Escolha as suas informações

Ativistas alemães fazem campanha contra agricultura intensiva no Alentejo e Algarve
Sociedade 2 min. 14.09.2021
Ambiente

Ativistas alemães fazem campanha contra agricultura intensiva no Alentejo e Algarve

Explorações agrícolas no Alentejo.
Ambiente

Ativistas alemães fazem campanha contra agricultura intensiva no Alentejo e Algarve

Explorações agrícolas no Alentejo.
Foto: LUSA
Sociedade 2 min. 14.09.2021
Ambiente

Ativistas alemães fazem campanha contra agricultura intensiva no Alentejo e Algarve

Lusa
Lusa
Para o movimento de cidadãos de Odemira (Beja) e Aljezur (Faro), é importante que outras organizações internacionais alertem para “a exploração humana” e para “a exaustão de recursos, como a água”, devido à agricultura intensiva neste território do sul de Portugal.

O Movimento Juntos Pelo Sudoeste (JPS) congratulou-se hoje com a campanha lançada por ativistas alemães contra as culturas intensivas no Alentejo e Algarve e voltou a apelar a uma intervenção de Bruxelas.

“Esta campanha vem na sequência de vários esforços” que o movimento JPS tem efetuado “nos últimos anos” para que “outros ativistas no centro da Europa ergam a sua voz” e “chamem a atenção” para o problema “da exploração da agricultura intensiva no Baixo Alentejo”, avançou à agência Lusa Fátima Teixeira.


Explorações agrícolas no Alentejo.
Migrantes explorados em Odemira. Crónica de um problema anunciado
Casos de covid-19 em explorações agrícolas expuseram condições desumanas de alojamento dos trabalhadores migrantes.

Para a porta-voz do movimento de cidadãos de Odemira (Beja) e Aljezur (Faro), é importante que outras organizações internacionais alertem para “a exploração humana” e para “a exaustão de recursos, como a água”, devido à agricultura intensiva neste território.

“Estamos muito preocupados porque temos a grave ameaça de ter água para um ano em Odemira e esperamos que esta ação, que está a decorrer na Alemanha, dê mais frutos e se espalhe pela Europa Central e Norte da Europa”, apontou.

A representante do JPS falava à Lusa a propósito da campanha que está em marcha na Alemanha, noticiada pela SIC Notícias, contra as culturas superintensivas no Alentejo e no Algarve, sobretudo as estufas de frutos vermelhos e de abacate, respetivamente.


“É possível dentro de pouco tempo as pessoas abrirem a torneira e não terem água”.
Dias após a publicação de um relatório de cientistas da ONU em que se confirma que o mundo está a aquecer muito depressa, o Contacto falou com Isabel Lindim, autora de Portugal, ano 2071. O livro editado em fevereiro é uma pesquisa jornalística sobre como pode um dos países europeus mais vulneráveis preparar-se para as alterações climáticas. Atualmente, Isabel Lindim é editora no novo projeto de jornalismo de investigação Setenta e Quatro.

Os promotores da campanha, cuja rosto é a ativista alemã Friederike Heuer, exortam os consumidores alemães a boicotarem os produtos com origem nestas culturas superintensivas.

O manifesto que circula nas redes sociais alemãs diz que as culturas consomem a pouca água existente, degradam os solos e exploram os "escravos modernos da Ásia, de África e da Europa de leste".

Fátima Teixeira argumento que o aumento das estufas e de novas explorações agrícolas “está a esvaziar o território das suas possibilidades de resiliência e de sobrevivência” e defendeu que o Governo português deve ser “chamado à atenção por Bruxelas”.


Costa alentejana. Quando os resorts de luxo dão cabo da natureza
Ao longo da costa portuguesa entre Tróia e Sines, os grandes promotores imobiliários e o governo apostam no regresso dos resorts de luxo. Oito enormes projetos turísticos, a piscar o olho às elites estrangeiras, ameaçam um importante ecossistema de dunas e floresta. O Movimento Dunas Livres lançou uma carta aberta pela suspensão dos projetos e pela defesa de um dos últimos redutos do litoral ibérico selvagem

Apesar dos alertas sucessivos do movimento, “todas as semanas surgem novas estufas e novas explorações”, como a plantação de abacateiros, “que estão a invadir esta zona”, denunciou a responsável, apelando à intervenção internacional.

“Se isto chegar a Bruxelas, será uma boa oportunidade para fazer alguma coisa e parar esta destruição”, concluiu.

O manifesto da campanha alemã, que circula nas redes sociais daquele país, aponta para a existência de 40 mil trabalhadores imigrantes no Alentejo a viverem “em condições desumanas, em espaços coletivos exíguos pelos quais pagam elevadas rendas”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.