Escolha as suas informações

4.800 casas vazias geram revolta em Metz
Sociedade 31.10.2019

4.800 casas vazias geram revolta em Metz

4.800 casas vazias geram revolta em Metz

Foto: Michel Mortellato
Sociedade 31.10.2019

4.800 casas vazias geram revolta em Metz

A situação das pessoas que vivem na rua "é cada vez mais preocupante em Metz", segundo a Fundação Abbé-Pierre. Esta quinta-feira, a fundação organizou uma ação para denunciar a inércia do governo em relação ao elevado número de casas vazias, mas habitáveis.

"A nossa fúria provém do facto de termos dado instruções aos responsáveis pela tomada de decisões sobre como acompanhar as famílias em situações frágeis, que vivem em habitações temporárias, de forma a permitir-lhes respirar e recuperar a segurança. Mas a resposta sempre foi: 'Não é possível, não pode ser feito!' Embora possamos contar com os exemplos de Lyon, Rennes, ou até de mais perto de nós, de Florange. Há anos que a associação Athenes ("Habitantes de Thionville pelo crescimento de novos espaços sociais", sigla em português) acolhe agregados familiares em três casas do Estado que há muito se prometem vir a demolir", afirma Véronique Etienne, diretora da agência Grand Est da Fundação Abbé-Pierre, acrescentando: "É falta de vontade política".


Oito comunas aplicam imposto sobre imóveis desocupados
São já oito as autarquias luxemburguesas que aplicam impostos sobre os imóveis devolutos. Esch-sur-Alzette, a segunda maior comuna do país, é uma delas.

Após um primeiro aviso às autoridades públicas no final de janeiro, a Fundação Abbé-Pierre esteve esta quinta-feira no anfiteatro do jardim des Tanneurs, em Metz, França, para uma segunda ação de sensibilização e alerta, "já que Metz não está a fazer nada para ocupar as casas vagas".

Uma afronta aos mais vulneráveis

Segundo um estudo publicado em janeiro de 2019, 4.800 habitações estavam vagas nos subúrbios de Metz, entre elas 227 unidades detidas pelo Estado e entidades públicas, e 640 unidades de habitação social.

"Queremos denunciar hoje esta afronta aos mais vulneráveis, que vão dormir na rua, na melhor das hipóteses num lugar temporário, mesmo que neste território as autoridades locais tenham os meios para ter um espaço 'Sem abrigo: objetivo zero'", diz Véronique Etienne.  Cada ano, a fundação acolhe 500 pessoas novas, a maioria sem-abrigo, no Espace Clovis, no centro de Metz.


Luxemburgo teve o segundo maior aumento dos preços das casas da União Europeia
A média da UE é de 4,2%.

As habitações vazias não só não estão "degradadas ou inabitáveis", como são regularmente colocadas à venda, algumas a um "preço mais elevado oferecido pelos compradores. Só em 2018, foram vendidas 27 casas", garante a fundação.

O artigo original foi publicado em francês no Luxemburger Wort.