Escolha as suas informações

Alérgico(a) ao peixe? Estudo luxemburguês descobre que raia pode ser opção segura

Alérgico(a) ao peixe? Estudo luxemburguês descobre que raia pode ser opção segura

Foto: Wort
Sociedade 10.01.2019

Alérgico(a) ao peixe? Estudo luxemburguês descobre que raia pode ser opção segura

Um estudo luxemburguês, em coperação com cientistas austríacos, concluiu que o consumo de raia poderá ser seguro para pessoas alérgicas à proteína parvalbumina, abundante em várias espécies de peixe.

Um estudo realizado pelo Instituto de Saúde do Luxemburgo (LIH, em inglês) e pelo Centro Hospitalar luxemburguês (CHL), em coperação com especialistas da Universidade de Viena, na Áustria, abre nova esperança para os indivíduos alérgicos ao peixe. A investigação sugere que a raia poderá ser uma alternativa segura para quem sofre de alergia ao peixe, nomeadamente a proteína parvalbumina, a originária dereações adversas na maioria dos casos. 

Os investigadores concluíram que a parvalbumina provoca menos reações alérgicas quando presente na cartilagem do peixe do que quando presente nos ossos do peixe. A raia, um peixe cartilagíneo, poderá constituir portanto uma alternativa segura para quem é alérgico ao peixe. Quase todos os participantes no estudo consumiram o alimento sem sofrer reações alérgicas posteriores, mesmo nos casos de alergia severa à parvalbumina. 

Isto não significa, contudo, que é seguro consumir raia. No comunicado enviado às redações a equipa de centistas aconselha a consultar um especialista antes de consumir este peixe. "As pessoas alérgicas que queiram consumir peixe têm agora uma oportunidade inesperada. No entanto, devem consultar um especialista e fazer o teste de forma a confirmar a tolerância à raia", referem os responsáveis. 


E se pudesse saber qual a dieta mais adequada para si?
Imagine que através de uma análise laboratorial conseguia saber que tipo de alimentação mais se adequa ao seu metabolismo. Esta é a ambição de Alberto Noronha, o jovem investigador português a viver e a trabalhar no Luxemburgo desde 2014.

A equipa pretende agora alargar a investigação a populações fora da Europa, e considera necessária mais investigação sobre outros peixes seguros para pessoas com alergias à parvalbumina. O estudo foi publicado no jornal académico Journal of Allergy and Clinical Immunology: In Practice. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.