Escolha as suas informações

A menina luxemburguesa que pediu para aprender português
Maria Hoffmann é luxemburguesa e frequentou um dos primeiros cursos de português organizados no Luxemburgo.

A menina luxemburguesa que pediu para aprender português

Foto: Pierre Matgé
Maria Hoffmann é luxemburguesa e frequentou um dos primeiros cursos de português organizados no Luxemburgo.
Sociedade 1 3 min. 28.12.2016

A menina luxemburguesa que pediu para aprender português

Chama-se Maria e fala português desde menina, mas é luxemburguesa dos quatro costados. Maria Hoffmann aprendeu português em criança, em Larochette, nos anos 1970. A menina luxemburguesa pediu para frequentar um dos primeiros cursos de língua portuguesa organizados para imigrantes.

Maria Hoffmann assistiu à chegada dos primeiros portugueses a Larochette, nos anos 1970. Tinha seis ou sete anos e não percebia por que é que os colegas, a maioria portugueses, a deixavam sozinha para ir para o curso de português, um dos primeiros organizados no país. "Eles ao meio-dia iam à escola portuguesa e eu fui com eles. Sentei-me lá no banco e o professor perguntou-me: 'O que é que tu fazes aqui?'. 'Olha, quero aprender a falar português'."

O professor de Português não se deu por achado. "Ele deu-me o livro e disse-me: 'olha, podes aprender connosco', e aí aprendi um poucochinho português”, conta a luxemburguesa, hoje com 52 anos.

Nessa altura, no início dos anos 1970, arrancavam os primeiros cursos de Português no Luxemburgo. As aulas, destinadas aos imigrantes portugueses, começaram em 1968/69 pela mão do cônsul José Mendes-Costa, explica o historiador luxemburguês Thierry Hinger, a preparar um doutoramento sobre a imigração portuguesa antes e após o 25 de Abril. Em 1972/73, os cursos foram oficializados através de um diploma aprovado pelo Conselho de Ministros em Portugal, "que criava escolas portuguesas em França e no Luxemburgo", aponta o historiador.

Maria Hoffmann frequentou um destes primeiros cursos em Larochette, precursores das aulas integradas no ensino primário que hoje estão em risco de acabar. Os pais de Maria viviam em Ernzen, uma aldeia com pouco mais de três centenas de habitantes, a um quilómetro de Larochette. Tinham um café que era frequentado por muitos portugueses e alugavam casas e quartos aos novos imigrantes. "Ainda me lembro de a minha mãe me dizer: 'olha, esta noite eles vão vir, vai vir um outro 'bus' [autocarro] com senhores portugueses", conta. "Eles não tinham muito, vieram com uma 'valise' [mala]", recorda a luxemburguesa.

Maria almoçava muitas vezes em casa de famílias portuguesas e surpreendia-se com usos que não conhecia. "Foi a primeira vez que comi tremoços", conta. "Tremoços e bacalhau, que eles faziam de várias maneiras". Para a menina luxemburguesa, era a descoberta de novos costumes: aos domingos, conta, "os transmontanos jogavam à bola" no campo de futebol da aldeia e o ar enchia-se com o cheiro das sardinhas assadas. "As mulheres vinham ver os homens jogar e era sempre uma festa", lembra Maria.

Outros hábitos destes trabalhadores portugueses saídos dos meios rurais pareciam-lhe menos apetecíveis, como comer salada do mesmo prato. "Lembro-me sempre quando eles estavam a comer salada, e toda a gente com o garfo lá dentro, a comer... Eu disse: 'Isso não se pode fazer, tens que meter a salada no teu prato'. E eles: 'Ó Maria, come!'".

Hoje, Maria é secretária na Universidade do Luxemburgo, em Esch-Belval, e apesar de admitir que já esqueceu muito, não perde uma oportunidade de falar a língua. "Aqui na universidade, temos muitos doutorandos que falam português, e eles gostam tanto quando passam lá, porque podem falar comigo em português", conta.

Falar o idioma também lhe abriu uma porta para a maior comunidade estrangeira no país. "É tão bonito compreender o que é que eles estão a dizer", diz Maria. "Escrevi sempre no meu currículo que falo português, mas não é só isso, [ajudou-me] a não fazer uma diferença", aponta. "Para mim é muito importante tratar as pessoas de maneira igual, não fazer uma diferença, se é uma mulher que faz a limpeza ou se é um professor ou um doutor, não me interessa", garante. "Acho que é também porque aprendi a língua, porque vi como eles [portugueses] são, e são como nós: é a mesma coisa".

Para Maria, seria natural que as escolas luxemburguesas ensinassem português como língua estrangeira. E lamenta o fim dos cursos integrados em Esch. "Isso é muito triste", diz. "O francês faz-lhes bem e o luxemburguês também, para se integrar[em], mas eu sempre pensei que é bom que os miúdos portugueses não esqueçam o português, porque é a língua-mãe".

Texto: Paula Telo Alves / Vídeo e fotos: Pierre Matgé


Notícias relacionadas

Ministro da Educação: "Há três anos que propomos às autoridades portuguesas que reorientem o português para o pré-escolar"
É a primeira vez que o ministro da Educação do Luxemburgo fala sobre o fim dos cursos integrados em Esch-sur-Alzette, e a mensagem é clara. O ministro quer que os cursos integrados no ensino primário sejam substituídos por intervenções apenas no pré-escolar. Uma proposta que se aplicaria a todo o país e que representaria o fim dos cursos integrados de língua e cultura portuguesa no ensino primário luxemburguês.