Escolha as suas informações

Alemanha. Renânia-Palatinado quer Luxemburgo fora da 'zona de risco' o "mais rápido possível"
Sociedade 2 min. 18.08.2020 Do nosso arquivo online

Alemanha. Renânia-Palatinado quer Luxemburgo fora da 'zona de risco' o "mais rápido possível"

Alemanha. Renânia-Palatinado quer Luxemburgo fora da 'zona de risco' o "mais rápido possível"

Malu Dreyer
Sociedade 2 min. 18.08.2020 Do nosso arquivo online

Alemanha. Renânia-Palatinado quer Luxemburgo fora da 'zona de risco' o "mais rápido possível"

Redação
Redação
A ministra-presidente da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer, não vê nenhuma razão para manter o Grão-Ducado na 'zona de risco'. O governo federal alemão deve "reagir rapidamente", disse.

Malu Dreyer pediu, na passada segunda-feira, ao governo federal alemão que "retire o mais rápido possível a classificação de Luxemburgo como zona de risco". "É muito gratificante notar que, de acordo com as últimas estatísticas epidemiológicas, os números da infeção no Luxemburgo caíram drasticamente, confirmando a tendência das últimas semanas", afirmou Dreyer à imprensa à margem de uma visita a Meinz.

"Não só o governo federal deve controlar a situação no Grão-Ducado, mas também, à luz dos números atuais, revogar o mais rápido possível a classificação na zona de risco", apelou a ministra-presidente, garantindo que a região está "particularmente ligada ao Luxemburgo. Só para trabalhar, cerca de 40.000 pessoas cruzam a fronteira todos os dias".


Covid-19. Porque a Alemanha mantém o Luxemburgo como 'país de risco'?
Saiba a razão pela qual o vizinho germânico continua a classificar o Grão-Ducado como perigoso na contaminação do vírus, apesar dos pedidos do ministro luxemburguês.

Em meados de julho, o Luxemburgo foi reconhecido como zona de risco pelo Instituto Robert Koch, após ter ultrapassado o limite de 50 novos casos por 100 mil habitantes no espaço de sete dias. 

Mas, desde o início, que o Grão-Ducado se opõe a esta classificação, argumentando que os números elevados existem devido à campanha de testes em larga escala no país, onde se incluem os trabalhadores transfronteiriços. 


Entrevista com investigador. Fronteiras da covid-19 "têm mais a ver com interpretações políticas dos factos científicos"
Portugal e o Luxemburgo têm sido considerados zonas de risco pelos seus pares e têm visto serem-lhes colocadas restrições e condições a quem a partir deles viaje.

O ministro dos Negócios Estrangeiros luxemburguês, Jean Asselborn, pediu mesmo ao homólogo alemão para retirar o Grão-Ducado da lista 'negra' alemã dos países de risco da covid-19, por já não se justificar o perigo. O pedido foi feito for carta enviada a 14 de agosto mas até à data o Luxemburgo continua a figurar na lista.  

 Mas a Alemanha não é a única, vários países europeus têm colocado restrições à entrada de residentes no Luxemburgo, exigindo por exemplo quarentenas ou testes negativos ao coronavírus. Os números da covid-19 no país continuam a ditar restrições à entrada dos cidadãos que viagem do país para o estrangeiro.  

Edição de Ana Patrícia Cardoso. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas