diabolizar” Israel.

A secretária-geral da organização não-governamental, Agnès Callamard, recusou suspender a divulgação.

“O relatório é o fruto de quatro anos de trabalho, de investigação e de compromisso com os princípios do movimento Amnistia. Temos 70 secções em todo o mundo, representando dez milhões de pessoas que apoiam este relatório”, declarou Agnès Callamard em Jerusalém.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas