Escolha as suas informações

Alunas comemoraram independência de Cabo Verde com dança, música e memórias de Amílcar Cabral
Sociedade 7 2 min. 08.07.2013 Do nosso arquivo online

Alunas comemoraram independência de Cabo Verde com dança, música e memórias de Amílcar Cabral

Sociedade 7 2 min. 08.07.2013 Do nosso arquivo online

Alunas comemoraram independência de Cabo Verde com dança, música e memórias de Amílcar Cabral

O dia 5 de Julho é uma data que não passa despercebida a nenhum cabo-verdiano, esteja ele dentro ou fora do país. No dia em que se assinalou o 38º aniversário da independência de Cabo Verde, seis alunas da École Privée Fieldgen juntaram o útil ao agradável e escolheram este tema para o projecto de fim de ano.

O evento teve lugar no Centro Cultural da Gare e contou com a presença de Clara Delgado, encarregada de negócios de Cabo Verde no Luxemburgo, Jean Marc Heyert, presidente da associação cabo-verdiana de Fameck, Nelson Neves, pintor, e do Comité Spencer, a associação de jovens cabo-verdianos no Luxemburgo.

Clara Delgado abriu a sessão lembrando o papel fundamental dos emigrantes na construção da nação cabo-verdiana.

Na conferência, Jean Marc Heyert recordou a vida e obra de Amílcar Cabral e sublinhou que o herói cabo-verdiano "fez aquilo que os portugueses nunca conseguiram: unir os povos" e levá-los, através da auto-confiança e da procura de conhecimento, "a lutar pela independência".

Para o presidente da associação cabo-verdiana de Fameck, os cabo-verdianos devem ter orgulho no seu país, sublinhando o facto de Cabo Verde ocupar o segundo lugar no ranking do melhor país africano para viver, alcançando 68 pontos em 100, com base em critérios como a estabilidade política, liberdade de expressão, taxas de mortalidade e esperança média de vida. 

"Cabral conseguiu atrair a atenção do mundo inteiro para a sua causa", disse Heyert, explicando que, após inúmeras tentativas falhadas de Salazar e do General Spínola para capturar Amilcar Cabral, Portugal mudou de estratégia e decidiu fazer "uma lavagem cerebral aos combatentes guineenses".

O general português plantou a semente da discórdia, dizendo aos combatentes guineenses que as causas de Cabo Verde e da Guiné eram diferentes, e que, como o PAIGC fora criado por cabo-verdianos (Amílcar Cabral, Luis Cabral, Pedro Pires, Arestides Pereira), só iria defender os interesses dos cabo-verdianos.

Nelson Neves, pintor cabo-verdiano residente no Grão-Ducado, apelou à valorização da história e cultura cabo-verdianas e elogiou a iniciativa das jovens organizadoras.

Para as jovens finalistas do 12º ano, foi um desafio descobrir a história do país, e a pesquisa que efectuaram ensinou-lhes muitos factos que desconheciam.

"Apesar de frequentar a comunidade cabo-verdiana, havia muita coisa da história do país que desconhecia completamente e que com certeza muitos outros jovens não conhecem", salientou um dos membros do grupo, composto por seis elementos: as portuguesas Stéphanie Dias e Kelly Gomes, a luxemburguesa Suzanne Kohl, a cabo-verdiana Maryline Monteiro e Kim Vo, vietnamita.

Apesar de reunir várias nacionalidades, o grupo, que adoptou o nome Insular, não teve dificuldades em unir-se para a mesma causa.

"Éramos um grupo muito unido. Todos sabíamos o que tínhamos a fazer e com o apoio do comité Spencer foi tudo mais fácil", disseram ao CONTACTO.

O grupo tem planos para organizar uma viagem a Cabo Verde no último ano do liceu.

A festa da independência contou ainda com grupos de dança e com as cantoras Letícia e Jamila.

Aleida Vieira