Escolha as suas informações

Abacates e baunilha entre dezenas de parentes de culturas selvagens em vias de extinção
Sociedade 3 min. 09.09.2021
Alterações Climáticas

Abacates e baunilha entre dezenas de parentes de culturas selvagens em vias de extinção

Alterações Climáticas

Abacates e baunilha entre dezenas de parentes de culturas selvagens em vias de extinção

Foto. Riva Verlag
Sociedade 3 min. 09.09.2021
Alterações Climáticas

Abacates e baunilha entre dezenas de parentes de culturas selvagens em vias de extinção

Prevê-se que os rendimentos das culturas em todo o mundo caiam à medida que as temperaturas médias aumentam, ameaçando a segurança alimentar aos mesmo tempo que a população humana se aproxima dos 10 mil milhões.

Parentes selvagens de algumas das culturas mais importantes do mundo, incluindo batatas, abacates e baunilha, estão em risco de extinção segundo o estudo "Risco de extinção de parentes selvagens da cultura Mesoamericana"publicado na revista "Plants, People, Planet".\

As alterações da salinidade do solo estão a fazer com que as culturas não tenham a capacidade de se adaptar. Com o aumento das temperaturas, devido às alterações climáticas, as pragas e doenças também se vão alterar e isto pode ter um impacto maciço nas plantas cultivadas, apontam os cientistas. O alerta vai mais longe: poderemos vir a ter escassez destes alimentos.

As espécies invasoras, a contaminação por culturas geneticamente modificadas, a colheita insustentável e a exploração madeireira representam mais ameaças para as espécies selvagens, juntamente com a conversão do habitat. Os cientistas apontam a necessidade de melhorar a diversidade genética dos parentes selvagens das culturas nos bancos de genes.

José Sarukhán, coordenador da Comissão Nacional para o Conhecimento e Utilização da Biodiversidade do México (Conabio), disse que os parentes selvagens das culturas devem ser mais bem protegidos. 

"Dado que a Mesoamérica é um centro de origem e domesticação das principais culturas, é de importância mundial, no contexto do aquecimento global, que preservemos os parentes selvagens das culturas da região e a sua diversidade genética".

"A população local utiliza tradicionalmente estas diversas espécies como alimento e medicina, e numerosos grupos culturais têm papéis-chave a desempenhar na sua preservação". Parentes selvagens de culturas alimentares como a banana, maçã, ameixas secas e gengibre estão também na lista vermelha como ameaçados.  

Espécies em perigo

A baunilha, uma orquídea nativa da América do Sul e Central, enfrenta o maior risco de extinção, com as oito espécies selvagens encontradas na região listadas como ameaçadas ou criticamente ameaçadas na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) de plantas e animais em perigo.

O algodão selvagem é a segunda espécie na lista, com 92% das espécies em risco de desaparecer, de acordo com o estudo. Três em cada cinco espécies de abacate estão em risco e 23% das espécies de batata selvagem. As espécies de feijão selvagem, abóbora, pimenta malagueta e tomate com casca também foram incluídas no estudo que descobriu que 35% das espécies estão em risco de extinção, em grande parte devido à agricultura e ao uso de pesticidas.


Dragão-de-komodo passa a constar da lista de espécies em risco de extinção
A atualização da chamada “lista vermelha” refere ainda que a sobrepesca de tubarões está a criar uma ameaça à espécie, podendo levar à perde de um terço do número atual destes animais na Terra.

Os parentes das 224 culturas selvagens analisadas no México, Guatemala, El Salvador e Honduras tornaram-se alimentos básicos em todo o mundo, cruciais para a dieta humana e a produção de vestuário, e foram domesticados pela primeira vez pelos Astecas, Maias e outras civilizações há pelo menos 5.000- 10.000 anos atrás. 

Os cientistas esperam que os programas de reprodução com espécies selvagens ajudem as culturas a adaptar-se. Mas Bárbara Goettsch, principal autora da investigação, disse ao jornal britânico The Guardian que se a crise climática prejudicar os rendimentos das espécies e os parentes selvagens não estiverem presentes para ajudar as culturas básicas a adaptarem-se, as refeições preferidas, tais como as tostas de abacate e o gelado de baunilha, poderão estar em risco de desaparecer. 

Das dezenas de parentes selvagens estudadas, pelo menos 16 foram utilizadas para criar culturas que são mais resistentes a condições meteorológicas extremas e outras ameaças. Incluem abóboras que suportam melhor o frio e batatas resistentes à seca, bem como milho capaz de ser produzido com maior rendimento.

Madagáscar enfrenta a sua pior seca em 40 anos, com mais de um milhão de pessoas a sofrer de escassez de alimentos devido à baixa pluviosidade durante as épocas de plantio. Segundo Goettsch, "a fome a que estamos a assistir em Madagáscar neste momento dá-se porque ainda não choveu. É uma seca prolongada, pelo que as culturas simplesmente morreram e não podem cultivar nada. Em alguns casos, temos gafanhotos que se multiplicam em números super elevados porque as condições climáticas são boas para eles migrarem mais longe do que normalmente fazem. Essa é a ameaça que as alterações climáticas representam para as culturas". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas